“Africanistão” : intervenção militar no Mali pode ocorrer em breve

16.10.2012 - Radio Moçambique

“Africanistão” : intervenção militar no Mali pode ocorrer em breve

O Mali, país africano no Deserto do Sahara, vive a expectativa de intervenção de uma Força de Paz da Organização das Nações Unidas (ONU) para combater os rebeldes que dominam boa parte de seu território. O ministro da Defesa da França, que apoia a operação, declarou hoje (16) que a acção deve começar nas próximas semanas.

Desde o golpe militar de março, que derrubou o presidente do Mali, Amadou Toumani Touré, os povos tuaregues – nômades do deserto – dominam dois terços do país. Mesmo sem reconhecimento internacional, eles declararam a independência do Estado do Azawad. O Ansar Dine, principal grupo rebelde do Movimento Nacional pela Libertação do Asawad (MNLA), tem ligações com a organização terrorista Al Qaeda. Os militantes são radicais muçulmanos e querem impor a lei islâmica, a sharia, no território ocupado.

Nas cidades históricas do deserto, como Timbuctu, documentos medievais e construções consideradas patrimônio da humanidade pelas Nações Unidas foram destruídos. No Continente Africano, a região vem sendo chamada pela imprensa e por analistas políticos de Africanistão.

Uma das fontes de financiamento dos rebeldes é o pagamento de resgates por países da Europa em troca da libertação de reféns. Actualmente, há nove cidadãos europeus em poder dos tuaregues, seis deles franceses. Parentes dos sequestrados foram recebidos em audiência privada pelo presidente da França, François Hollande, que prometeu que mesmo que haja uma acção militar internacional na região, as negociações pela liberdade dos reféns vão continuar. Hollande reiterou, no entanto, que não haverá tropas francesas na operação.

Os Estados Unidos e os países da União Europeia, assim como boa parte da comunidade internacional, não querem a formação de um novo estado radical islâmico em África. Por isso, apoiam a intervenção militar, mas impõem condições: para votar a favor da operação no Conselho de Segurança da ONU, precisam do compromisso dos países vizinhos ao conflito. As tropas devem ser formadas – e, principalmente, lideradas – por países africanos.

A Comunidade dos Estados do Oeste da África (Ecowas) pretende apresentar um plano de acção nos próximos dias. A França já anunciou que vai apoiar a operação com treino, armas e munições.

Com Emerson Penha, Correspondente da EBC em África (Maputo)

Categorias: Africa, Assuntos internacionais, Internacional, Política

Boletim diário

Digite seu endereço de e-mail para assinar o nosso serviço de notícias diárias.

Pesquisa

 

Caderno de cultura

Cuaderno de cultura

O Princípio do fim das armas nucleares

Documentário 'RBUI, o nosso direito de viver'

Canale youtube

International Campaign to Abolish Nuclear Weapons

International Campaign to Abolish Nuclear Weapons

Arquivo

Except where otherwise note, content on this site is licensed under a Creative Commons Attribution 4.0 International license.