Por que os jovens se manifestam?

07.03.2021 - Las Palmas, Gran Canaria, Espanha - Paco Vaquero

This post is also available in: Espanhol

Por que os jovens se manifestam?

É hora de saltarmos da roda do hamster da violência e começarmos a ouvir e dar alternativas aos jovens. Se for exigido o cumprimento dos deveres, é necessário garantir o exercício dos direitos, com igualdade de oportunidades, no dia a dia, e não nos papiros. Isso ou renuncie.    

Nos encontros de rádio e de televisão destes dias, o centro de debate são os distúrbios pela prisão de Pablo Hasél. Não duvido da capacidade de análise dos participantes, assim que concluo que esse é o seu interesse e não outro: falar sobre os motins.

Quase toda argumentação foi girada em torno da desnecessidade da violência geralmente atribuída por quem se manifesta e não a polícia que “cumpre com seu trabalho” seguindo as instruções que lhe são dadas, não podemos esquecer, e não parecem ser as de proteger o direito à manifestação. Violência gera violência, mesmo que camuflada com o eufemismo da moda: proporcionalidade.

Vá em frente, em nenhum momento justifico o ato violento independente de quem venha (mesmo que tenha características diferentes) mas também me parece um grande erro, especialmente por parte de quem também sofre outras violências, a de etiqueta. A esta altura do filme, deve ficar claro que a violência nas ruas serve de alimento para o outro, a etiqueta.

Mas é curioso como nessas reuniões sociais, tem uma raiva generalizada quando alguém “sai do assunto” se trata de falar de possíveis causas e chamar a atenção para elas. É como se alguém fosse ao dermatologista porque sua pele está cheia de espinhas, e seu médico diz que é devido a uma infecção estomacal. Então o paciente fica com raiva e exige que foque nas espinhas, que é o que o incomoda. Muita falta de jeito, da qual pagará as consequências se a infecção seguir sem curso.

No exemplo, motins e ordem pública são as principais preocupações.

Aconteceu, mas muito na pontas dos pés a esta questão. O que faz com que os jovens, até menores, estejam nessas manifestações?

Enquanto isso continuar assim, será difícil sair da “roda do hamster” (*) que é tão boa justamente para quem não está na rua e pratica, insisto, a violência de etiqueta. Esses não perdem um olho e nem ficam machucados. Os manifestantes profissionais das mochilas com pedras parecem que também não os importa.

Talvez tenhamos que começar com outra pergunta: qual é a situação que a juventude vive neste país há décadas?

Alguns dados:

Temos 40% de desemprego em menores de 25 anos. Idiomas, carreira e mestrado e depois ganha um pouco mais que um salário mínimo. Emigração em busca do futuro. O aluguel e a possibilidade de independência são inatingíveis. É ainda mais impensável para eles iniciar um projeto familiar, seja qual for o formato. Eles são instruídos a empreender e olhar para o outro lado quando pedem ajuda. Eles viveram apenas em tempos de crise econômica (que na verdade são fraudes, mais exatamente), onde suas esperanças para o futuro são como hologramas irreais projetados na fumaça. Eles são banalizados “em reality shows”, o que implica que “juventude” é assim. Eles são rotulados como: nini, millennials, riders, etc…

Quando eles dizem que são o futuro, eles estão sendo informados: o presente é nosso e você tem que suportá-lo. E nem é preciso dizer que, se você é mulher além de jovem, tudo o que foi dito se amplia e diversifica.

Isso é parte do quadro: desolador.

Finalmente, se não têm permissão para se expressar ou cantar (goste ou não o estilo escolhido), então pedir compreensão e paciência é uma verdadeira provocação. Esta provocação é superada quando também se pede “confiança” em um sistema judiciário que perpetua a resolução das injustiças. Uma justiça atrasada é uma injustiça. E isso na véspera do dia da Justiça Social.

Só um rosto de cimento formado pelos líderes políticos de plantão pode ficar impassível, enquanto eles continuam a falar de “motins e ordem pública”. Por isso não renunciam e aproveitam a ocasião da fumaça dos recipientes em chamas e dos vidros quebrados, para se justificarem e falarem da proporcionalidade. Entretanto, eles deixaram que o problema continue crescendo em profundidade e quantidade.

É hora de saltarmos da roda do hamster da violência e começarmos a escutar e dar alternativas aos jovens. Se o cumprimento dos deveres for exigido, o exercício dos direitos deve ser garantido, com igualdade de oportunidades, no dia a dia, e não nos papiros. Isso ou renuncie.

É a dinâmica geracional, onde o novo substitui o antigo, que faz avançar a Humanidade: sempre foi assim em todas as sociedades e culturas e civilizações. Isso não precisa ser motivo para violência intergeracional, mas é claro que interromper esse processo humano, adiando a incorporação dos jovens e fazê-los também pelo difícil tem as suas consequências. Sou pai de um jovem de 29 anos – um dos que tem carreira – que olha todos os dias para o vazio que só lhes traz vazio, e falo de algo mais do que falta de trabalho.

Não há nenhuma etapa degrau na espiral do DNA com genes inscritos: você é violento. A violência é aprendida e a não violência também: Esperemos que os deixemos exprimir-se e, acima de tudo os escutemos e daremos passagem a eles com elegância; que eles se sentem que são desejados e necessários. Tenho certeza que farão bem, que não precisarão sair à rua, mas sim apenas para se divertir com amigos, realizar seus projetos, suas esperanças e definitivamente viver suas vidas. Tudo ficará bem e o caos não se estabelecerá, nem as portas do inferno serão abertas. São jovens asfixiados pelo sistema que não os impede de crescer, porque este sistema é muito pequeno para eles. Na verdade, todos nós somos muito pequenos.

Um bom primeiro passo é que alguns líderes políticos deixarem seus cargos e aqueles que os substituem tenham como primeira medida sentar e ouvir. Quanto antes melhor.

(*) hamster: animal de laboratório ou de estimação


 

Traduzido do espanhol por Ivy Miravalles / Revisado por Tatiana Elizabeth

Categorias: Jovens, Opinião, Video
Tags: , , ,

Boletim diário

Digite seu endereço de e-mail para assinar o nosso serviço de notícias diárias.

Search

Whatsapp

Pressenza Whatsapp

Informe Pressenza

Informe Pressenza

Caderno de cultura

Caderno de cultura

O Princípio do fim das armas nucleares

Documentário 'RBUI, o nosso direito de viver'

Canale YouTube

International Campaign to Abolish Nuclear Weapons

International Campaign to Abolish Nuclear Weapons

Arquivo

xpornplease pornjk porncuze porn800 porn600 tube300 tube100 watchfreepornsex

Except where otherwise note, content on this site is licensed under a Creative Commons Attribution 4.0 International license.