Khadafi tenta romper cerco a Trípoli, enquanto Ocidente busca afogar seu regime

01.03.2011 - Trípoli - Radio Netherlands

*”Vamos pressioná-lo economicamente (…). Pressioná-lo militarmente”*, destacou Rice à imprensa.

Estados Unidos e seus aliados europeus analisam acionar a Otan para fechar o espaço aéreo líbio, a fim de impedir que a força aérea de Khadafi ataque zonas povoadas.

Mas uma intervenção no espaço aéreo exigiria a prévia destruição dos sistemas de defesa antiaérea líbios, advertiu o general americano James Mattis.

Já a França garantiu que *”não haverá qualquer intervenção militar (na Líbia) sem um mandato claro das Nações Unidas”*.

A Organização da Conferência Islâmica (OCI) rejeita qualquer intervenção e afirma que *”todas as opções devem ser utilizadas para solucionar o conflito por meios pacíficos”*, como declarou seu secretário-geral, Ekmeleddin Ihsanoglu, no Conselho de Direitos Humanos da ONU.

A oposição líbia vê com receio as opções militares, pois teme que uma intervenção estrangeira tire a legitimidade da revolta.

Khadafi perdeu o controle dos principais poços de petróleo da Líbia, que estão nas mãos dos rebeldes, e a comunidade internacional busca apertar o garrote econômico contra seu regime.

Os Estados Unidos bloquearam 30 bilhões de dólares da Líbia, enquanto a União Europeia decretou sanções que vão do embargo de armas ao congelamento de bens de Khadafi.

Os milicianos de Khadafi tentaram na madrugada desta terça-feira recuperar o controle da cidade de Zauiya, 60 km a oeste da capital, mas foram repelidos pelas forças rebeldes.

A rebelião, que em duas semanas conquistou a maior parte do território líbio, instalou em Benghazi, origem da revolta, um Conselho Militar, integrado por oficiais que abandonaram o regime.

O novo Conselho Militar discute a conveniência de se lançar um ataque a Trípoli, mas o general Ahmed Qatrani, comandante das forças rebeldes em Benghazi, rejeita a ideia: *”estamos em contato com os opositores na capital e nos pedem para não fazer nada, dizem que são capazes de dirigir a revolta”*.

A rebelião já controla a maior parte do território líbio, incluindo os principais campos de petróleo, enquanto o regime permanece apenas em Trípoli e sua região.

Diante da pressão crescente da comunidade internacional por sua saída, Kadhafi, no poder há mais de 40 anos, mostra-se inflexível, afirmando que o povo líbio vai defendê-lo.

Em Trípoli, postos de controle foram construídos dentro e fora da capital por militantes pró-Kadhafi. Pão e gasolina estão racionados, segundo um morador.

Os Estados Unidos vão enviar duas equipes humanitárias às fronteiras com a Tunísia e o Egito, ao mesmo tempo em que a Cruz Vermelha Internacional exigiu acesso imediato ao Oeste da Líbia.

A França enviou dois aviões a Benghazi com ajuda humanitária e o Programa Alimentar Mundial anunciou o envio de 80 toneladas de rações energéticas.

O chefe da ONU Ban Ki-moon mencionou, por sua vez, um balanço do conflito de mil mortos.

Quase cem mil pessoas, a maioria trabalhadores egípcios e tunisianos, já deixaram o país pelas fronteiras, segundo o Alto Comissariado da ONU para os Refugiados (HCR).

Categorias: Africa, Internacional, Política

Boletim diário

Digite seu endereço de e-mail para assinar o nosso serviço de notícias diárias.

O Princípio do fim das armas nucleares

2a Marcha Mundial da Paz e da Não-violência

Documentário 'RBUI, o nosso direito de viver'

Milagro Sala

Canale youtube

International Campaign to Abolish Nuclear Weapons

International Campaign to Abolish Nuclear Weapons

Arquivo

Except where otherwise note, content on this site is licensed under a Creative Commons Attribution 4.0 International license.