Isolamento

17.01.2021 - Rio de Janeiro, Brasil - Clementino Junior

Isolamento
(Crédito da Imagem: Lar — Clementino Junior — 11 de dezembro de 2018 — esferográfica)
OLHARES

 

 

Por Clementino Jr. 

 

 

Como não quis fotografar e explorar inadvertidamente a pessoa, memorizei e fiz um rough da cena que vi, próximo ao Supermercado Mundial da Voluntários da Pátria em Botafogo. Volto com poucas compras e vejo um morador de rua dormindo, utilizando como “isolamento” (mas que de certa forma era uma caixa acústica para ele) uma caixa da Tok & Stock que, para quem não sabe, é uma marca que vende “tudo para o lar”. Para alguns, é o tipo de foto clichê para ganhar prêmios, mas preferi fazer um simples rascunho do que vi para ilustrar a reflexão que carrego da cena, sem me aproveitar do indivíduo, para quem não tenho solução imediata.

(texto publicado junto com o desenho no meu perfil no “Livro de Faces” em 11 de dezembro de 2018)

Três anos após realizar o curta-metragem Na Rua, com os amigos Ziza Fagundes e Marcelo Gomes, me deparo com a situação e o relato presente na imagem que ilustra esse texto. Dores são dores e não devemos quantificar ou qualificar sem entender as histórias por trás delas, mas essa imagem na calçada da Voluntários da Pátria, na calçada oposta a uma sala da principal rede de cinemas de arte na cidade, me faz refletir sobre dois assuntos: isolamento social e exposição da imagem.

O chamado isolamento social acontece, de forma voluntária ou compulsória, por inúmeros motivos. O Covid-19, por exemplo, expõe um sintoma que não está na propagação do vírus, mas em quem obedece ou não as regras impostas do isolamento social para impedir essa epidemia e que, partindo deste “poder” de quebrar as regras e “cair as máscaras”, sai do papel de protagonista para o papel de vetor. A maior ou menor imunidade ao vírus para esse grupo é irrelevante, pois, para quem tem um estilo de vida autodestrutivo, não renunciar aos prazeres em troca de segurança faz parte da vida. Como a permissão que lhe é dada para dirigir em alta velocidade, pondo sua vida e dos demais em risco, e, mesmo sendo multado, não pagar, pois sabe que pode fazê-lo.

Voltando à imagem da pessoa em situação de rua, que se coloca “dentro da caixinha”, a opção é algo irrelevante. Não saberei jamais a origem dele, o que pensa, qual sua formação, o porquê de estar lá. Ele é uma pessoa que está na rua e se protege, no meio da tarde, em uma caixa de papelãoE quantas casas durante a pandemia não viraram caixas para aqueles que não tem opção da desobediência? Sim, opção, pois entre o medo, a fragilidade da saúde e o risco a qualquer um, poder se isolar é um triste privilégio. A sociedade é pensada e definida a partir da dinâmica entre as pessoas que a compõe. Uma vez as pessoas isoladas, essa ação migra para as caixas de concreto onde vivem e para as caixas digitais, portáteis ou desktops, onde dialogam com uma parte seleta do mundo.

Sobre a exposição da imagem, essa também pode ser voluntária ou compulsória. Participei hoje de dois encontros virtuais gravados, onde se pediu autorização para a gravação, enquanto procedimento legal, mesmo que em um ambiente onde já nos dispomos a discutir assuntos aberta e publicamente. Casos recentes expõem as pessoas fazendo coisas diante das câmeras que não deveriam, por acreditar que estas estariam desligadas. O poder de expor e ocultar o que deveria e o que não deveria ser mostrado. Nem todos podem.

I’m the man in the box
Buried in my shit
Won’t you come and save me?
Save me

Eu sou o homem dentro da caixa
Enterrado em minha merda
Você não virá me salvar?
Salve-me

(Man in a Box — Alice in Chains — Composição: Layne Staley / Jerry Cantrell — 1991)

A denúncia da imagem nem sempre salva o oprimido, salva quem produziu a arte romanceada a partir da realidade. O fato de eu tê-la desenhado de memória ao invés de fotografar foi um instinto de preservar a pessoa, a qual nem vi o rosto, mas que, provavelmente, seria pela parte do corpo exposto, reconhecida por familiares. Mas a imagem só ilustraria nesse momento a feliz coincidência do fotógrafo pronto para documentar e compartilhar o seu registro, “poupando o ator da cena”. Sem o ator, não haveria cena e, sem a cena incomum, não haveria retrato da desigualdade. E por que ainda queremos ver retratos fotográficos deste cenário de desigualdade? Será que um artista inspirado na dor ou mero sono daquele jovem voltará depois a sua procura para lhe dar o retorno da obra?

Eu e meus colegas do documentário Na Rua nos esforçamos para reencontrar nossos dois depoentes no documentário de 5 anos atrás. Não consegui reencontrá-los para levá-los à estreia do documentário. Preparei um saco com muitas roupas e eles não voltaram mais ao ponto onde dormiam quando entrevistados. Outra colega de nossa equipe encontrou o mais velho dos dois, na Cinelândia, que a informou sobre o assassinato do mais jovem. Ele seguia sozinho, agora sem seu parceiro de viaduto, catando latas para se abrigar em outras caixas. Nem sempre conseguimos devolver ao modelo a obra a qual inspirou. Nem sempre lembramos ou sabemos o nome do modelo. Mas ele retrata algo que não gostaríamos de ver.

Meu rabisco tenta amenizar o real sem perder a denúncia. O homem da caixa fez sua opção e se expôs, provavelmente, sem pensar no que aquela caixa teria de diferente em relação a qualquer outra. A caixa de seu sono tranquilo em meio ao caos é sua forma de manter o isolamento social que sempre houve para quem não tem poder.

Esse texto contou com a revisão crítica de Tayna Arruda, e é dedicado à amiga Patrícia Pagu, ativista na iniciativa Escola de Rua, no Rio de Janeiro.

 

Categorias: Ámérica do Sul, Cultura e Mídia, Opinião
Tags: , ,

Boletim diário

Digite seu endereço de e-mail para assinar o nosso serviço de notícias diárias.

Search

Whatsapp

Pressenza Whatsapp

Informe Pressenza

Informe Pressenza

Caderno de cultura

Caderno de cultura

O Princípio do fim das armas nucleares

Documentário 'RBUI, o nosso direito de viver'

Canale YouTube

International Campaign to Abolish Nuclear Weapons

International Campaign to Abolish Nuclear Weapons

Arquivo

xpornplease pornjk porncuze porn800 porn600 tube300 tube100 watchfreepornsex

Except where otherwise note, content on this site is licensed under a Creative Commons Attribution 4.0 International license.