Irmandade Muçulmana anuncia triunfo do “sim” no referendo do Egipto

24.12.2012 - Radio Moçambique

Irmandade Muçulmana anuncia triunfo do “sim” no referendo do Egipto

A Irmandade Muçulmana anunciou neste domingo a vitória do “sim” no referendo constitucional realizado no Egipto, com um apoio de 71% dos eleitores neste sábado, segundo os seus dados não oficiais.

Em comunicado divulgado através de seu site, a confraria islâmica assegura, além disso, que somadas as duas jornadas da votação – a primeira dela realizada no dia 15 de dezembro – a vitória do “sim” foi de 64%, contra 36% do “não”, sempre à espera dos dados oficiais.

O grupo ao que pertenceu o presidente

egípcio, Mohammed Mursi, até chegar ao poder informou que o “sim” venceu em 16 das 17 províncias nas quais foi realizada no sábado a segunda fase da consulta.

A única na qual ganhou o “não” foi Menufiya (norte), segundo a Irmandade Muçulmana, cujos dados apontam para uma vitória folgada do “sim” nas outras províncias, entre as quais se encontram Giza, que abrange parte do Cairo, Suez (leste) e Luxor.

Por sua vez, a televisão egípcia indicou que o “sim” conseguiu 70,7% dos votos na segunda rodada, enquanto o jornal estatal “Al-Ahram” o avalia em 71,4%, com uma participação de 32%.

O primeiro turno aconteceu há uma semana em outras dez províncias, entre elas Cairo e Alexandria, e nela ganhou o “sim” com quase 57% dos votos, sempre segundo os resultados oficiosos.

Durante a segunda rodada do plebiscito, tanto a Irmandade Muçulmana como a Frente de Salvação Nacional (FSN), que reúne grande parte da oposição não islamita, denunciou haver detectado várias irregularidades.

O FSN solicitou o “não” ao considerar que a redacção da minuta da Constituição foi monopolizada pelos islamitas e que o texto corta direitos e liberdades, além de abrir a porta para uma interpretação islamita da lei, entre outras críticas.

 

Renúncia do vice

Poucas horas antes do fecho dos colégios eleitorais, o vice-presidente Mahmoud Meki apresentou a sua renúncia ao considerar que “a sua missão de serviço à pátria terminou”. Ainda não estão claras as causas exactas da renúncia de Meki, já que, apesar da nova Carta Magna não assegurar a existência de uma Vice-Presidência, o próprio político, que é juiz de profissão, já havia tentado renunciar no último dia 7 de novembro, uma decisão que não foi aceite por causa do “período de instabilidade do país na ocasião”.

Nessa última carta, Meki lembrou as difíceis circunstâncias pelas quais o país passou nos últimos meses e os seus esforços para que Mursi publicasse uma emenda constitucional capaz de anular a medida anunciada no último dia 22 de novembro, a qual blindou os seus poderes perante a Justiça e desencadeou uma onda de protestos.

Categorias: Africa, Internacional, Política

Boletim diário

Digite seu endereço de e-mail para assinar o nosso serviço de notícias diárias.

Search

Informe Pressenza

Informe Pressenza

Caderno de cultura

Caderno de cultura

O Princípio do fim das armas nucleares

Documentário 'RBUI, o nosso direito de viver'

Canale YouTube

International Campaign to Abolish Nuclear Weapons

International Campaign to Abolish Nuclear Weapons

Arquivo

xpornplease pornjk porncuze porn800 porn600 tube300 tube100 watchfreepornsex

Except where otherwise note, content on this site is licensed under a Creative Commons Attribution 4.0 International license.