Marcha Mundial pela Paz é apresentada nas Nações Unidas e recebe apoio de delegados

09.05.2009 - Nova Iorque - Tony Robinson

Nesta quarta-feira, dia 6 de maio, foi realizada uma sessão de apresentação da Marcha Mundial pela Paz e pela Não Violência na Organização das Nações Unidas em Nova Iorque. A palestra foi organizada com apoio do Conselho Chileno iniciado com a adesão da presidente Michelle Bachelet em abril deste ano e contou com a participação de delegados da ONU e membros de diversas organizações não governamentais.

O porta-voz internacional da Marcha Mundial, Rafael de la Rubia, recolheu apoio de delegados e Ong´s durante o evento. Além disso, propôs que os chefes de Estado que aderem à Marcha Mundial realizem uma declaração conjunta de apoio durante a abertura da próxima Assembléia Geral da ONU, a ser realizada em setembro.

Outra conexão essencial com a ONU é a data de começo da marcha: 2 de outubro, declarado pela ONU como Dia Internacional da Não-Violência. De la Rubia acrescentou: “Em 1º de dezembro, a equipe que percorrerá o mundo levará sua mensagem diretamente às Nações Unidas, depois de ter viajado durante dois meses por vários continentes”.

A proposta da Marcha inclui o desarmamento nuclear imediato, a retirada das tropas invasoras dos países militarmente sitiados, o desarmamento progressivo e proporcional do armamento convencional, a criação de tratados de não agressão entre países e a renúncia dos governos a utilizarem as guerras como meio de resolução de conflitos. Rafael de La Rubia afirmou que esse movimento surge como resposta a um aumento da violência não só no âmbito de relações intergovernamentais como também no cotidiano de todos os países do mundo.

Segundo o porta-voz, “temos que aprofundar nosso conceito de paz. Não é possível que nos governos se fale de paz e ao mesmo tempo tenham as fábricas de armamentos a pleno funcionamento. Não é possível falar de paz e países serem invadidos. Não é possível que se invistam três bilhões de dólares em armamentos e que, hoje, 165 mil pessoas morram por causa da fome”.

Resumindo suas razões para vir às Nações Unidas, De la Rubia disse: “A Marcha Mundial tem como objetivo principal criar consciência mundial de que a paz é o único caminho para a frente e que hoje é necessário que essa paz seja acompanhada da metodologia da não-violência para que possamos passar verdadeiramente para uma nova etapa para a Humanidade”.

O porta-voz norte-americano do Novo Humanismo, Chris Wells, contextualizou a iniciativa que já conta com a adesão de diversas personalidades e atividades em andamento em mais de 100 países. Segundo ele, “este projeto é uma espécie de expressão concreta da essência da ONU que é a ideia de que os países deveriam ser capazes de resolver seus conflitos sem recorrerem à guerra”.

**Delegados levarão propostas aos seus governos**

A reunião foi assistida por delegados da Argentina, China, Irã, Uruguai, Síria, Guatemala, Polônia e Burkina Fasso, entre outros, que se mostraram receptivos à Marcha e prometeram fazer com que essa informação chegue a seus respectivos governos.

Gladys Acosta, Chefe da Unifem para América Latina e Caribe, expressou seu apoio entusiasta para a Marcha, relacionando-a com sua campanha mundial “Diga não à violência contra as mulheres”. Adesões similares foram recebidas também de outras ONGs. Posteriormente, foram feitos os primeiros contatos com a delegação da China para definir una maneira de facilitar a passagem da Marcha Mundial por esse país.

A Marcha Mundial acontecerá entre 2 de outubro de 2009 e 2 de janeiro de 2010, partindo da Nova Zelândia e chegando à Argentina, percorrendo 90 países. Desde já, atividades que propõem gerar consciência pela não violência por meio de seminários, eventos artísticos, criação de materiais e adesões de pessoas ao redor do mundo estão em andamento em mais de 100 países. A última campanha de adesões pela Marcha recolheu, em um período de dez dias, mais de 400 mil assinaturas de apoio à causa.

**Colaborou Sabine Mendes**

Categorias: América do Norte, Assuntos internacionais, Internacional

Boletim diário

Digite seu endereço de e-mail para assinar o nosso serviço de notícias diárias.

Search

Whatsapp

Pressenza Whatsapp

Informe Pressenza

Informe Pressenza

Caderno de cultura

Caderno de cultura

O Princípio do fim das armas nucleares

Documentário 'RBUI, o nosso direito de viver'

Canale YouTube

International Campaign to Abolish Nuclear Weapons

International Campaign to Abolish Nuclear Weapons

Arquivo

xpornplease pornjk porncuze porn800 porn600 tube300 tube100 watchfreepornsex

Except where otherwise note, content on this site is licensed under a Creative Commons Attribution 4.0 International license.