Espionagem a jornalistas e dirigentes, prática ilegal e habitual do governo Macri

11.06.2020 - Buenos Aires, Argentina - Javier Tolcachier

This post is also available in: Espanhol

Espionagem a jornalistas e dirigentes, prática ilegal e habitual do governo Macri
(Crédito da Imagem: Agencia Paco Urondo)

Durante o governo de Maurico Macri, a Agência Federal de Inteligência (AFI) organizou um esquema de espionagem massiva sobre jornalistas, acadêmicos, dirigentes de organizações a sociedade civil, fundações, câmaras empresariais e outras instituições.

A informação, que veio à tona através de diversos meios de comunicação, se desprende da apresentação judicial realizada na sexta-feira, 5 de junho, pela atual interventora e responsável pela re-organização do organismmo, Cristina Caamaño.

A ação teve como objetivo fazer um escrutínio e fichar dados pessoais de quem solicitou credenciamento para a cobertura da Cúpula da Organização Mundial do Comércio (OMC) – celebrada na Argentina em dezembro de 2017 – e da reunião do G20, ocorrida no país entre o final de novembro e o começo de dezembro de 2018.

Tais eventos deveriam servir para catapultar a administração de Macri ao cenário mundial como fiel vassalo dos mandatos do neoliberalismo e, portanto, nada e nem ninguém deveria trabalhar para “manchar” tão precioso propósito.

Para a ocasião, os espiões organizaram informação detalhada sobre 403 jornalistas, 28 personalidades acadêmicas e 59 nomes entre referências do mundo empresarial e de organizações da sociedade civil.

De maneira ilegal, a agência revisou os perfis em redes sociais para catalogar preferências ideológicas, além de ter usado bases de dados do Estado para extrair dados trabalhistas, financeiros e filiações de parentesco.

As informações coletadas sobre trabalhadores da imprensa incluiu não apenas possíveis vozes dissonantes e críticas ao governo, simpáticas à oposição ou ao movimento “antiglobalista”, mas também atingiu muitos jornalistas de veículos que praticaram uma verdadeira “blindagem midiática” ao governo de Macri, como o grupo Clarín, o La Nación e o Infobae.

Tal acontecimento revela uma motivação inquestionável: o temor de uma administração elitista, seus asseclas e assessores de segurança, de que alguma voz dissonante possa interferir em seus glamorosos eventos.

Além desta causa, a Justiça também investiga Macri e vários de seus funcionários em outras quatro frentes em curso devido às violações cometidas contra a Lei de Inteligência argentina. Entre elas, a espionagem ilegal que teve como principal alvo a ex-presidenta e atual vice-presidente da nação, Cristina Fernández de Kirchner, junto a numerosos dirigentes sociais, líderes sindicais e personalidades políticas.

Os expedientes contêm informes sobre infiltração de espaços opositores ao macrismo, interceptação de e-mails, gravações, fotografias e arquivos armados pelo órgão de inteligência. Segundo a legislação vigente no país, é vedado o armazenamento de informação sobre pessoas que realizem atividades lícitas, como por exemplo pertencer à determinada corrente política, produzir informação ou expressar opiniões.

Conforme revelou o diário Página 12, nesta terça-feira (9), em nota assinada por Sofia Caram e Raúl Kollman, as ações de espionagem tiveram envolvimento de um conjunto de “polícias, agentes, advogados, jornalistas, policiais de Buenos Aires, narcotraficantes e barrabravas (grupos de torcidas de futebol)”, o que, para além da gritante ilegalidade das ações, expõe, também, a proximidade do governo de Macri a grupos de delinquentes.

Pressão e extorsão contra juízes, vazamentos e operações de imprensa, espionagem massiva e ilegal a jornalistas e opositores: o repertório mafioso de ações que foi denunciado repetidas vezes ao longo dos quatro anos de desgraça neoliberal promovida pelo governo Macri começa a ser exposto com abundante material comprobatório perante à Justiça.

Justiça que, por sua vez, agora espera por seu próprio processo de depuração e regeneração.

Para além dos necessários vereditos, a história já emitiu sua sentença: o povo argentina eleva a sua voz e exige “nunca mais!” a este tipo de práticas e seus protagonistas.


Tradução de Felipe Bianchi, de Barão de Itararé

Categorias: Ámérica do Sul, Opinião, Política
Tags: , , ,

Boletim diário

Digite seu endereço de e-mail para assinar o nosso serviço de notícias diárias.

Search

Whatsapp

Pressenza Whatsapp

Informe Pressenza

Informe Pressenza

Caderno de cultura

Caderno de cultura

O Princípio do fim das armas nucleares

Documentário 'RBUI, o nosso direito de viver'

Canale YouTube

International Campaign to Abolish Nuclear Weapons

International Campaign to Abolish Nuclear Weapons

Arquivo

xpornplease pornjk porncuze porn800 porn600 tube300 tube100 watchfreepornsex

Except where otherwise note, content on this site is licensed under a Creative Commons Attribution 4.0 International license.