“Cerrado pega fogo longe dos olhos da mídia”

12.09.2019 - Brasilia, Brasil - Redação São Paulo

This post is also available in: Espanhol

“Cerrado pega fogo longe dos olhos da mídia”
Entre os dias 1º e 9 de setembro, foram registrados 7.304 focos de incêndio no cerrado (Crédito da Imagem: José Cruz/Agência Brasil)

Por Rafael Tatemoto/Brasil de Fato

Abaixo-assinado apresentado durante encontro em Brasília (DF) busca transformar o cerrado em patrimônio nacional

Entre os dias 1º e 9 de setembro, foram registrados 7.304 focos de incêndio no cerrado

Enquanto a Amazônia toma conta dos noticiários do Brasil e do mundo por conta do aumento no número de queimadas, o cerrado brasileiro pega fogo longe dos olhos da mídia. O alerta foi feito por Lidiane Taverny Sales, moradora da comunidade Retireiros do Araguaia (MT) e representante do Conselho Nacional de Povos e Comunidades Tradicionais, durante o 9º Encontro e Feira dos Povos Cerrados nesta quarta-feira (11), em Brasília (DF). Com o tema “Pelo Cerrado Vivo: diversidades, territórios e democracia”, o evento ocorre no espaço do Funarte até o sábado (14).

Entre os dias 1º e 9 de setembro, foram registrados 7.304 focos de incêndio no cerrado, contra 6.200 na Amazônia. No ano todo, o bioma Amazônia concentrou 53.023 focos contra 34.839 do Cerrado.

“Eu saio da beira do Rio Araguaia e passo por 1,2 mil km – para chegar até aqui eu venho de ônibus –, e venho observando o quanto o cerrado, a nossa casa, está sendo destruído. E a destruição não é por nós. É pelo capital, pela ganância”, relatou Sales. “A mídia não fala muito do fogo no cerrado, mas ele está acabando pelo fogo. E o fogo pega nos territórios tradicionais”, acrescentou.

Nas áreas do agronegócio, voltadas principalmente para a produção de soja, algodão e gado, já não há cobertura vegetal que permita a ocorrência de grandes incêndios.

Duas atividades preparatórias ocorreram nesta quarta-feira: a tradicional corrida das toras, realizada por indígenas na Esplanada dos Ministérios, e um seminário sobre a importância dos povos tradicionais, na Câmara dos Deputados.

Debate

O seminário “A importância dos povos e comunidades para a conservação do cerrado” começou com a apresentação da bióloga e professora titular da Universidade de Brasília (UnB) Mercedes Bustamante, que afirmou que as descrições do cerrado – antes visto como “sertão inóspito” e depois como “celeiro do Brasil” – desprezam o elemento humano do bioma.

Bustamante analisa que a diversidade cultural presente nas populações do cerrado, vista por muitos como empecilho ao desenvolvimento, é um fator-chave para a transformação do país. Em sua visão, é necessário “incorporar os conhecimentos tradicionais ao conhecimento científico para fornecer soluções que a sociedade brasileira necessita”. Portanto, segundo ela, “é impossível cuidar da natureza sem cuidar do homem que cuida da natureza”.

“Em vez de olharmos a diversidade como empecilho ao desenvolvimento, é exatamente essa diversidade que é a grande oportunidade de desenvolvimento para o Brasil. Quando a gente junta essas formas de conhecimento, o país só tem a ganhar”, declarou.

Maria do Socorro Teixeira, coordenadora do Movimento Interestadual das Quebradeiras de Coco Babaçu e integrante da Rede Cerrado, criticou a ausência de políticas ambientais efetivas por parte do governo Bolsonaro (PSL).

“O Brasil está sendo vendido. As terras estão se acabando. A floresta se queimando, e ninguém pensa que lá tem sobreviventes, tem ser humano. É importante a terra, é importante a água, a floresta, mas [também] somos importantes nós, que vivemos nela. E a gente não vai se curvar diante de um governo podre”, disse.

Também nesta quarta-feira, um abaixo-assinado com mais de 550 mil nomes foi entregue ao Congresso Nacional em apoio à Proposta de Emenda Constitucional (PEC) 504/2010, que transforma o cerrado e a caatinga em patrimônios nacionais.

Categorias: Ámérica do Sul, Ecologia e Meio Ambiente
Tags: , , , , , , ,

Boletim diário

Digite seu endereço de e-mail para assinar o nosso serviço de notícias diárias.

O Princípio do fim das armas nucleares

2a Marcha Mundial da Paz e da Não-violência

Documentário 'RBUI, o nosso direito de viver'

Milagro Sala

Canale youtube

International Campaign to Abolish Nuclear Weapons

International Campaign to Abolish Nuclear Weapons

Arquivo

Except where otherwise note, content on this site is licensed under a Creative Commons Attribution 4.0 International license.