Plebiscito Constitucional: enterrar o Pinochetismo sem Pinochet

31.10.2020 - Santiago, Chile - Redacción Chile

This post is also available in: Espanhol

Plebiscito Constitucional: enterrar o Pinochetismo sem Pinochet
(Crédito da Imagem: Revista De Frente)

Este texto foi escrito antes de que a população chilena votasse, majoritariamente, a favor da reforma da Constituição. Ainda assim, achamos por bem publicá-lo, a fim de ajudar na compreensão do processo de mudança em curso naquele país.

 

Por Jorge Molina Araneda e Patricio Mery Bell

“Fuja do país onde um só exerce todos os poderes: é um país de escravos.”
“Juro por Deus, juro por meus pais e juro por minha honra que não descansarei enquanto viver até que tenha libertado a minha pátria.”

Simón Bolívar

Por que é necessária uma nova Carta Magna no Chile? Esta é uma pergunta que adquire especial relevância durante esses, às vésperas de um novo plebiscito nacional no qual se resolverá a dúvida.

Apesar disso, é fundamental recapitular como nasceu a Lei fundamental vigente no nosso país e as sequelas perversas que gerou, de forma direta ou indireta, na sociedade chilena.

A Constituição Política de 1980 foi redigida entre quatro paredes por Augusto Pinochet e seus assessores mais próximos; e votada sem registros eleitorais, sem partidos políticos de oposição, sem imprensa livre, sem propaganda eleitoral contrária, sem mesários da oposição nas mesas receptoras dos votos.

Segundo o doutor em Direito Agustín Squella, a Constituição delineou um trânsito à democracia extremamente lento e, ainda por cima, um trânsito a uma democracia grosseiramente limitada no que diz respeito à expressão da vontade popular e a representatividade das instituições. Na prática, Pinochet e seus adversários a denominaram “democracia protegida”.

Jaime Guzmán, ideólogo da ditadura, explicava esta aberração da seguinte maneira:

“A Constituição deve procurar que, se os adversários chegam a governar, encontrem-se impelidos a seguir uma ação não muito diferente da que nós mesmos almejaríamos, porque – valha a metáfora – que o leque de alternativas que o gramado imponha realmente a quem jogue a partida seja suficientemente limitado para ser bastante difícil fazer o contrário”.

A Constituição do ditador tentava assegurar a desigualdade, a pobreza e a concentração de riqueza. As cifras do Chile são eloquentes e assustadoras:

A população 1% mais rica detém, aproximadamente, 17% das receitas fiscais. Além disso, os 10% mais ricos recebem mais de 50% de toda a renda.

E o pior é que essas cifras parecem ser estimativas conservadoras, já que quando se incluem os lucros não distribuídos das empresas (lucros retidos no interior das empresas), os números resultam ainda mais alarmantes: somente 1% do país recebe, aproximadamente, 24% de toda a renda gerada (Top incomes in Chile: a historical perspective of income inequality; 2019).

De acordo com o relatório “How’s Life” (2020), da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (ODCE), 53% da população chilena está em risco de entrar na pobreza, caso deixe de receber três meses do seu salário; Chile é o quinto país do bloco com o maior percentual, longe dos 36% que todo o grupo apresenta em média.

Conforme a ONG Techo, entre os anos de 2011 e 2019 os acampamentos informais aumentaram 22% no Chile, chegando a 47 mil famílias; depois da crise social, o número se aproximaria, de acordo com as primeras análises, a 52 mil famílias ou mais; e o mais provável é que, no contexto pós-COVID-19, este número dispare, provavelmente, para 100 mil famílias.

O governo afirmou que, nestes tempos de crise sanitária, deve-se lançar mão do seguro desemprego para receber alguma renda; porém, estima-se que há 2,5 milhões de trabalhadores e trabalhadoras informais que dispõem de poucas economias devido à precariedade dos trabalhos e à grande agitação que é ter que sobreviver um dia de cada vez.

