O golpe na Bolívia e sua repercussão na América Latina

08.10.2020 - Verónica Zapata

This post is also available in: Espanhol, Francês, Italiano

O golpe na Bolívia e sua repercussão na América Latina
A presidenta de fato da Bolívia, Jeanine Ánez num evento do governo (Crédito da Imagem: ABI)

O país passa por uma crise multidimensional: política, social, econômica e de saúde, sob um estado terrorista que administra a pandemia com a finalidade de eliminar o “inimigo interno”, causando um genocídio indígena, que fica evidente na taxa de letalidade, que é a proporção de mortes dentro da população com Covid-19. O país tem uma taxa de letalidade de 5,8%, a segunda mais alta da região e supera a média mundial que é de 3,2%, segundo os cálculos oficiais. O que assusta é que a Bolívia tem 11 milhões de habitantes e quase triplica o índice da Argentina, com 44 milhões de habitantes.

A estratégia dos golpistas se dá através de uma guerra política por via judicial (Lawfare), juntamente com uma guerra da mídia contra os dirigentes. O discurso racista da supremacia branca atribui adjetivos negativos que coisifica a população nativa e legitima a violação de seus Direitos Humanos (DH). O objetivo é reinstaurar um apartheid indígena que funcionava até meados do século XX, e continuou se sobrepondo até 2010, quando a Bolívia recuperou a posse de Estado Plurinacional.

A chegada do croata Branco Marinkovich como ministro é um marco histórico, pois pela primeira vez em 194 anos de criação da Bolívia como estado-nação, os separatistas chegam ao governo com um projeto de fragmentar o país.

Bolívia, um modelo a ser construído na América latina

Os Estados Unidos, com a finalidade de recuperar sua hegemonia que foi desarticulada pela China como potência econômica, tenta recuperar seu “quintal” (Doutrina Monroe, 1823), recolonizar e controlar uma região rica em recursos naturais. A Bolívia é uma joia para os Estados Unidos, como foi seu ouro e sua prata a Europa durante o período colonial, possui 60% da reserva mundial de lítio e esconde um tesouro de 45% de toda a biodiversidade do mundo. Seu lítio, usado para fabricar componentes de uso maciço como baterias de celulares, automóveis elétricos, etc…, pode projetar qualquer país como potência.

A nível nacional, o golpe na Bolívia lança as bases para um modelo aplicável em outros países, que teve início e começou a se moldar com o golpe “suave” em Honduras, continuou no Paraguai, Brasil e, com um golpe violento na Bolívia, adquire as características mais radicais e fascistas da região. Sem nos esquecermos que na Venezuela e na Nicarágua os golpes não tiveram êxito.

A repercussão de um golpe violento é visível na região por meio do fortalecimento das direitas mais conservadoras que aumenta a violência. A população é empurrada para um beco sem outra saída a não ser a rebelião e/ou a guerra civil, fechando as vias democráticas, legais e pacíficas para disputar o governo como no caso da Colômbia e da Bolívia.

Na Bolívia, a batalha da pátria mãe está sendo travada e não pode ser entendida apenas na contemporaneidade da história, mas no âmbito de uma batalha cultural de 528 anos e que os povos indígenas continuam por gerações. A eleição de 18 de outubro, vai reconfigurar a região, abrindo ou fechando um caminho para projetos de libertação nacional, da pátria grande e da construção de democracias participativas. Ela vai antecipar os possíveis cenários eleitorais de outros países, principalmente da Venezuela e da Argentina, onde o ex-presidente Eduardo Duhalde argumentou que “não haverá eleições”.

A utilização de métodos ensaiados na Bolívia durante o golpe, chegou a um limite perigoso na Argentina que ficou isolada e está longe da Venezuela, Nicarágua e do México, mas que ajuda no equilíbrio das forças. A imagem da polícia cercando a casa de Olivos em plena pandemia é um fato ameaçador dentro de uma série de medidas de desestabilização. E que não pode ser entendido fora de um plano regional coordenado de avanço da direita que tem a Bolívia no centro das operações. A polícia começou ali a mesma reivindicação “apolítica” de “aumento salarial” que desencadeou um golpe, a pedido do chefe das Forças Armada, pela renúncia de Evo Morales.

Quanto ao exército argentino, não se pode subestimar a homenagem via Twitter feita a dois militares mortos durante a ditadura militar que foi rejeitado por órgãos dos Direitos Humanos. Por outro lado, uma informação a ser levada em conta é que o advogado dos policiais, Gabriel Juricich, foi o representante legal da Federação Bolívia da Argentina e que está ligado à direita boliviana do país.

