Argentinos comemoram 10 anos de era Kirchner

26.05.2013 - Agencia Brasil

Argentinos comemoram 10 anos de era Kirchner
(Crédito da Imagem: Foto Telam)

Brasília – A era Kirchner completa dez anos neste sábado. A comemoração acontece junto com a dos 203 anos da Revolução de Maio – quando os argentinos expulsaram o governo espanhol e criaram a primeira junta governante nacional -, na Praça de Maio em frente à Casa Rosada, em Buenos Aires, capital argentina. Mais de 6 mil pessoas estão no local.

Os festejos começaram à tarde. Mas desde a manhã de hoje (25) movimentos sociais e grupos de vários municípios ocupam a praça. Alguns parlamentares e integrantes do governo aproveitam a comemoração para exaltar o período político argentino.

O deputado Agustín Rossi disse neste sábado que “quando se analisa qualquer indicador, é possível ver que a Argentina está muito melhor do que há dez anos”. Ele acrescentou que “deve ter muita gente que há dez anos tinha um carro que não podia trocar e agora pode. Que há muito tempo não tinha férias e que agora tem”.

O ministro do Trabalho, Carlos Tomada, disse que durante os dez anos da era Kirchner  ocorreu a recuperação da “cultura do trabalho”. Segundo ele, a data serve para “recordar o que foi construído no período e renovar o compromisso com tudo o que ainda falta ser feito”.

Os movimentos sociais que participam das comemorações chegaram cedo. Na praça podem ser vistas siglas de vários movimentos como a União dos Trabalhadores Metalúgicos e União dos Trabalhadores da Construção da República Argentina. Além de bandeiras que identificam municípios como Lanús, Lomas de Zamora e San Martín, entre otros.

Muitos movimentos elogiam o governo dos Kirchner e promovem uma homenagem, colocando uma grande bandeira com o rosto do ex presidente Néstor Kirchner em frente à praça.

A era Kirchner teve início com o governo de Néstor Kirchner, falecido em 2010. O período é marcado pelo destaque às causas sociais.

O período também é marcado por alguns embates econômicos com o Brasil. Apesar do comércio entre Brasil e Argentina ter aumentado de US$ 7 bilhões para US$ 40 bilhões nos últimos dez anos, também cresceram barreiras comerciais que restringem o comércio de produtos agrícolas e industriais nos dois lados da fronteira.

A suspensão de uma obra bilionária da Vale na Argentina e a venda de ativos da Petrobras no país vizinho são as evidências mais recentes das diferenças entre os dois países.

No mês passado, as presidentas Dilma Rousseff e Cristina Kirchner se reuniram em Buenos Aires para tentar resolver os desentendimentos entre empresas brasileiras e autoridades argentinas.

Por Mariana Tokarnia, Repórter da Agência Brasil*

Categorias: Ámérica do Sul
Tags: , ,

Boletim diário

Digite seu endereço de e-mail para assinar o nosso serviço de notícias diárias.

O Princípio do fim das armas nucleares

2a Marcha Mundial da Paz e da Não-violência

Documentário 'RBUI, o nosso direito de viver'

Milagro Sala

Canale youtube

International Campaign to Abolish Nuclear Weapons

International Campaign to Abolish Nuclear Weapons

Arquivo

Except where otherwise note, content on this site is licensed under a Creative Commons Attribution 4.0 International license.