O Presidente da República pediu aos empresários que se esforcem para não despedir,um discurso que ia dirigido, através da mídia, às Pequenas e Médias Empresas (PME), que sofrem dificuldades econômicas em aproximadamente 70% dos casos, segundo a Associação Chilena de Seguridade (ACHS). Mesmo assim, algumas empresas multinacionais que faturam centenas de milhões de pesos mensais, como o caso de Starbucks, McDonald’s, Burger King, a cadeia internacional de roupas H&M, entre outras, com o amparo da Lei de Proteção ao Emprego suspenderam unilateralmente as jornadas de trabalho e, com isso, conseguiram se beneficiar com o não pagamento dos salários a seus trabalhadores e trabalhadoras.

Devido à pandemia do coronavírus, exigiu-se categoricamente que as pessoas idosas não saíssem das suas casas e que agilizassem seus trâmites por internet; ou que pedissem a um familiar que fizesse suas compras. No entanto, de acordo com um estudo da Pontifícia Universidade Católica, 459.686 pessoas com mais de 60 anos vivem sozinhas e mantêm pouco contato familiar ou comunitário. Além disso, a Fundação Sol afirma que 80% dos novos pensionistas no Chile nem sequer podem autofinanciar uma pensão acima da linha da pobreza.

Considerando os níveis atuais de desigualdade e de mobilidade intergeracional de renda, a criança de uma família pobre necessitaria, em média, pelo menos cinco gerações para alcançar um nível médio de renda nos países da OCDE.

Como vemos, o Chile continua vivendo um Pinochetismo sem Pinochet. Somente uma mudança da Constituição permitirá resolver essas desigualdades, através de um novo pacto social que termine com os abusos instaurados a ferro e fogo pela ditadura civil-militar e, posteriormente, mantido pelos governos da social-democracia.

Para a direita política chilena, é inconveniente recordar as palavras que Andrés Chadwick, então Senador da República e dirigente da ultraconservadora União Democrática Independente (UDI) pronunciou, em 2005, por ocasião da reforma constitucional (Lei 20.050), que foi executada durante o governo de Ricardo Lagos: Por mais importantes que tenham sido as reformas, continua sendo a Constituição de 1980… Para que haja uma nova Constituição, requer-se um processo constitucional originário, não de um processo de reformas.

Aqueles que atualmente se opõem à elaboração de uma nova Carta Magna se esquecem, por conveniência, das palavras de Chadwick; e dizem o mesmo que os partidários manifestavam em 2005, quando chamavam essa nova reforma de “Nova Constituição Política”.

É sintomático da época da interrupção democrática que o Código Político surgido em 1980 tenha estabelecido como valor fundamental, de acordo ao artigo 1, inciso 5, a segurança nacional e não a liberdade, a igualdade, a justiça e a fraternidade, valores superiores, acreditamos, que a esta altura da história deveriam ser as pedras angulares de uma nova Constituição, como a Lei Federal alemã de 1949 e outras Constituições da Europa continental.

É hora de que os excluídos, os humilhados e os caluniados do sistema tomem – por fim! – as rédeas do seu destino e que, neste 25 de outubro, seja aprovada a elaboração de uma nova Constituição, em um espaço democrático, pluralista e popular. O Chile necessita dialogar e criar, em consenso, uma nova norma jurídica fundamental que não exclua ninguém baseando-se em arbitrariedades. Sabemos que, ao utilizá-las, os conservadores direitistas bajuladores dos militares, através também da pilhagem, tornaram-se milionários à custa das riquezas do país e das pessoas comuns. Chegou a hora de mudar a história.


Traduzido do espanhol por Graça Pinheiro / Revisado por Verbena Cordula Almeida

Categorias: Ámérica do Sul, Opinião, Política
Tags: , ,

Boletim diário

Digite seu endereço de e-mail para assinar o nosso serviço de notícias diárias.

Search

Whatsapp

Pressenza Whatsapp

Informe Pressenza

Informe Pressenza

Caderno de cultura

Caderno de cultura

O Princípio do fim das armas nucleares

Documentário 'RBUI, o nosso direito de viver'

Canale YouTube

International Campaign to Abolish Nuclear Weapons

International Campaign to Abolish Nuclear Weapons

Arquivo

xpornplease pornjk porncuze porn800 porn600 tube300 tube100 watchfreepornsex

Except where otherwise note, content on this site is licensed under a Creative Commons Attribution 4.0 International license.