Fórum Social Mundial denúncia neoliberalismo e ocupações militares

02.04.2013 - Prensa Latina

This post is also available in: Espanhol

Fórum Social Mundial denúncia neoliberalismo e ocupações militares

Os participantes do Fórum Social Mundial (FSM) denunciaram numa Declaração Final circulada hoje aqui, as guerras, ocupações militares e tratados neoliberais de livre comércio que privatizam bens sociais, reduzem direitos e destroem a natureza. ‘Juntos, os povos de todos os continentes livramos lutas onde nos opomos com grande energia à dominação do capital, que se oculta por trás da promessa de progresso econômico do capitalismo e da aparente estabilidade política’, sublinha o texto.

Assinala que os povos do mundo sofrem “os efeitos do agravamento de uma profunda crise do capitalismo na qual os bancos, as multinacionais, conglomerados mediáticos e governos buscam potenciar seus benefícios através de uma política intervencionista e neocolonialista”.

A esse respeito enfatiza que tal política aumenta as migrações, as deslocações forçadas e as desigualdades e põe como exemplos as crises econômicas na Grécia, Chipre, Portugal, Itália, Irlanda e Espanha.

No aspecto político, o documento denuncia a intensificação da repressão, assassinatos de líderes de movimentos sociais e o que descreve como “criminalização de nossas lutas e propostas”.

A declaração recusa os tratados de livre comércio impostos pelas multinacionais e pronuncia-se “por uma integração a partir do povo e para os povos, baseada na solidariedade”.

Os participantes do FSM expressaram a certeza de que o aquecimento global é resultado do sistema capitalista de produção, distribuição e consumo e recusaram “as falsas soluções à crise climática”, ao mesmo tempo que condenaram a violência contra as mulheres exercida de maneira regular nos territórios sob ocupação militar.

Nesse particular denunciaram o falso discurso em defesa dos direitos humanos e “a luta contra o integrismo que justifica ocupações militares como as do Haiti, Líbia, Mali e Síria” e defenderam o direito dos povos à autodeterminação como nos casos da Palestina e o Sahara Ocidental, entre outros.

O FSM se desenvolveu nesta capital entre a passada terça-feira e a véspera com a participação de aproximadamente 30 mil delegados de 4600 organizações de 127 países e em uma de suas primeiras sessões rendeu homenagem ao extinto presidente bolivariano, Hugo Chávez.

Categorias: Assuntos internacionais, Internacional, Nota de imprensa

Boletim diário

Digite seu endereço de e-mail para assinar o nosso serviço de notícias diárias.

Pesquisa

Informe Pressenza

Informe Pressenza

Caderno de cultura

Caderno de cultura

O Princípio do fim das armas nucleares

Documentário 'RBUI, o nosso direito de viver'

Canale YouTube

International Campaign to Abolish Nuclear Weapons

International Campaign to Abolish Nuclear Weapons

Arquivo

xpornplease pornjk porncuze porn800 porn600 tube300 tube100 watchfreepornsex

Except where otherwise note, content on this site is licensed under a Creative Commons Attribution 4.0 International license.