Mercado reage mal à derrota de Macri na Argentina

13.08.2019 - Deutsche Welle

Mercado reage mal à derrota de Macri na Argentina
Macri obteve 32,08% da preferência do eleitorado, uma desvantagem de mais de 15 pontos percentuais em relação aos adversários kirchneristas

Dólar dispara e bolsa do país registra queda superior a 30% diante da possibilidade de presidente perder eleição para chapa kirchnerista já no 1° turno.

A derrota do presidente Mauricio Macri nas eleições primárias da Argentina contaminou os mercados do país. Nesta segunda-feira (12/08), o índice Merval, das principais ações cotadas na Bolsa de Comércio de Buenos Aires, fechou em baixa de 37,93%. Por sua vez, o Índice Geral S&P/BYMA caiu 36,97%.

Já o peso argentino chegou a perder 30% do seu valor frente ao dólar americano nas primeiras horas desta segunda-feira. O Banco Central do país se viu então obrigado a vender 105 milhões de dólares para segurar o valor e aumentar a taxa de juros básica de 63,71% para 74,78% . Ao final do dia, o peso argentino havoa sofrido desvalorização de quase 20%, cotado 57,30 pesos por dólar – alta de 13 pesos em relação ao valor da última sexta-feira.

Já os títulos da dívida e as ações argentinas em Wall Street tiveram uma queda de dois dígitos, entre 14%, e 27%. Empresas argentinsa com ações na bolsa americana também registraram forte queda. Os papeis do Grupo Financiero Galicia caíam mais de 57,5%, e os da YPF, 36,7%.

O pessimismo coma derrota de Macri e a sinalização de que a chapa oposicionista composta por Alberto Fernández e a ex-presidente Cristina Kirchner poderá vencer as eleições presidenciais de outubro já no primeiro turno também teve efeitos no Brasil.

O índice Ibovespa, da Bolsa de Valores de São Paulo, fechou nesta segunda-feira em baixa de 2%. No mercado de câmbio, o dólar comercial subiu 1,05% e fechou cotado a 3,983 reais para compra e 3,987 reais para venda.

No domingo, o peronista Alberto Fernández derrotou com vantagem de mais de 15 pontos percentuais o presidente da Argentina, Mauricio Macri, nas eleições primárias. O candidato de centro-esquerda, que tem como vice a ex-presidente Cristina Kirchner, sai assim como favorito às presidenciais de outubro.

Com 98,67% das urnas apuradas, Macri obteve 32,08% da preferência do eleitorado, uma desvantagem de mais de 15 pontos percentuais em relação aos adversários da Frente de Todos, liderada por Fernández, que obteve 47,65% dos votos ontem.

Embora as sondagens eleitorais já dessem o primeiro lugar a Fernández, nenhuma pesquisa havia previsto uma vitória com diferença tão ampla. Segundo dados oficiais, a taxa de participação nas urnas foi de cerca de 75%, entre as 33,8 milhões de pessoas aptas a votar.

Para ganhar no primeiro turno, o candidato a presidente tem que obter 45% dos votos ou mais de 40% com uma diferença de 10 pontos sobre o segundo colocado. Caso os resultados se repitam na eleição presidencial de 27 de outubro, Fernández pode ser eleito sem necessidade de segundo turno.

Após o resultado negativo e a turbulência financeira provocada pelo seu mau desempenho, Macri disse que a vitória da oposição mostra uma “bronca acumulada” dos argentinos com a crise da economia, uma situação em parte provocada, segundo ele, pela “difícil herança” deixada pelos dois antecessores no cargo, Cristina e Néstor Kirchner.

“A alternativa kirchnerista não tem credibilidade no mundo, não gera a confiança necessária para que as pessoas queiram vir investir no país. Eles já governaram e têm que provar que farão algo diferente do que fizeram antes”, afirmou Macri.

“Hoje é um dia muito ruim. Hoje estamos mais pobres do que antes das primárias”, disse Macri. Apesar das críticas aos opositores, Macri prometeu que trabalhará para recuperar a economia do país e conquistar os votos necessários para forçar um segundo turno.

“Vamos reverter essa eleição ruim de ontem e transformá-la em uma eleição melhor que nos leve ao segundo turno em novembro”, afirmou. Macri ainda descartou mudanças no governo visando as eleições e afirmou tomará medidas para que o processo eleitoral não “castigue ainda mais” os argentinos. No entanto, o presidente evitou dar detalhes sobre as medidas que estão sendo estudadas por ele e sua equipe.

 

Categorias: Ámérica do Sul, Economia, Internacional
Tags: , , ,

Boletim diário

Digite seu endereço de e-mail para assinar o nosso serviço de notícias diárias.

 

O Princípio do fim das armas nucleares

Documentário 'RBUI, o nosso direito de viver'

Milagro Sala

Canale youtube

International Campaign to Abolish Nuclear Weapons

International Campaign to Abolish Nuclear Weapons

Arquivo

Except where otherwise note, content on this site is licensed under a Creative Commons Attribution 4.0 International license.