Esses acontecimentos se dão num contexto de escracho à casa da vice presidenta, de ameaça de morte via telefone ao presidente da câmara de deputados, de denúncia da deputada Sagasti de que foi publicado, a partir de contas falsas, telefones e endereços dos senadores que defendem a reforma judicial, e de protesto policial em frente à casa do governador da província de Buenos Aires. Ações com características semelhantes aconteceram antes do golpe na Bolívia.

A coluna de Macri em La Nación segue a linha golpista de Àñez ao se passar por “defensor da democracia” e acusar Alberto Fernández de “não respeitar a constituição”, com tendência a ser um ditador. Enquanto os meios trabalham para impor esse sentido comum. Depois do golpe da Bolívia, nada é certo e temos que levar em conta que um golpe, suave ou violento, sempre se dá invocando a “defesa da democracia” e, mesmo em golpes violentos como na Bolívia, quem assume a presidência é um civil, é improvável que seja um militar. Isso mostra que a luta se radica no campo da comunicação.

A respeito da Venezuela, em 19 de agosto, o embaixador Samuel Moncada, denunciou diante da ONU que ” Trump e seus partidários usam a pandemia como arma de extermínio” com a finalidade de criar caos social para que os EUA possam invadir o país antes de suas eleições em novembro. O regime na Bolívia levará a cabo um plano de “fraude” nas eleições de outubro, que poderia criar um ótimo momento para uma intervenção na Venezuela, e antecipa esse horizonte para a Bolívia, especialmente depois de medir forças pós-bloqueio.

No Equador, a proscrição simultânea do ex-presidente Rafael Correa como candidato à vice presidência e na Bolívia a de Evo Morales como senador, revela uma coordenação da direita regional e lembra a de Lula no Brasil em 2018, que abriu caminho para a vitória de Jair Bolsonaro. Por outro lado, na Colômbia, o assassinato do advogado defensor dos Direitos Humanos Javier Ordoñez numa repressão violenta, estimulou o cansaço de um povo diante de um presidente amparado pela violência. Os bloqueios na Bolívia também mostram esse cansaço de um povo que esteve a uma faísca da revolta popular sem precedentes desde a volta da democracia ao país. Esse cansaço pode espalhar-se na região antes do fechamento fraudulento (fraude, proscrição, etc…) dos caminhos para se disputar o governo através da política, deixando a rebelião, pacífica ou violenta, como saída.

As organizações sociais e as democracias participativas

A investida de restituição imperial a nível continental cruzou um limite, com a finalidade de parar o avanço dos governos populares com forte intervenção do estado. O único que pode enfrentar o poder real, é um poder popular que quebre o teto das democracias representativas, verticalizadas e paternalistas, que chegaram ao seu limite e favorecem somente a manutenção do status quo. Os bloqueios na Bolívia mostraram a crise desse modelo, que se instalou a nível mundial há tempos e que percorre as organizações indígenas.  Nessa linha, o candidato a senador por Potosí, ex-chanceler e pré-candidato do MAS Diego Pary, foi substituído assim que se tornou público seu vínculo empregatício com a vice presidência e Hilarión Mamani entrou em seu lugar.

Na essência dessas organizações está o vírus revolucionário da democracia participativa, horizontal, protagonista, ativa desde sua base, que não se garantiu em 14 anos e foi o ponto fraco e determinante do golpe. Essa aposta é a única opção para resistir a uma ditadura e recuperar a democracia. É preciso que dirigentes e candidatos legítimos, e não colocados a dedo subtraindo votos, servindo de obstáculo ao empoderamento, à união, a organização, a força social e à autonomia das decisões para se construir o poder popular.


Traduzido do espanhol por Eliane Resende

Categorias: Ámérica do Sul, Assuntos indígenas, Política
Tags: , , , , , , ,

Boletim diário

Digite seu endereço de e-mail para assinar o nosso serviço de notícias diárias.

Search

Whatsapp

Pressenza Whatsapp

Informe Pressenza

Informe Pressenza

Caderno de cultura

Caderno de cultura

O Princípio do fim das armas nucleares

Documentário 'RBUI, o nosso direito de viver'

Canale YouTube

International Campaign to Abolish Nuclear Weapons

International Campaign to Abolish Nuclear Weapons

Arquivo

xpornplease pornjk porncuze porn800 porn600 tube300 tube100 watchfreepornsex

Except where otherwise note, content on this site is licensed under a Creative Commons Attribution 4.0 International license.