O Irã se une à China, Rússia, UE, França, Alemanha e Reino Unido para reafirmar seu compromisso com o ‘acordo nuclear’

08.01.2021 - IDN InDepthNews

This post is also available in: Inglês

O Irã se une à China, Rússia, UE, França, Alemanha e Reino Unido para reafirmar seu compromisso com o ‘acordo nuclear’
(Crédito da Imagem: Flickr. Global Trucker.)

Por Robert Johnson

Em meio a especulações sobre a reação do Irã no assassinato do eminente cientista nuclear do país, Mohsen Fakhrizadeh, em uma estrada fora de Teerã, em 27 de novembro, os participantes do Plano de Ação Conjunta Global (JCPOA) reiteraram seu compromisso de preservar o acordo e enfatizaram seus respectivos esforços a respeito disso.

A promessa surgiu de uma reunião ministerial virtual da E3/UE + 2 (China, França, Alemanha, Federação Russa, Reino Unido e o Alto Representante da União para os Negócios Estrangeiros e a Política de Segurança) e da República Islâmica do Irã, em 21 de dezembro de 2020. O Alto Representante da UE, Josep Borrell, presidiu à reunião.

Os ministros concordaram que a implementação plena e efetiva do JCPOA por todas as partes continua crucial e afirmaram a necessidade de abordar os desafios de implementação em curso, incluindo a não proliferação nuclear e compromissos para suspender as sanções.

De acordo com o Ministério das Relações Exteriores da Alemanha, os ministros destacaram o importante papel da AIEA (Agência Internacional de Energia Atômica) como a única organização internacional imparcial e independente, mandatada pelo Conselho de Segurança da ONU, para monitorar e verificar a implementação dos compromissos de não proliferação nuclear sob o JCPOA. Eles enfatizaram a importância de uma cooperação contínua de boa-fé com a AIEA.

Os ministros lembraram que o JCPOA, conforme endossado pela resolução 2231 do Conselho de Segurança da ONU (2015), continua sendo um elemento-chave da arquitetura global de não proliferação nuclear e uma conquista significativa da diplomacia multilateral que contribui para a segurança regional e internacional.

Os ministros reiteraram seu profundo pesar pela retirada dos EUA do acordo. Eles enfatizaram que a resolução 2231 do Conselho de Segurança continua plenamente em vigor. Os Estados Unidos anunciaram sua retirada do JCPOA, também conhecido como “acordo nuclear com o Irã”, em 8 de maio de 2018.

Os ministros concordaram em continuar o diálogo para garantir o retorno dos EUA ao JCPOA e sublinharam sua prontidão para abordar isso positivamente em um esforço conjunto.

Os analistas estão longe de ter certeza de como a morte de Fakhrizadeh pode impactar o programa nuclear iraniano. Ele teria liderado o suposto programa secreto de armas nucleares da República Islâmica do Irã no início dos anos 2000. Mais recentemente, serviu como general de brigada no Ministério da Defesa e Logística das Forças Armadas do Irã, como chefe da Organização de Pesquisa e Inovação Defensiva (DRIO) do ministério. Ele também ensinou física na Universidade Imam Hossein, uma instituição associada à Guarda Revolucionária Islâmica.

Acredita-se que Fakhrizadeh esteve envolvido nas negociações nucleares de alguma forma e recebeu uma das  maiores honras do Irã  por seus serviços. No entanto, seu papel ativo, caso realmente tenha havido, no programa nuclear do Irã antes de sua morte não está claro.

De acordo com Muhammad Sahimi, os efeitos da morte de Fakhrizadeh sobre a DRIO, encarregada de supervisionar P&D (equivalente à pesquisa e desenvolvimento) de defesa avançada, também são difíceis de discernir sem conhecer os detalhes de seu trabalho ou o grupo de pessoal da organização para recorrer. “Mudanças de liderança em qualquer organização acarretam ruptura. Mas a natureza dos projetos de P&D, a institucionalização do conhecimento no complexo militar-industrial do Irã e os recursos humanos relativamente profundos da DRIO sugerem que a morte de Fakhrizadeh pode ter um impacto limitado”, escreve ele para o site Responsible Statecraft.

A análise de Sahimi foi republicada pela Iran Review, “o principal site independente, não governamental e não partidário que representa abordagens científicas e profissionais em relação aos assuntos políticos, econômicos, sociais, religiosos e culturais do Irã, sua política externa e regional e questões internacionais no âmbito de análises e artigos”.

Sahimi é professor da Universidade do Sul da California, em Los Angeles. Nas últimas duas décadas, ele publicou extensivamente sobre os desenvolvimentos políticos do Irã e seu programa nuclear.

Embora os perpetradores deste ataque possam ter esperanças de levar o governo iraniano a um conflito militar com os Estados Unidos durante as semanas restantes do governo Trump no cargo, diz Sahimi, há poucas evidências que sugiram que o cálculo do Irã mudou.

Embora tenha havido apelos por vingança em toda a liderança e espectro político do Irã, sob sua política de “paciência estratégica”, o Irã absorveu golpes sucessivos da campanha de “pressão máxima” dos EUA desde maio de 2018, acrescenta Sahimi. Isso inclui um dos regimes de sanções mais punitivos da história recente, uma ofensiva cibernética agressiva e um esforço de sabotagem contra a infraestrutura crítica do Irã, incluindo instalações nucleares, e o assassinato de altos funcionários do governo.

