Aliança Bolivariana critica saída da Argentina da rede de TV multiestatal Telesul

31.03.2016 - Redação São Paulo

Aliança Bolivariana critica saída da Argentina da rede de TV multiestatal Telesul

O ministro de Meios e Conteúdos Públicos e o secretário de Comunicação Pública anunciaram a intenção de encerrar a sociedade com a rede multiestatal e retirar o sinal da Telesul do sistema de Televisão Digital Aberta da Argentina

Da Adital – Por Tatiana Félix | 30/03/2016A

Articulação Continental dos Movimentos Sociais para a Aliança Bolivariana dos Povos de Nossa América (Alba Movimentos) classificou como “forte atentado contra a unidade latino-americana” a decisão do governo da Argentina de desvincular o país da cadeia de TV multiestatal Telesul.

No último domingo (27), o ministro de Meios e Conteúdos Públicos, Hernán Lombardi, e o secretário de Comunicação Pública, Jorge Grecco, anunciaram a intenção de encerrar a sociedade com a rede multiestatal e retirar o sinal da Telesul do sistema de Televisão Digital Aberta (TDA) da Argentina.

Com a decisão, também não será mais obrigatória a inclusão do sinal da TeleSul nas grades das operadoras de tv a cabo do país. “Nosso país não tinha nenhuma ingerência nos conteúdos do sinal nem em seu gerenciamento. Esta determinação se alinha com o que propomos para os meios públicos em termos de pluralismo e austeridade”, justificou o ministro Lombardi.

No entanto, para a Alba Movimentos, a ação do governo de Maurício Macri “é uma clara violação à liberdade de expressão”, uma vez que privará a população de receber informação alternativa difundida pela Telesul. Em comunicado, a Articulação também critica a anulação da Lei de Serviços Audiovisuais, que proibia a concentração monopólica dos meios de comunicação de massa e garantia a pluralidade de vozes.

“A partir da Alba Movimentos estamos em alerta diante dessa avanço comunicacional dos governos direitistas para censurar as vozes do campo popular e repudiamos o anúncio do governo argentino de sair da Telesul, como um ato que atenta contra a pluralidade de vozes na Argentina e no continente”, expressa em comunicado.

A TeleSul, por sua vez, acredita que a iniciativa do governo é mais uma forma de censura, após vários programas de televisão terem sidos censurados por fazerem críticas à gestão de Macri. De acordo com a TeleSul, o ministro Lombardi nega as acusações e alega que a decisão se trata apenas de “razões práticas” e “risco econômico”.

Citando o artigo 13 da Convenção Americana sobre Direitos Humanos, a Alba Movimentos ressalta que a liberdade de pensamento e de expressão inclui não apenas o direito de se expressar, mas também o de receber informações por quaisquer vias e sem restrição de fronteiras. “Tirar a Telesul da grade da TDA é uma violação a esse direito para os argentinos em particular e para os latino-americanos em geral, já que, graças à Telesul, se puderam difundir as lutas sociais e as consequências das políticas de ajuste que sofre o povo argentino, como as políticas intervencionistas do imperialismo, em todo o continente”, explica.

Segundo a Alba Movimentos, a decisão do governo argentino, feita às vésperas da visita do presidente estadunidense, Barack Obama, demonstra o apoio e o alinhamento político dos dois países e faz parte de uma “estratégia continental que busca isolar os processos de mudança no continente, como também a invisibilização dos movimentos populares que enfrentam as políticas neoliberais e antipopulares”.

O Prêmio Nobel da Paz e membro do Conselho Assessor da Telesul, Adolfo Perez Esquivel, em entrevista a jornalistas argentinos acerca da atitude do governo argentino, assinala que a decisão do governo de Macri de sair da Telesul é uma decisão política. E diz que “a Telesul é o único canal latino-americano com transcendência”, e que isto é “uma censura aberta a vários países latino-americanos que integram a Telesul”.

E a respeito da postura de Macri, Esquivel assegura que “não tem se caracterizado pela defesa dos direitos humanos” e, quando os evoca é para atacar a Venezuela; e essa decisão fecha as portas a um país irmão e aumenta a pressão que vem sendo exercida sobre esse país e sobre outros na América Latina, com uma visão diferente à dos EUA.

TeleSul

Com o lema “Nosso norte é o sul”, o canal La Nueva Televisión del Sur C.A – TeleSur [A Nova Televisão do Sul C.A. – Telesul] – foi criado em 2005 pelo então presidente da Venezuela, Hugo Chávez, para ser um meio de visibilidade dos movimentos sociais da América Latina. A rede é integrada pelos Governos da Venezuela, Cuba, Bolívia, Nicarágua, Uruguai, além da Argentina, que participava com 16% das ações. Após os cinco primeiros anos do convênio, a renovação seria automática, até que uma das partes declarasse a intenção de se desvincular.

