Nas ruas, o Haiti resiste à sanha neocolonial

29.10.2019 - São Paulo, Brasil - Outras Palavras

Nas ruas, o Haiti resiste à sanha neocolonial
Haiti, outubro 2019 (Crédito da Imagem: RT, captura de video)

Por Cristóbal León Campos

Sob silêncio da velha mídia internacional, começa 7º semana de protestos contra a ocupação dos Capacetes Azuis e a extrema pobreza. A luta não é apenas contra o neoliberalismo, mas pela sobrevivência enquanto nação

Começa a sétima semana de protestos no Haiti, país que é exemplo das extremas consequências provocadas pelas políticas neoliberais na América Latina e de uma condenação que já se arrasta por séculos. Mergulhado, durante todo o ano de 2019, em constante crise de governo e social, uma cadeia de manifestações itinerantes são registradas, com elementos comuns aos recentes acontecimentos em outros países latino-americanos que rechaçam, categoricamente, as medidas econômicas implementadas pelo Fundo Monetário Internacional (FMI) e o imperialismo estadunidense.

Mas, no Haiti, esses motivos já transbordam: diferentemente desses outros países, não tem, há décadas, períodos de estabilidade – mesmo que em muitos países (como o Chile) esse período de estabilidade resultou, na verdade, em uma farsa. A pobreza extrema, a desigualdade, a violência estrutural, a superexploração e o racismo são elementos que definem, quase como norma, a realidade da nação caribenha e, além disso, ela carrega sobre suas costas uma permanente campanha, realizada pelos grandes meios de comunicação, para ocultar o que se passa por lá: sobre as crises, os protestos e as reivindicações sociais no Haiti não se fala, sequer para desqualificá-las e tergiversá-las. Esse completo silêncio coloca em risco a integridade humana. Mas o Haiti é a evocação continua da necessidade de construir outro mundo.

Os protestos começaram devido à escassez de combustível — e o consequente aumento de seu preço –, pela falta de comida, remédios, gás e água potável e pela desvalorização da moeda, o que aprofundou a crise econômica enfrentada pelo país mais pobre da América Latina, onde a maioria da população sobrevive com dois dólares ao dia – ou com muito menos. O povo tomou as ruas para enfrentar o neoliberalismo; trabalhadores e trabalhadoras resistem a repressão brutal — que assassina e prende a muitos –, mantendo a força para continuar; diversos sindicatos, o movimento feminista e partidos políticos se agregaram; uma organização de base lhes outorga autoridade entre os despossuídos (algo que o poder burguês jamais compreenderá); professores e os estudantes se somaram a greve geral; o povo, organizado em um Fórum Patriótico, propõem, após a renúncia do presidente, “uma governo de transição por um período de três anos para enfrentar os problemas de fome, miséria e desemprego que afeta a mais de 80% da população e a reforma das instituições estatais, segundo as necessidades da população”.

A luta haitiana sempre tem um toque mais elevado em sua densidade porque não é apenas uma luta para frear medidas antipopulares, mas também uma luta para sobreviver como povo, nação e seres humanos.

Frente as mobilizações populares, o presidente haitiano, Jovenal Moïse, declarou que “não é apegado ao poder, mas às reformas que pretende implementar”, mas, no entanto, não revela que as reformas que almeja visam modificar a Constituição e as leis aduaneiras e do setor energético — tudo para seguir beneficiando os saqueadores e os exploradores. Acusado de corrupção, a população pede a renúncia do presidente Moïse, o que, talvez, justifique seu ferrenho amor ao poder quando disse que é necessário “ver como podemos tirar proveito desta crise, como fazer desta crise uma oportunidade”. Esse é o retrato do cinismo de quem oprime; a oportunidade que semeiam é continuar com um Estado indefeso diante da ingerência imperialista e neocolonial. O Haiti, primeira colônia a se libertar na América, hoje o país mais lastimado pelas velhas potências, nostálgicas de sua hegemonia, é o retrato da soberba e da vingança e, para coroar isso, vive uma ocupação estrangeira desde princípios do século XXI, sob pretexto de “ajuda humanitária”. Uma coalização de nações a mantem sitiada sob aval da ONU, uma das muitas incongruências desse organismo internacional; recentemente, no dia 17 de outubro, a ONU declarou a continuidade de sua política intervencionista com o programa BITUH para a MINUJUSTH [Missão das Nações Unidas para o Apoio à Justiça no Haiti], que precedeu os Capacetes Azuis, que cometeram múltiplas humilhações contra o povo haitiano.

Uma das grandes mobilizações que se registrou nessas novas jornadas de resistência foi, justamente, dirigida a esse intervencionismo: os manifestantes se dirigiram ao quartel general da ONU, próximo ao Aeroporto Internacional de Porto Príncipe, e ali expressaram seu repudio ao apoio do Grupo Central ao governo Jovenal Moïse, que o nomeou nada mais e nada menos que representante especial da Secretaria Geral da ONU; os embaixadores da Alemanha, Brasil, Canadá, França, Estados Unidos e os representantes da Espanha, da OEA e da União Europeia, todos esses países e organizações guardam um silêncio culposo sobre a real situação que se encontra o Haiti; todos são cumplices da opressão de longa duração que abate o Haiti; todos se beneficiam e extraem grandes riquezas. O neocolonialismo é real, tão real como a bota imperialista no mundo. O Haiti está travando uma longa batalha contra todo o sistema mundial, mas é esquecido pela maioria das nações. É tempo de conhecer a verdade sobre o Haiti e radicalizar as manifestações de apoio. A libertação haitiana é também a emancipação dos povos latino-americanos.

Nenhuma solução favorável ao povo haitiano virá das políticas neoliberais impostas pelo FMI, pelo imperialismo e pelo neocolonialismo; o Haiti, assim como toda a Nossa América, enfrenta o desafio e a necessidade de construir uma nova ordem mundial. Esta região do mundo é chamada a ser a vanguarda nesta impostergável urgência, a resistência contra o neoliberalismo deve conduzir o povo a uma aberta crítica a todo o sistema capitalismo e à reformulação de um projeto emancipador global, o socialismo precisa levantar a mão para canalizar as demandas sociais e reformular-se para perceber o anseio por um mundo realmente justo, livre e humano.

Categorias: América Central
Tags: , , , ,

Boletim diário

Digite seu endereço de e-mail para assinar o nosso serviço de notícias diárias.

O Princípio do fim das armas nucleares

2a Marcha Mundial da Paz e da Não-violência

Documentário 'RBUI, o nosso direito de viver'

Milagro Sala

Canale youtube

International Campaign to Abolish Nuclear Weapons

International Campaign to Abolish Nuclear Weapons

Arquivo

Except where otherwise note, content on this site is licensed under a Creative Commons Attribution 4.0 International license.