Construindo futuro

08.12.2020 - Brasil - Redação Rio de Janeiro

Construindo futuro

Por Domênica Rodrigues

 

Nesse final de semana entre os dias 27 e 30 de novembro aconteceu o quinto fórum Humanista latino-americano, que contou com a presença de pessoas de vários países e com a apresentação de muitos painéis que se seguiram nesses 2 dias e meio discutindo assuntos desde periferia e descolonização, renda básica universal, povos originários e espiritualidade. O objetivo do fórum definido por Silo desde o primeiro em 1993 para ele o fórum deveria ser um espaço para pensar de forma coletiva sobre os problemas sociais a nível global e junto com ele as estratégias para superá-los.

“O fórum Humanista tem por objetivo estudar e assumir posição sobre os problemas globais do mundo atual. Desde esse ponto de vista, é uma organização cultural no sentido amplo que se preocupa por relacionar estruturalmente os fenômenos da ciência, da política, da arte e da religião. O Fórum Humanista faz da liberdade de consciência e da ausência de prejulgamento ideológico a condição indispensável para o trabalho de compreensão dos complexos fenômenos do mundo contemporâneo.” Silo, 1993

Nesse quinto fórum o que se destacou além dos 30 painéis e as mais de 27 redes e os 90 expositores simultâneos foi a vontade das pessoas de estarem juntas e querer e pensar em uma américa latina antirracista e anti patriarcal, entendendo que essa mesma américa precisa ser um espaço que respeite suas diversidades, saindo do modelo euro centrado de pensar o ser e o fazer nesse lado do globo.

Os jovens garantiram um lugar de destaque nesse encontro que nos presenteou com a criação da rede de juventude humanista da América Latina, e discutiram estratégias globais para a criação de um mundo para a juventude com menos violência e menos racismo em todas as partes da América Latina. Todos os debates foram muito intensos em cada sala virtual o dificultou a apreciação de todas as salas ofecidas de forma autogestionadas por redes previamente criadas. Para os participantes essa simultaneidade levou a crer que a necessidade de espaços que debatam temas densos, mas, sem polaridade e com o cuidado de atentar para as questões do dia a dia são necessários e que, esses espaços precisam ser acima de tudo duradouros.

Na plenária final cada rede apresentou suas propostas de ação concreta e de continuidade, entre as apresentações vídeos que apresentaram a diversidade cultural desse espaço latino e o que mais se expos foram as questões ligadas a defesa da floresta e de seus povos.

Para Vinicius Pereira do Brasil, esse fórum foi um desafio porque não teríamos a garantia do fluxo de pessoas como se fosse um evento presencial, no entanto, o trabalho prévio de mobilização facilitou a frequência e a presença simultânea das pessoas no evento, segundo ele: “o grande desafio desse fórum foi a mobilização porque trazer público, ficou a cargo de cada rede que no miudinho foi construindo estratégias de chamar atenção dos participantes para estar juntos e juntas, para estar no fórum.”

Com isso, pode-se observar que tiveram mais de 400 pessoas circulando em todas as salas, mais de 100 convidados debatedores humanistas e de movimentos sociais de toda América Latina e Europa, pessoas que querem pensar um mundo mais igualitário, mais humanizado, mais limpo e possível para todas e todos.

As saudações de PAZ, FORÇA E ALEGRIA nunca foram tão necessárias para as urgências numa América tão polarizada como a que estamos vivendo agora, num momento político onde os povos a maioria da população não é sequer vista a demais ouvida, num momento em que se mata mais mulheres só por serem mulheres trans, indígenas, caboclas, quilombolas, periféricas, crianças, jovens na mesma condição étnica e territorial, pessoas que vivem à margem de uma sociedade negroptica, eurocentrada, racista e patriarcal, essa mesma que abandonam pessoas idosas só por serem idosas e matam só por serem pobres e periféricos, que expulsam agricultores e agricultoras de seus territórios, que queimam as florestas e inundam cidades pelo bem de uma soma para fortalecer um capital que não serve à todas. Foi possível perceber há necessidade urgente e construir espaços distanciados do modelo hegemônico de pensamento e de realização de ações/ encontros mais ampliados a partir das construções mais votadas para um modelo de humanismo descolonial.

Paz, força e alegria.

Categorias: Ámérica do Sul, Direitos Humanos, Diversidade, Humanismo e Espiritualidade
Tags: , , ,

Boletim diário

Digite seu endereço de e-mail para assinar o nosso serviço de notícias diárias.

Search

Whatsapp

Pressenza Whatsapp

Informe Pressenza

Informe Pressenza

Caderno de cultura

Caderno de cultura

O Princípio do fim das armas nucleares

Documentário 'RBUI, o nosso direito de viver'

Canale YouTube

International Campaign to Abolish Nuclear Weapons

International Campaign to Abolish Nuclear Weapons

Arquivo

xpornplease pornjk porncuze porn800 porn600 tube300 tube100 watchfreepornsex

Except where otherwise note, content on this site is licensed under a Creative Commons Attribution 4.0 International license.