Propósito na vida protege da decadência cognitiva

08.03.2016 - Silvia Swinden

This post is also available in: Inglês, Espanhol, Francês, Alemão, Grego

Propósito na vida protege da decadência cognitiva

Um estudo publicado no “Archives of General Psychiatry”, em 2012 acaba de ser amplamente divulgado. Seu título:

“Efeitos do propósito na vida (PIL[sigla em inglês]) sobre a relação entre a doença de Alzheimer e alterações patológicas na função cognitiva em idade avançada”

O estudo define o propósito na vida como “a tendência para extrair significado de experiências da vida e possuir um sentido de intencionalidade e direcionamento objetivo que orienta o comportamento.” Ambas as medidas clínicas e exames “post mortem” foram realizados. O estudo concluiu que as pessoas com “níveis mais elevados de propósito na vida apresentaram melhor função cognitiva, apesar do peso da doença de Alzheimer”. Além disso, houve evidência significativa que demonstrava que o efeito do propósito na vida reduziu o efeito das alterações patológicas no declínio cognitivo da doença. O estudo pode ser lido no site do NCBI.

Outro estudo publicado em junho de 2015 (1), através da Cerebrum e relatado pela Associação Britânica de Neurociência refere-se novamente a pesquisa sobre Propósito na vida.

O estudo cita Friedrich Nietzsche: “Aquele que tem um porquê para viver pode suportar quase tudo” e se refere ao trabalho de Viktor Frankl: “A pesquisa atual revela correlações interessantes entre PIL e os resultados positivos para a saúde em uma infinidade de sistemas do corpo. Na década de 1940 Viktor Frankl introduziu o PIL na psiquiatria. Que Frankl tenha sido capaz de compartilhar sua teoria não é nada menos que um milagre. Ele era um médico judeu treinado tanto em psiquiatria quanto em neurologia que trabalhava na Áustria, quando ela foi ocupada pela Alemanha nazista. Ele sobreviveu a três anos brutais em vários campos de concentração, entre eles Auschwitz. Ele escreve sobre suas experiências em sua “magnum opus”, “A Man ’ s Search for Meaning” (Um Homem buscando sentido), onde também resume a “logoterapia”, um conjunto de ideias que o mantiveram durante o Holocausto e coroaram a sua carreira profissional. Como Frankl escreve: “A principal preocupação do homem não é a de obter prazer ou evitar a dor, mas sim ver um significado na sua vida. É por isso que o homem está mesmo disposto a sofrer, com a condição, para se certificar, de que seu sofrimento tem sentido”. Frankl enfatiza que este significado é individual, em vez de geral – as pessoas têm de determinar por si mesmas a sua missão na vida. Em comparação com outras doutrinas psicológicas que se concentram em olhar para o passado e focar o impacto de eventos passados, ou internamente através da introspecção, a logoterapia olha para o futuro e foca a vontade de uma pessoa de fazer algo significativo com ele…

… “Novo trabalho de Patricia Boyle e seus colegas do Centro de Doenças Rush Alzheimer sugere que PIL pode ser neuroprotetor (preserva o cérebro). Depois de seguir mais de nove centenas de pessoas mais velhas com risco de demência há sete anos, eles descobriram que aqueles com um alto PIL tinham apenas metade da probabilidade de desenvolver a doença de Alzheimer do que aqueles com um PIL baixo, mesmo após a análise de dados demográficos, sintomas depressivos, vulnerabilidades de personalidade, tamanho da rede social, e número de condições médicas crônicas. Aqueles que estudavam tinham também 30 por cento menos probabilidade de desenvolver transtornos cognitivos leves, uma condição caracterizada por déficits cognitivos menores que poderiam (mas nem sempre) progredir para a doença de Alzheimer.

“O grupo de Boyle explorou ainda a relação entre PIL e mudança cognitiva ao longo do tempo. Para pessoas sem a doença de Alzheimer, um alto senso de propósito foi associado a taxas mais lentas de declínio cognitivo relacionado com a idade. “

A Science Daily relata também uma contribuição para esta questão, desta vez sobre os efeitos cardioprotetores de se ter propósito na vida.

“Ter um alto senso de propósito na vida pode reduzir seu risco de doença cardíaca e acidente vascular cerebral de acordo com um novo estudo conduzido por pesquisadores da Mount Sinai de São Lucas e Mount Sinai Roosevelt e apresentado em 6 de Março no ‘American Heart Association EPI’/ Estilo de vida -Sessões Científicas de 2015 -, em Baltimore”.

Os valores desumanizados materialistas do atual sistema econômico apresenta um único propósito ou sentido: o dinheiro. Mas mais pesquisas estão mostrando que o sentido não é apenas uma questão filosófica ou espiritual, é muito mais uma questão de saúde física e mental e não pode ser varrida para debaixo do tapete.

 

Categorias: Ciência e Tecnologia, Internacional, Opinião, Saúde
Tags: ,

Boletim diário

Indique o seu e-mail para subscrever o nosso serviço diário de notícias.


Greve Internacional Feminista

Milagro Sala

Canale youtube

International Campaign to Abolish Nuclear Weapons

International Campaign to Abolish Nuclear Weapons

Arquivo

Except where otherwise note, content on this site is licensed under a Creative Commons Attribution 4.0 International license.