Voluntários dão aulas de português e de inglês para refugiados em São Paulo

21.07.2017 - Redação São Paulo

Voluntários dão aulas de português e de inglês para refugiados em São Paulo

Em tempos de forte xenofobia ao redor do mundo, iniciativas promovem uma relação diferente para com os imigrantes, ajudando a construir um mundo mais justo e sem discriminação. Neste artigo exploraremos duas ações afirmativas auxiliam imigrantes e refugiados em São Paulo, uma cidade multicultural que recebe pessoas de todo o globo.

Equipe de Base Warmis Convergência das Culturas

 

A Warmis  tem iniciativas para mulheres refugiadas e imigrantes. Desenvolve projetos como o da saúde de mulher migrante latino americano em São Paulo – que tem parceria com: Grupo La  Mare, Colectivo Feminista e Obstetrizes em Rede. Conforme está testificado em seu site elas se afirmam como mulheres voluntárias, e que querem transformar sua realidade e melhorar as condições nas quais vivem, desenvolvendo e promovendo atividades para as suas comunidades.

A organização faz parte do Organismo Internacional Convergência das Culturas, e tem como missão incentivar o diálogo entre os povos de diversas culturas e costumes. A iniciativa voltada para mulheres imigrantes desenvolve aulas de inglês para mulheres imigrantes e refugiadas. O formulário para a inscrição pode ser acessado a partir deste link. 

Há também o Lakitas Warmis que desenvolve atividades culturais que tem o objetivo de visibilizar as produções culturais tradicionais.

Ensaio de hoje no @centroculturalsp

Uma publicação compartilhada por Warmis Convergência d Culturas (@warmisimigrantes) em

Mafalda Meraki – Educação, Cultura e Cidadania

 

Nascido em 2011, o Cursinho Popular Mafalda desenvolve cursos para diversos estratos da população. A iniciativa é construída a partir do trabalho de voluntários de diversas áreas. O nome remete a personagem de Quino, que foi criada em 1963. Uma jovem inquieta e que sempre estava disposta a fazer questionamentos que abalavam o status quo.  No momento em que esse artigo é escrito, o cursinho conta com unidades na cidade de São Paulo.

O seu carro chefe é o curso pré-universitário nele, centenas de jovens de baixa renda puderam ter acesso a conhecimento imprescindível para a construção do sonho de ser universitário. Em todos os seus anos de funcionamento, o cursinho coleciona casos de vestibulandos que conseguiram adentrar em uma universidade.

Mediante parceria com a Caritas Arquidiocesana de São Paulo e o Alto Comissariado das Nações Unidas para Refugiados – ACNUR/NU, no ano de 2014 começou a ser ofertado um curso de português para refugiados.

Neste curso, organizado e feito por voluntários, as aulas são ministradas para pessoas que por algum motivo tiveram que se deslocar de sua terra natal.

Hoje o Pressenza Brasil vai entrevistar um dos coordenadores desta iniciativa. Leandro Almeida Lima, 25, coordenador do curso de português para refugiados e imigrantes do Curso Mafalda.

Em que contexto surge o curso de português básico para refugiados ?

O Curso Mafalda, que já oferecia aulas de idiomas e de preparação pré-vestibular anteriormente, começou a oferecer aulas de português para refugiados e solicitantes de refúgio no segundo semestre de 2014. O projeto surgiu em um contexto de crescente fluxo de refugiados das mais variadas nacionalidades em direção ao Brasil. A grande maioria nunca havia tido contato com a língua portuguesa antes de chegar ao país, o que torna a barreira linguística um obstáculo significativo para a integração destas pessoas.  Havia, e ainda há, portanto, uma demanda por iniciativas lidando com o ensino de português a refugiados e solicitantes de refúgio. O sistema brasileiro de refúgio está aquém dos desafios atualmente colocados e a tentativa de oferecer acolhimento adequado se baseia largamente na proatividade da sociedade civil, a exemplo do nosso projeto.

Quantos voluntários estão trabalhando atualmente no projeto?

Atualmente, temos cerca de 12 voluntários dedicados ao projeto com refugiados e solicitantes de refúgio.

Qual é a importância do projeto para os refugiados?

O ensino da língua portuguesa é de suma importância para que os refugiados e solicitantes de refúgio possam se integrar à sociedade brasileira. A língua pode ser uma grande barreira na adaptação ao país e na busca por trabalho, por exemplo. Procuramos ao longo do curso melhorar a capacidade de comunicação dos alunos em situações cotidianas e profissionais, além de demandas específicas como a elaboração de currículos. Também abordamos temas relacionados à saúde, educação e direitos humanos. E isto não pode ser deixado de lado porque a dificuldade com a língua se sobrepõe a uma série de outros obstáculos, como o racismo. Ensinar o português é uma forma de empoderá-los em diversos sentidos.

O que é preciso fazer para poder atuar como educador de português básico para refugiados?

O mais importante é o comprometimento com o projeto e a causa, afinal um trabalho voluntário ainda é trabalho e deve ser levado com seriedade. Em termos de formação, não há um perfil fechado para se tornar educador. Nossa equipe é bastante diversificada, nem todos possuíam experiência em ensino antes de integrar o projeto e as formações acadêmicas também são variadas. Ajuda sempre é bem-vinda e cada pessoa, nas suas particularidades, tem algo a contribuir.

Leandro, tem algo que você gostaria de falar?

Além da equipe de educadores para os adultos, contamos desde o ano passado com voluntários dedicados a lidar com o público infantil: os filhos de nossos alunos. Às vezes famílias inteiras comparecem às aulas e por isso vimos a necessidade de pensar estratégias lúdicas de ensino para as crianças. As atividades ocorrem enquanto os familiares têm as aulas de português em outras salas, o que é uma forma de melhorar o aproveitamento tanto de adultos quanto de crianças.

Nosso projeto também investiu na produção de um material didático particularmente voltado a refugiados e imigrantes. O livro é intitulado “Pode Entrar” e foi resultado de uma parceria do Curso Mafalda com o Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados (ACNUR) e a Caritas Arquidiocesana de São Paulo. Lançamos o material no final de 2015, que tem sido um suporte importante para as aulas. Está livremente disponível a quem precisar no site do ACNUR:

* Fim da entrevista

Aqui temos o mapa da unidade do Carrão do Mafalda

 

Categorias: Ámérica do Sul, Direitos Humanos
Tags:

Boletim diário

Digite seu endereço de e-mail para assinar o nosso serviço de notícias diárias.

O Princípio do fim das armas nucleares

2a Marcha Mundial da Paz e da Não-violência

Documentário 'RBUI, o nosso direito de viver'

Milagro Sala

Canale youtube

International Campaign to Abolish Nuclear Weapons

International Campaign to Abolish Nuclear Weapons

Arquivo

Except where otherwise note, content on this site is licensed under a Creative Commons Attribution 4.0 International license.