A Essência da Não-violência

05.05.2018 - Redação São Paulo

This post is also available in: Espanhol, Italiano

A Essência da Não-violência

por Diego Chaves

Para explicar a não-violência podemos utilizar a metáfora do rádio-comunicador. Há dois aparelhos, o “Eu” e o “Outro” e para estabelecermos uma ligação entre eles são necessárias uma série de condições técnicas, tais como uma distância compatível com o alcance dos aparelhos, a ausência de obstáculos que obstruam o sinal, etc. Porém, além destes tipos de requisitos é necessário também que um dos lados abra o canal para escutar o que o outro tem a dizer.

Podemos então dizer que há dois componentes: as “condições técnicas” podem ser entendidas como os recursos ou as estratégias; e “abrir o canal” é a capacidade do “Eu” se abrir para o “Outro”.

E é necessário haver uma sincronia entre estes dois componentes para que a conexão ocorra satisfatoriamente.

Se focarmos demais nas condições técnicas, podemos perder de vista a dimensão de que a abertura ao Outro é a condição essencial que organiza esta comunicação, e o contrário é também ruim, se abrimos o canal, mas não garantimos estratégias e recursos para que a conexão se estabeleça, nunca sairemos do campo das boas intenções.

As estratégias e recursos variarão muito de contexto para contexto, porém, esta abertura ao outro é uma constante e ao longo da história já foi chamada de muitas maneiras.

O Novo Humanismo, sistema de pensamento não-violento criado pelo pensador argentino Silo, nomeou tal atitude como a disposição para “ver o humano no outro”.

Já a “Firmeza Permanente”, corrente católica não-violenta ligada à Igreja Popular e que floresceu entre as décadas de 1960–1980, chamava esta abertura de “graça”, ou em outras palavras, uma disposição para compartilhar.

A Comunicação Não-Violenta, forjada no encontro da psicologia de Rogers com as lutas pelos direitos civis nos EUA, utiliza por sua vez o conceito de “empatia”.

Para entender o significado deste conceito é preciso observar que um dos grandes dramas humanos é que estamos cientes apenas de nossos próprios pensamentos e por mais que amemos alguém, ainda sim aquela outra pessoa é como um outro mundo diferente do nosso.

Entre os humanistas se diz que tolo é aquele que tem um coração verdadeiro, mas uma cabeça falsa. Já o hipócrita é muito diferente, é alguém que tem a cabeça verdadeira, mas o coração falso.

E o que torna um coração falso?

Entre os novo humanistas bom (ou verdadeiro) é aquilo que une as pessoas, mau (ou falso) é aquilo que as separa.

Logo, um coração falso é aquele que está fechado em si mesmo, sem empatia, sem o estado de graça, sem perceber o humano no outro.

Entre os católicos um bom exemplo de coração falso é Jonas, o profeta, que de tão bem conhecer a lei não conseguia abrir seu coração para a importância de dizer aos Assírios que Nínive poderia ser salva. Pela contradição entre estes dois desígnios acabou isolado, fechado no ventre de um grande peixe.

Desta maneira, para ser não-violência não basta a lei ou o conhecimento(as condições técnicas), é importante ter o “bom conhecimento”, ou seja, um conhecimento investido de um compromisso ético com a não-violência, ou seja, um conhecimento ou uma lei preocupada com esta conexão entre as pessoas.

Vejam o caso da CIA que utilizou metodologias pretensamente não-violentas para derrubar governos não alinhados com Washington.

Em outras palavras, até mesmo a não-violência ou a lei sagrada no caso de Jonas, perdem sua essência e se tornam hipócritas se o seu compromisso ético com o Outro se tornar algo secundário.
————————-
Texto por Diego Chaves

Categorias: Não violência, Opinião
Tags: , ,

Boletim diário

Indique o seu e-mail para subscrever o nosso serviço diário de notícias.


Milagro Sala

Canale youtube

International Campaign to Abolish Nuclear Weapons

International Campaign to Abolish Nuclear Weapons

Arquivo

Except where otherwise note, content on this site is licensed under a Creative Commons Attribution 4.0 International license.