Geração desperta não deixa o governador dormir em São Paulo

03.12.2015 - Redação São Paulo

This post is also available in: Espanhol, Italiano

Geração  desperta não deixa o governador dormir em São Paulo

Por María Eugenia Pirolo y Adriana Pucci.

 

No curto intervalo de 4 semanas já são mais de 200 escolas ocupadas pelos alunos de colégios estaduais de São Paulo, no Brasil. As ocupações começaram  9 de novembro e até o dia de hoje, o número cresce exponencialmente. Esta ocupação se deve ao possível fechamento de 92 escolas no Estado de São Paulo ditado pelo atual governador, Geraldo Alckmin (do PSDB), devido a uma suposta re- estruturação de ciclos letivos onde serão movidos milhares de alunos a estabelecimentos pré-existentes, fechando assim as escolas.

Veja aqui vídeo debate sobre Escolas Ocupadas

As escolas estão sendo tomadas por alunos de13 a 18 anos com o lema “não fechem minha escola” de maneira pacífica, horizontal y autogestiva. Desde a primeira toma a ferramenta de organização tem sido a assembleia e estão dividindo as tarefas dentro das escolas por comissões.

Assim, cada aluno colabora através de uma função: pode ser de comunicação, limpeza, atividades, segurança, cozinha, etc. Criaram uma página no Facebook “não fechem minha escola” onde se comunicam, se ajudam, se organizam e difundem o que vai acontecendo entre as escolas ocupadas de cada bairro.

escolas-ocupadas-sao-paulo-brasil-cartaz-solidariedade

Observa-se nas ocupações uma grande solidariedade e confiança entre os alunos por esse objetivo comum, assim como  uma grande calma e firmeza com a qual esta geração decidiu se responsabilizar por sua história. Em sua grande maioria os professores, pais e a comunidade apoiou desde o primeiro dia aos alunos levando comida e cuidando da segurança, entre outras coisas. Também este apoio se observa no acompanhamento e respeito às decisões dos alunos por grande parte da comunidade educativa. Este respaldo se observou também nas redes sociais quando começou a circular um formulário com a proposta de dar oficinas e aulas de distintos temas nas escolas ocupadas e, em menos de 8 horas, foram computadas mais de 1.200 ofertas de atividades voluntárias e gratuitas.

Os estudantes estão enfrentando muitas dificuldades por parte do governo através de coação, da força policial e de setores da própria escola como diretores e alguns professores. Os meios de comunicação afins ao governo de Alckimin no início não davam visibilidade ao conflito, e ao notar a força desse movimento, começaram a informar a população de forma tendenciosa contra as ocupações. Isto se vê nos grandes meios de comunicação, mas a pesar de todos estes esforços de denegrir as ocupações, não conseguiram colocar a opinião pública contra.

escolas-ocupadas-sao-paulo-brasil-acampamento

Também as ocupações tiveram um grande apoio por parte da maioria da população, não somente por parte dos jovens, pais e professores, senão também, por parte dos movimentos sociais e instituições governamentais. Prova disso, foi a decisão unânime de cinco juízes do Tribunal de Justiça de São Paulo (TJ-SP) os quais rechaçaram o pedido requerido pelo governo de reintegração de posse das escolas ocupadas e determinaram, no dia 23 de novembro, que se podia manter todas as ocupações por parte dos alunos, pais e professores.


escolas-ocupadas-sao-paulo-brasil-cartaz-qualidade

A tendência deste movimento por seu permanente crescimento é de seguir inspirando novas ocupações. Tudo isto, sem dúvida, gera muitos problemas para o governo e a secretaria de educação que não estão acostumados a dialogar com a comunidade educativa.

Independentemente dos resultados a existência destes movimentos y estas ocupações são de suma importância e está deixando nesses estudantes uma experiência inesquecível que, sem dúvidas transformará o lugar dos jovens na sociedade brasileira de hoje.

 

Categorias: Ámérica do Sul, Direitos Humanos, Diversidade, Educação, Não violência, Opinião
Tags: , , , ,

Boletim diário

Indique o seu e-mail para subscrever o nosso serviço diário de notícias.


Milagro Sala

Canale youtube

International Campaign to Abolish Nuclear Weapons

International Campaign to Abolish Nuclear Weapons

Arquivo

Except where otherwise note, content on this site is licensed under a Creative Commons Attribution 4.0 International license.