O contágio social bate na porta

17.03.2021 - Brasil - Redação São Paulo

This post is also available in: Inglês, Francês

O contágio social bate na porta
(Crédito da Imagem: Marcelo Seabra, Ag. Pará /fotospublicas)

Por Paulo Henrique Martins

 

A arte antecipa, muitas vezes, tendências históricas ainda não reveladas. Podemos exemplificar com a película “Contágio” (2011) dirigida por Soderbergh. O filme trata da propagação de um vírus que, como a Covid 19, teria surgido no Oriente e migrado para o Ocidente com efeitos que lembram a atual pandemia: desorganização social, mobilização intensa de profissionais da saúde e luta da ciência pela vacina para conter a doença. Logicamente a sociedade de consumo frenética não entende os sinais que vem sendo denunciados há algum tempo pelas críticas estética e científica. O evento pandêmico está, entretanto, rompendo as salvaguardas técnicas, econômicas e sanitárias e gerando alucinações ideológicas com efeitos nefastos na política. O caso brasileiro é emblemático. O negacionismo de Bolsonaro e simpatizantes, o número alarmante de mortes, a desorganização da vida econômica, social e cultural, o confinamento inevitável e a perda dos espaços de sociabilidades revelam uma cena aterrorizadora que apenas conhecíamos em filmes de ficção.

Com o crescimento da pandemia e com o estrangulamento da logística hospitalar, a crise entra num novo patamar de risco no Brasil. Até agora as classes médias e ricas podiam se prevenir da contaminação se trancando nas suas residências com geladeiras cheias e internet funcionando de modo eficiente. Agora temos um outro fator preocupante que está começando a assustar os segmentos sociais mais abastados: a pandemia ameaça romper a distância hierárquica que separa historicamente ricos e pobres. A realidade é que os trabalhadores manuais e de serviços básicos como farmácias, hospitais, mercados, lojas além de porteiros e empregadas domésticas continuam a se aglomerar nos ônibus por não disporem de outros modos de transporte para poder servir os ricos. Estas pessoas continuam a pegar transportes públicos porque precisam “ganhar a vida”. O vírus revela-se, então, como um vetor de contágio socialmente explosivo. Como esta ameaça de ruptura dos fundamentos sociais e raciais da desigualdade vai impactar na política e nas eleições?

Categorias: Ámérica do Sul, Política, Saúde
Tags: , , , , , ,

Boletim diário

Digite seu endereço de e-mail para assinar o nosso serviço de notícias diárias.

Search

Whatsapp

Pressenza Whatsapp

Informe Pressenza

Informe Pressenza

Caderno de cultura

Caderno de cultura

O Princípio do fim das armas nucleares

Documentário 'RBUI, o nosso direito de viver'

Canale YouTube

International Campaign to Abolish Nuclear Weapons

International Campaign to Abolish Nuclear Weapons

Arquivo

xpornplease pornjk porncuze porn800 porn600 tube300 tube100 watchfreepornsex

Except where otherwise note, content on this site is licensed under a Creative Commons Attribution 4.0 International license.