35 anos do Partido Humanista Chileno

17.07.2019 - Redacción Chile

This post is also available in: Espanhol, Francês, Italiano

35 anos do Partido Humanista Chileno

À frente da Regional Metropolitana esteve a organização de uma maravilhosa celebração do 35º aniversário do Partido Humanista Chileno, comemorando toda a sua história, desde o tempo da ditadura em que se organizou para recolher as primeiras assinaturas e coordenar com outras forças da oposição, à participação no primeiro governo democrático para depois abandonar o projeto neoliberal promovido pela Concertación e elevar a figura de Cristián Reitze como candidato presidencial da Nova Esquerda. O trabalho exemplar da congressista Laura Rodriguez foi revisto, resgatando seu legado. Foi valorizado o trabalho para posicionar o humanismo nos tempos dos protestos contra a guerra no Iraque, para rearticular-se com as forças da esquerda chilena e dar origem ao Podemos e depois a Juntos Podemos Más, com as candidaturas presidenciais de Tomás Hirsch. Depois vieram os anos em que uma nova geração de jovens liderou a coletividade, para acabar moldando os movimentos estudantis que surgiram em 2011, que se tornou a atual Frente Ampla, que conseguiu eleger novamente parlamentares humanistas.

Mas para além da recontagem histórica – que não beirava a nostalgia, mas se desdobrava num tom festivo – houve também intervenções como a da atriz Paulina Hunt ou de vários músicos e cantores-compositores, que juntamente com os jovens animadores ficaram impressionados com o carinho com que o público prestava homenagem ao líder nacional do Sindicato Nacional dos Professores, Mario Aguilar.

O evento, realizado no Cine Arte Alameda e assistido por cerca de 400 pessoas, incluindo convidados das mais diversas coletividades políticas e organizações sociais, terminou com um discurso da atual presidente do PH, Catalina Valenzuela, que destacou a importância política do trabalho realizado a partir da base social, nas raízes, dos territórios e com as pessoas, para transformar as condições opressivas do sistema atual. “Os humanistas consideram que a verdadeira ação política não é aquela que se desenvolve nas instituições do Estado, mas aquela que se desdobra a partir da base social. Uma das visões fundadoras do Novo Humanismo é posta em jogo ali”, disse e concluiu, referindo-se a Mario Aguilar: “merece uma homenagem por seu respeito – irrestrito – à vontade das bases e por sua genuína convicção sobre o valor da democracia real, onde reside sua maior força”.

Categorias: Ámérica do Sul, Humanismo e Espiritualidade
Tags: , ,

Boletim diário

Digite seu endereço de e-mail para assinar o nosso serviço de notícias diárias.

Documentário 'RBUI, o nosso direito de viver'

O Princípio do fim das armas nucleares

2a Marcha Mundial da Paz e da Não-violência

Milagro Sala

Canale youtube

International Campaign to Abolish Nuclear Weapons

International Campaign to Abolish Nuclear Weapons

Arquivo

Except where otherwise note, content on this site is licensed under a Creative Commons Attribution 4.0 International license.