Analistas concordam que Israel e os Estados Unidos procuraram Fakhrizadeh por pelo menos 15 anos como parte de uma guerra secreta maior contra Teerã, supostamente planejada para desacelerar seus programas nucleares e de mísseis, que Israel insiste que têm como objetivo a produção de armas e os meios para entregá-las. Mas, os múltiplos assassinatos, considerados “criminosos” pela União Europeia, e condenados por Agnes Callamard, Relatora Especial das Nações Unidas para Execuções Extrajudiciais, alcançaram seus objetivos?

Não. Porque “os avanços nucleares do Irã continuaram, mesmo com seus cientistas sendo abatidos, um por um”.

O Dr. Ardeshir Hosseinpour, autoridade em eletromagnetismo e sua aplicação ao programa nuclear, foi o primeiro grande cientista iraniano a ser assassinado, em 15 de janeiro de 2007. O último relatório da AIEA sobre o programa nuclear do Irã antes da morte do Dr. Hosseinpour foi publicado exatamente dois meses antes do assassinato, em 15 de novembro de 2006.

Esse relatório confirmou que o Irã não havia produzido urânio enriquecido na época e não havia construído um número significativo de centrífugas usadas para enriquecimento. Entre janeiro de 2010 e janeiro de 2012, quatro cientistas iranianos foram assassinados.

Sahimi aponta para um fato que tem sido frequentemente ignorado: de acordo com a assinatura do JCPOA, o Irã posteriormente exportou 97 por cento de seu LEU (urânio de baixo enriquecimento) para a Rússia, colocou mais de 13.000 centrífugas em armazenamento; as centrífugas removidas do local de Fordow destruíram o reator de pesquisa de Arak e começaram a implementar o Protocolo Adicional do Tratado de Não Proliferação Nuclear, que dá à AIEA o direito de conduzir inspeções mais intrusivas nas instalações nucleares do Irã para garantir sua conformidade com o TNP.

No entanto, em troca, escreve Sahimi, “a administração Trump saiu do JCPOA em 2018 em violação da Resolução 2231 do Conselho de Segurança da ONU e impôs as mais severas sanções econômicas dos EUA contra o Irã”.

Além disso, durante duas décadas os Estados Unidos e Israel não deixaram pedra sobre pedra para tentar sabotar o programa de mísseis do Irã, que é sua única defesa convencional confiável na ausência de uma força aérea moderna.

Nenhum dos atos de assassinato e sabotagem, com a possível exceção do ataque Stuxnet – envolvendo um malware que foi projetado para sabotar a instalação de enriquecimento nuclear do Irã – “diminuiu consideravelmente os programas nucleares e de mísseis do país”. Na verdade, a ciência se tornou nativa e, quando o líder de um programa é morto, muitos estão prontos para assumir.

“Dada a importância estratégica do Irã, a mudança na atitude do povo iraniano em relação aos EUA e Israel pode muito bem ser o resultado mais importante desses atos de sabotagem e assassinato – e isso não é um bom presságio para o futuro”, adverte Sahimi, o professor da Universidade do Sul da California, em Los Angeles.

Destacando outro aspecto do assassinato de Fakhrizadeh, David E. Sanger, do The New York Times, adverte que “ameaça paralisar os esforços do presidente eleito Joseph R. Biden Jr. para reviver o acordo nuclear com o Irã antes mesmo que ele possa iniciar sua diplomacia com Teerã. E isso pode muito bem ter sido o principal objetivo da operação”.

Ele cita funcionários da inteligência dizendo que há poucas dúvidas de que Israel tenha sido o responsável pelo assassinato, especialmente porque tinha todas as características de uma operação precisamente cronometrada pelo Mossad, a agência de espionagem do país. “E os israelenses nada fizeram para dissipar essa visão.”

Na verdade, o primeiro-ministro Benjamin Netanyahu há muito identificou o Irã como uma ameaça existencial e nomeou o cientista assassinado, Mohsen Fakhrizadeh, como inimigo nacional nº 1, capaz de construir uma arma que poderia ameaçar um país de oito milhões de habitantes em uma única explosão.

“Mas o Sr. Netanyahu também tem uma segunda agenda”, acrescenta Sanger. “Não deve haver retorno ao acordo nuclear anterior”, declarou ele logo depois que ficou claro que Biden – que propôs exatamente isso – seria o próximo presidente.

Enquanto isso, analistas como Jonathan Power estão avisando que as 13ª eleições presidenciais estão programadas para acontecer no Irã em 18 de junho de 2021. O moderado Rouhani deixará o cargo e é provável que um conservador linha-dura o suceda – alguém que está menos interessado em negociações.

Ele acredita que um novo negócio pode ser fechado em um mês. “Se os negociadores de ambos os lados honrarem suas promessas de voltar imediatamente ao que era antes de Trump esmagar o negócio, isso é possível. Isso tornará o Oriente Médio um lugar mais seguro e calmo. Então será a hora de torná-lo ainda mais seguro, negociando as outras questões controversas, esperançosamente com a mesma boa-fé ”, escreve Jonathan Power.


Traduzido do inglês por Luciana Leal / Revisado por Heloísa De Nadai Dalcy

Categorias: Internacional, Paz e Desarmamento
Tags: ,

Boletim diário

Digite seu endereço de e-mail para assinar o nosso serviço de notícias diárias.

Search

Whatsapp

Pressenza Whatsapp

Informe Pressenza

Informe Pressenza

Caderno de cultura

Caderno de cultura

O Princípio do fim das armas nucleares

Documentário 'RBUI, o nosso direito de viver'

Canale YouTube

International Campaign to Abolish Nuclear Weapons

International Campaign to Abolish Nuclear Weapons

Arquivo

xpornplease pornjk porncuze porn800 porn600 tube300 tube100 watchfreepornsex

Except where otherwise note, content on this site is licensed under a Creative Commons Attribution 4.0 International license.