Botswana ratifica o tratado de proibição de armas nucleares da ONU

21.07.2020 - Genebra, Suíça - International Campaign to Abolish Nuclear Weapons

This post is also available in: Inglês, Espanhol, Francês, Italiano, Alemão, Grego

Botswana ratifica o tratado de proibição de armas nucleares da ONU

O Botswana tornou-se a 40ª nação a ratificar o Tratado sobre a Proibição de Armas Nucleares – um acordo global de referência negociado em 2017 para proibir as piores armas de destruição massiva e estabelecer o enquadramento para a sua eliminação total. Só são necessárias apenas mais 10 ratificações para atingir o limiar de 50 ratificações para a entrada em vigor do tratado.

O Botswana depositou o seu documento de ratificação junto do Secretário-Geral da ONU, António Guterres, a 15 de Julho, tornando-se o terceiro membro da Comunidade de Desenvolvimento da África Austral (SADC) a ratificar o tratado este ano, depois da Namíbia e Lesoto. A África do Sul, que também é membro da SADC, ratificou-o em 2019.

A ratificação do Botswana coincide com o 11º aniversário da entrada em vigor do Tratado de Pelindaba, que estabeleceu que toda a África é uma zona livre de armas nucleares. Este timing realça a relação complementar entre os dois tratados. Em 2018, todas as partes do Tratado de Pelindaba comprometeram-se a “assinar e ratificar rapidamente” o novo tratado global de proibição de armas nucleares.

“Ao concluir este passo histórico”, disse Collen Vixen Kelapile, representante permanente do Botswana nas Nações Unidas, “o Botswana re-confirmou uma vez mais o seu compromisso inabalável com a paz e segurança globais através da proibição de armas nucleares como meio concreto para a plena implementação da agenda do desarmamento”.

Disse que o Botswana se orgulhava de estar entre os primeiros Estados signatários do tratado e encorajou “todas as outras nações amantes da paz a darem coletivamente as mãos e contribuírem para este nobre esforço para a proibição de todas as armas nucleares”.

Apesar do grave impacto da pandemia da COVID-19 em todo o mundo, continuam a ser feitos progressos constantes no sentido da entrada em vigor do tratado de proibição de armas nucleares. Ainda na semana passada, Fiji tornou-se o 39º Estado a ratificá-lo, comentando que a “agenda para o desarmamento” do Secretário-Geral da ONU se tinha tornado “ainda mais importante na sequência da pandemia da COVID-19” e apelando a que o dinheiro atualmente gasto em armamento nuclear fosse redirecionado para o bem-estar da humanidade.

O ministro dos negócios estrangeiros e da cooperação internacional do Botswana, Dr. Unity Dow – juiz, ativista dos direitos humanos, e escritor – assinou o tratado de proibição de armas nucleares em Setembro passado numa cerimónia de alto nível em Nova Iorque. O seu governo sublinhou “o papel significativo do [tratado] no reforço das normas e práticas globais contra o uso, proliferação e posse de armas nucleares por qualquer país”.

O Botswana promoveu ativamente a adesão universal ao tratado, inclusive co-patrocinando uma resolução da Assembleia Geral da ONU em 2019 que apelava a todos os Estados para assinarem, ratificarem, ou aderirem ao tratado “o mais cedo possível”.

O tratado foi negociado em resposta à preocupação sempre crescente da comunidade internacional com as consequências catastróficas que resultariam de qualquer utilização de armas nucleares. Nenhuma nação está imune a estas consequências: as pessoas em nações vizinhas e distantes que nada têm a ver com o conflito sofreriam os efeitos da precipitação radioativa, da perturbação climática e da insegurança de recursos.

Além disso, os programas de armas nucleares desviam anualmente dezenas de biliões de dólares dos cuidados de saúde, educação, assistência em catástrofes e outros serviços vitais. O preâmbulo do tratado expressa preocupação com “o desperdício de recursos económicos e humanos” em tais programas. Ao ratificar o tratado, o Botswana ajudou a reforçar a norma global contra a utilização e posse de armas nucleares.

A ratificação do Botswana ocorre menos de um mês antes de o mundo assinalar o 75º aniversário dos bombardeamentos atómicos norte-americanos de Hiroshima e Nagasaki, que ceifaram mais de um quarto de milhão de vidas. Os sobreviventes desses terríveis ataques estão a exortar todas as nações que ainda não ratificaram o tratado a fazê-lo até 6 de Agosto deste ano.

Categorias: Africa, Nota de imprensa, Paz e Desarmamento
Tags: , , ,

Boletim diário

Digite seu endereço de e-mail para assinar o nosso serviço de notícias diárias.

Pesquisa

Informe Pressenza

Informe Pressenza

Caderno de cultura

Caderno de cultura

O Princípio do fim das armas nucleares

Documentário 'RBUI, o nosso direito de viver'

Canale YouTube

International Campaign to Abolish Nuclear Weapons

International Campaign to Abolish Nuclear Weapons

Arquivo

xpornplease pornjk porncuze porn800 porn600 tube300 tube100 watchfreepornsex

Except where otherwise note, content on this site is licensed under a Creative Commons Attribution 4.0 International license.

maltepe escort