Os defensores dos direitos humanos, na Colômbia, denunciaram em abril, dia 23, que no departamento de Nariño, cidade a sudoeste do país, foram registrados 41 homicídios de indígenas pertencentes ao povo Awá, nos últimos 12 meses.

Em um comunicado divulgado através do Twitter, a Comunidade de Advogados de Akubadaura e a Unidade Indígena do povo Awá (Unipa) condenam o aumento da violência contra suas comunidades e a situação de guerra em que vivem.

O texto também afirma que os massacres, deslocamentos, prisões, homicídios, desaparecimentos forçados, torturas, ameaças de morte a líderes e ataques paramilitares se intensificaram nos últimos meses. Além desses eventos violentos, os Awá afirmam que suas comunidades são afetadas por confrontos entre grupos armados.

O comunicado encaminha um requerimento à Procuradoria-Geral para encontrar os culpados pelos crimes cometidos e julgá-los, evitando assim que permaneçam impunes.

Além do mais, a Procuradoria é obrigada a elaborar relatórios e acompanhar os alertas relativos à crise humanitária que o povo Awá está vivendo.

Da mesma forma, pedem um apoio permanente para o tratamento das vítimas e para que esta crise humanitária seja denunciada por organizações nacionais e internacionais que defendem os direitos humanos.


Traduzido do italiano para o português por Mychelle Medeiros/Revisado por Simone Petry