I Encontro Internacional da Coalizão Negra Por Direitos debate representação política

01.12.2019 - São Paulo, Brasil - Redação São Paulo

I Encontro Internacional da Coalizão Negra Por Direitos debate representação política
A mesa de debate foi composta por Vilma Reis, Sandra Maria, Maurice Mitchell, Edson França, Dulce Pereira, Monica Oliveira e Rose Torquato (Crédito da Imagem: Nara Lacerda)

Por Nara Lacerda/Brasil de Fato

Debate que encerrou o evento, nesse sábado (30), em São Paulo, colocou a política institucional no centro da discussão

“Se não tivermos o olhar para o poder, nós nunca vamos pautar. Para pautar tem que ter caneta, tem que ter voto!”. Com essa frase, o vice-presidente nacional da Unegro, Edson França, abriu a última mesa do I Encontro Internacional da Coalizão Negra por Direitos.

A partir do tema “Disputa do poder institucional e incidência política”, o debate alertou sobre a necessidade de que a representação política da comunidade preta seja pauta prioritária e processo contínuo.

A ativista do coletivo Luiza Mahin, Vilma Reis, que neste ano lançou sua pré-candidatura à prefeitura para a eleição municipal de Salvador (BA) em 2020, também esteve presente na mesa e fez uma exposição incisiva, na qual demonstrou que o desenvolvimento pleno do Brasil passa necessariamente pela inclusão política da população negra.

“Não é possível se desenvolver deixando 110 milhões para trás. O Brasil não vai sem nós”, afirmou. Vilma fez ainda um chamado à militância de esquerda: “a esquerda branca precisa parar de passar vergonha porque não enxerga em nenhum de nós a possibilidade de governar (…) Que os brancos antirracistas cumpram seu papel na história!”, defendeu a militante.

Ela ressaltou também que as disputas municipais do próximo ano precisam representar avanços no número de candidaturas de pessoas negras e na articulação com o eleitorado, principalmente.

“Se queremos derrotar o horror que se instalou em Brasília, precisamos começar pelas cidades. (…) Como, em 2019, alguém pode passar ao largo do terror racial que assola esse país?”, questionou.

O encontro reuniu também Dulce Pereira (Movimento Negro Unificado MNU – MG), Maurice Mitchell (Working Families Party – USA), Rose Torquato (Agentes de Pastoral Negros APNs – RJ), Sandra Maria (Coord. Nacional de Articulação das Comunidades Negras Rurais Quilombolas CONAQ-MG) e Mônica Oliveira (Articulação Negra do Pernambuco – PE).

Mônica Oliveira cobrou conhecimento e articulação dos gestores públicos para atender a comunidade negra que hoje representa quase 60% da população brasileira. “O grau de sofisticação do racismo nesse país não nos permite dúvidas sobre a luta”, disse.

A necessidade de estratégias de convivência e diálogo dentro da diversidade dos movimentos negros no Brasil norteou a fala de Dulce Pereira, do MNU. Ela ressaltou a importância do exercício cotidiano de mobilização e organização, inclusive em pautas globais, como meio ambiente e infância.

“As forças que defendem um mundo de controle e de poder têm armas poderosas e essas armas estão em ação. Há um falso pacto pelo Ocidente que nos varre da história. Pessoas como nós são indesejáveis (…) sabem que nossa fragmentação é poderosa”, argumentou.

Maurice Mitchell, do Working Families Party, organização que atua nos Estados Unidos, defendeu um pacto que ultrapasse barreiras continentais. “As contradições, atualmente, são resolvidas pelo capital e pelo mercado e não por nós. Coorporações brancas lucram com a nossa luta. Como podemos ter certeza de que nós vamos tomar esse lugar?”, questionou.

Ele afirmou ainda que é necessário não apenas garantir rostos negros na política, mas também pautas negras. “Que política nos une? Não podemos ser diluídos nesse processo. Precisamos ter certeza da agenda e avaliar nossas plataformas. Precisamos de solidariedade e resistência preta global, porque o fascismo já é organizado globalmente.”

A Coalizão Negra Por Direitos é formada por mais 100 organizações de todo o Brasil e promove articulações políticas no Congresso Nacional e em fóruns internacionais.

Categorias: Ámérica do Sul, Direitos Humanos, Diversidade, Política
Tags: , , , ,

Boletim diário

Digite seu endereço de e-mail para assinar o nosso serviço de notícias diárias.

Pesquisa

 

Caderno de cultura

Cuaderno de cultura

O Princípio do fim das armas nucleares

Documentário 'RBUI, o nosso direito de viver'

Canale youtube

International Campaign to Abolish Nuclear Weapons

International Campaign to Abolish Nuclear Weapons

Milagro Sala

Arquivo

Except where otherwise note, content on this site is licensed under a Creative Commons Attribution 4.0 International license.