6 de janeiro de 2021

02.02.2021 - Estados Unidos - David Andersson

This post is also available in: Inglês, Espanhol, Francês, Italiano, Alemão

6 de janeiro de 2021
Bombas de gás lacrimogêneo foram usadas no lado de fora do prédio do Capitólio em 6 de janeiro de 2021. (Crédito da Imagem: Tyler Merbler, Creative Commons)

Nos últimos meses, escrevi 13 artigos sobre as questões sociais que surgiram daquilo que chamo de cultura do “Oeste-Branco.”. Assim, aconteceu o 6 de janeiro! O “The Hill” (jornal e website americano de notícias) publicou um artigo, alguns dias depois, intitulado “Pelosi diz que os manifestantes escolheram sua ‘branquitude’ em vez da democracia”, e ela está certa! Mas ninguém quer abordar a questão racial e a corrente de pensamento dominante prefere mantê-la como um assunto político. O modo de proceder dos brancos é relativamente simples e tem sido o mesmo há séculos: expandir e manter o poder por meio da violência. A democracia, a liberdade e a busca da felicidade têm sido usadas como justificativas sofisticadas para o uso da violência em todas as suas formas.

Na verdade, a maneira de enfrentar a questão da “branquitude” é remover a violência como uma possível estratégia. Se você olhar por que o Twitter optou por fechar a conta de Trump, foi para fazer “todo o possível para impedir a propagação da violência” (New York Times, 16 de janeiro, “Os bastidores da decisão do Twitter de encerrar a conta de Trump“). Após o dia de Martin Luther King (feriado estadunidense), somos lembrados do legado de King e da incrível conquista do Movimento dos Direitos Civis ao escolher a não violência como uma ferramenta para desmantelar a segregação racial institucionalizada e a discriminação.

Hoje, oferecemos uma nova perspectiva aos nossos amigos brancos:“Faça todo o possível para impedir a propagação da violência ”. Um Movimento Civil Branco é necessário para transformar essa cultura e assumir a responsabilidade por séculos de colonialismo, escravidão, segregação, encarceramento, militarismo e pobreza. Podemos começar reparando em dobro o dano já feito: não vamos mais justificar a violência e vamos continuar educando, esclarecendo, conscientizando, empoderando e humanizando. Continuaremos acrescentando às demandas, políticas públicas de proteção, prevenção e reparação. No nível econômico, apoiaremos a Renda Básica Universal para amenizar e reduzir a violência econômica gerada pela concentração de capital em muito poucas mãos. As reparações pela escravidão foram ferrenhamente discutidas nos Estados Unidos desde que o general do Exército da União William Tecumseh Sherman prometeu 40 acres e uma mula a 4 milhões de escravos libertos em 1865; essa é uma promessa que está muito atrasada. No nível político, precisamos expandir os direitos de voto tanto quanto possível, tornando nossa democracia mais direta e inclusiva garantindo que as minorias e os negros tenham acesso a todas as formas de poder. Da mesma forma que usamos a violência uns contra os outros, fomos violentos contra nosso próprio meio ambiente e precisamos fazer todo o possível para desacelerar as mudanças climáticas. Precisamos apoiar o tratado para banir as armas nucleares, reduzir nossos enormes orçamentos militares, desmilitarizar a polícia e criar instituições que se concentrem em fazer todo o possível para impedir a propagação da violência.

Essas propostas são ótimas e válidas, mas não são suficientes. Algo também precisa acontecer no âmbito pessoal, não apenas no social. A mudança precisa acontecer nas profundezas de nossa consciência e dentro de nossos corações. Como faço para responder à violência? Eu realmente acredito que a violência não é uma solução? A violência se manifesta de muitas formas – ódio, vingança, imposição de suas crenças ou seu modo de vida, discriminação, exploração econômica de pessoas. Para concluir, todos nós podemos nos beneficiar refletindo sobre a seguinte passagem da seção “O Caminho”, da Mensagem de Silo (Do livro Silo´s Messege, de Mario Luis Rodríguez Cobos):

“Aprenda a tratar os outros da maneira que você deseja ser tratado.

Aprenda a superar a dor e o sofrimento em você mesmo, nas pessoas próximas a você e na sociedade humana.

Aprenda a resistir à violência que está dentro e fora de você.”


 

Traduzido do inglês por Magui Vallim / Revisado por Luciana Leal

Categorias: América do Norte, Humanismo e Espiritualidade, Não violência, Opinião, Política
Tags: , , , , ,

Boletim diário

Digite seu endereço de e-mail para assinar o nosso serviço de notícias diárias.

Search

Whatsapp

Pressenza Whatsapp

Informe Pressenza

Informe Pressenza

Caderno de cultura

Caderno de cultura

O Princípio do fim das armas nucleares

Documentário 'RBUI, o nosso direito de viver'

Canale YouTube

International Campaign to Abolish Nuclear Weapons

International Campaign to Abolish Nuclear Weapons

Arquivo

xpornplease pornjk porncuze porn800 porn600 tube300 tube100 watchfreepornsex

Except where otherwise note, content on this site is licensed under a Creative Commons Attribution 4.0 International license.