Leia na íntegra a nota da Alba Movimentos:

#MacriContraTeleSUR #LosPueblosConTeleSUR

O nosso Norte seguirá sendo o Sul, defendemos a liberdade de expressão e a integração da América Latina

O governo “Ceocrático” de Mauricio Macri fez público, através do jornal La Nación, que o Estado argentino já não vai integrar a sociedade proprietária da TeleSUR. Isso implica que a agência e emissora de televisão multiestatal, deixaria de ser emitida na plataforma estatal de Televisão Digital Aberta (que chega a mais de 80% da população argentina), e também de ser inclusão obrigatória nas grades de programação de todas as operadoras do país.

Entendemos que a medida é uma evidente violação à liberdade de expressão, pois privará os argentinos e as argentinas de receber informação alternativa que promovem e difundem os meios hegemônicos neste país, totalmente alinhados com as políticas antipopulares e neoliberais do governo do PRO, que, em pouco mais de cem dias de gestão, têm avançado contra a Lei de Serviços de Comunicação Audiovisuais, que garante uma base de pluralidade de vozes e proibia a concentração monopolista dos meios massivos de comunicação; com dezenas de jornalistas críticos demitidos; com a censura de programas radiofônicos e televisivos não alinhados com o governo; e a perseguição de emissoras que não estão de acordo com o C5N e CN23.

No artigo 13 da convenção Americana de Direitos Humanos, se define que a liberdade de pensamento e de expressão compreende a “liberdade de procurar, receber e difundir informações e ideias de qualquer natureza, sem considerar fronteiras, verbalmente ou por escrito, ou em forma impressa ou artística, ou por qualquer meio de sua escolha”. Tirar a TeleSUR da grade da TDA é uma violação a esses direitos para o povo argentino, em particular, e latino-americano, em geral, já que graças à TeleSUR pode-se difundir as lutas sociais e as consequências das políticas de ajuste que sofre o povo argentino, e com as políticas de ingerência do imperialismo em todo o continente.

Não é casualidade que esse anúncio se faça a poucos dias da visita do presidente norte-americano Barak Obama à Argentina, em apoio ao governo macrista, que está se colocando na ponta de lança do avanço imperialista na região. Por isso, tirar a TeleSUR das plataformas estatais e privadas não é só uma política isolada do governo argentino, se não que é parte de uma estratégia continental que procura segregar os processos de mudança no continente, assim como, invisibilizar os movimentos populares que enfrentam as políticas neoliberais e antipopulares.

Por sua vez, é um forte atentado contra a unidade da América Latina, a partir de uma perspectiva popular e independente das grandes potencias hegemônicas, que durante décadas têm difundido sua visão dos acontecimentos através de seus aparelhos comunicacionais que legitimam e defendem a ordem neoliberal e tornam dependentes os povos latino-americanos. Por isso, o avanço contra a TeleSUR é um avanço contra a “Pátria Grande Nuestroamericana”, e à dignidade dos povos que novamente nos começamos a levantar com a recuperação da nossa história e da nossa identidade comum.

Desde a Articulação Continental ALBA Movimentos, estamos em alerta ante esta contraofensiva comunicacional dos governos de direita para censurar as vozes do campo popular, e repudiamos o anúncio do governo argentino de sair da TeleSUR, que sinaliza um ato que atenta contra a pluralidade de vozes na Argentina e no continente.

Fazemos um chamado a todos os movimentos populares da nossa América e do mundo, a todos os setores políticos antineoliberais e democráticos, aos sindicatos, intelectuais, jornalistas e profissionais da comunicação, a acompanhar esta luta na defesa da expressão dos povos e o reflexo das suas lutas.

O nosso Norte continuará sendo o Sul!
Sem TeleSUR não há liberdade de expressão!

*Para assinar a declaração, escreva ao email: comunicación@albamovimientos.org.br

Fonte: Brasil de Fato

Categorias: Ámérica do Sul, Cultura e Mídia, Internacional
Tags: , , ,

Boletim diário

Digite seu endereço de e-mail para assinar o nosso serviço de notícias diárias.

O Princípio do fim das armas nucleares

2a Marcha Mundial da Paz e da Não-violência

Documentário 'RBUI, o nosso direito de viver'

Milagro Sala

Canale youtube

International Campaign to Abolish Nuclear Weapons

International Campaign to Abolish Nuclear Weapons

Arquivo

Except where otherwise note, content on this site is licensed under a Creative Commons Attribution 4.0 International license.