Enfrentar o Impensável Perigo Nuclear

01.02.2009 - New York - Pressenza IPA

Ao tomar posse, o Presidente Obama fica com uma longa lista de grandes desafios, da recuperação econômica ao sistema de saúde, o Iraque, o Afeganistão, e o aquecimento global. O desarmamento nuclear está longe de ser uma prioridade. Mas devia ser a primeira.

Uma noite, no ano passado, deparei-me com um pequeno vídeo feito pela Nuclear Age Peace Foundation. Como forma de demonstrar o impacto de uma detonação nuclear, o vídeo mostrava um mapa da Times Square, em Nova York. Um ponto negro marcava um potencial “ground zero” que por acaso fica apenas a uns quarteirões do meu apartamento. À medida que eu assimilava as implicações de algo assim, lembrei que meus filhos dormiam no quarto ao lado – com seus corpos desprotegidos – e, nesse momento, minha apreciação da realidade das armas nucleares tornou-se menos abstrata, mais de carne e osso.

Não queremos pensar nisso. Pensar num ataque nuclear, na devastação e no sofrimento incrível que provocaria, é profundamente perturbador. Sem falar da corrida armamentista. Dado o número atual de ogivas, o potencial de destruição da vida na Terra (podem destruí-la várias vezes) é real. Isto é compreensivelmente difícil e desagradável de imaginar – quase impensável.

Contudo, sem nos tornarmos histéricos, é essencial tomarmos consciência desta grave ameaça à humanidade e assumirmos a tarefa de trabalhar pela eliminação das armas nucleares com toda a urgência. Embora seja difícil imaginar a utilização de uma arma nuclear, a possibilidade é demasiada real. A violência está a ponto de explodir no Oriente Médio. Há grandes tensões entre a Índia e o Paquistão (ambas potências nucleares). Milhares de armas estão prontas para ser lançadas em estado de alerta, tornando real a possibilidade de uma guerra nuclear puramente acidental. E ainda há a possibilidade assustadora das “maletas-bomba”.

A necessidade de superar a ameaça de destruição nuclear é mais urgente do que as alterações climáticas (que também são importantes) e deve ser a primeira prioridade das potências nucleares. Os EUA podem e devem jogar um papel crucial de liderança. A equipe de Obama pode iniciar um arrojado processo internacional de desarmamento progressivo, com o objetivo claro de eliminar todas as armas nucleares o mais depressa possível. Neste contexto, será possível construir uma cooperação internacional para o controle da proliferação de materiais nucleares e de sua “eliminação”.

Enquanto os governos devem fazer a sua parte, as iniciativas de base como a Marcha Mundial pela Paz e pela Não-Violência são extremamente importantes para a tomada de consciência. Esta consciência entre todos os povos do mundo pode ser decisiva para a priorização do desarmamento, da mesma forma que aconteceu com o aquecimento global.

Quando imaginamos um ataque nuclear, se é que o conseguimos imaginar por completo, tendemos a pensar que ele acontecerá “em outro lugar”. Nessa noite, no ano passado, percebi que isto é uma ilusão. Pode acontecer aqui no meu bairro. Pode acontecer em qualquer lado. E da mesma forma que eu não quero que os meus filhos sofram, também não quero que os filhos dos outros sofram. Ao enfrentarmos o impensável perigo nuclear, podemos dar aos nossos filhos e netos um mundo sem as monstruosas armas nucleares e talvez preparar o caminho para a redução das armas convencionais e do militarismo.

Categorias: América do Norte, Assuntos internacionais, Internacional, Opinião

Boletim diário

Digite seu endereço de e-mail para assinar o nosso serviço de notícias diárias.

Search

Whatsapp

Pressenza Whatsapp

Informe Pressenza

Informe Pressenza

Caderno de cultura

Caderno de cultura

O Princípio do fim das armas nucleares

Documentário 'RBUI, o nosso direito de viver'

Canale YouTube

International Campaign to Abolish Nuclear Weapons

International Campaign to Abolish Nuclear Weapons

Arquivo

xpornplease pornjk porncuze porn800 porn600 tube300 tube100 watchfreepornsex

Except where otherwise note, content on this site is licensed under a Creative Commons Attribution 4.0 International license.