Guwahati, Índia: O Dia Mundial do Sânscrito (Vishvasamskritadinam) é um evento anual em homenagem ao idioma mais antigo da Índia. A data, que promove o ressurgimento e a preservação da língua, é celebrada na lua cheia do mês de Shraavana, do calendário hindu. Este ano, o evento aconteceu no dia 22 de agosto e, desta vez, um fórum de cidadãos nacionalistas do nordeste indiano solicitou que o sânscrito seja declarado língua oficial.

O fórum “Frente de Patriotas do Assã” (PPFA) considera esta demanda lógica e relembra que a Devabhasa, outro nome para o sânscrito, ainda é falada por todos em Mattur, uma vila localizada no distrito de Shimoga, no estado de Karnataka. A língua sânscrita também é bastante utilizada em ambas as Gharanas, ou comunidade de artistas, da música clássica indiana (hindustani e carnática). Há muitas universidades estrangeiras que oferecem cursos em sânscrito e, além disso, o fórum acrescenta que a língua já é reconhecida como oficial em Uttarakhand, no norte da Índia.

Acredita-se que o sânscrito se originou na antiga nação de Bharatvarsha, há mais de 3.500 anos. A língua pode revitalizar toda a cultura indiana e unificar o país de modo nunca visto antes. O governo deveria usar o exemplo de Israel, país em que o hebraico antigo, língua praticamente morta durante 2.000 anos, foi revivido de forma científica para ser utilizado nos dias atuais. Este processo ocorreu com a ajuda de eruditos em sânscrito.

Anandaram Baruah, grande especialista em sânscrito e oriundo da região de Assã, dedicou sua vida à promoção da língua mais antiga conhecida pela humanidade até o dia de hoje. De fato, o sânscrito foi língua oficial desde a época do majestoso Reino Kamrup até a era de Ahom, entre os anos de 350 a 1140. O fórum argumenta que vários documentos escritos da época do rei Rudra Singha, que comandou de 1696 a 1714, e de outros governantes provam que a realeza reconhecia a língua sagrada do hinduísmo.

Recentemente, várias iniciativas foram criadas a fim de popularizar o sânscrito. No Vishvasamskritadinam, foi também anunciado o lançamento da primeira plataforma de streaming em língua sânscrita, que disponibiliza filmes, curtas-metragens, músicas, programas educativos e até programas culinários no idioma. Muitas canções de Assã, incluindo alguns dos maiores sucessos de Bhupen Hazarika, foram traduzidas para o sânscrito.

“Como o sânscrito ortodoxo, criado pelos antigos santos hindus, não é um idioma fácil de aprender e praticar, pode-se adotar uma iniciativa que simplifique algumas regras gramaticais para o seu uso nos dias atuais”, comentou o fórum. “No entanto, a forma clássica do sânscrito necessita ser preservada para os acadêmicos, pesquisadores e estudantes ao redor do mundo, já que é parte integral do etos e da gloriosa civilização indiana”, finaliza.


Traduzido do inglês por Ana Raquel Romeu / Revisado por Graça Pinheiro