Que a Força esteja com você: a Força da Não-Violência

02.10.2015 - Tony Robinson

Que a Força esteja com você: a Força da Não-Violência

Dia 2 de outubro, marca o aniversário de Gandhi e em consequência de sugestão da Índia na ONU, também marca o dia internacional da não violência.

É uma acusação terrível para sociedade global termos a necessidade de ter um dia especial para marcar tal atitude supremamente moral e comportamental. Este conceito de não–violência não é novo, suas raízes remontam ao conceito de ahimsa que significa “não machucar, não causar dano” e “compaixão”, que é um princípio central de religiões como o jainismo, hinduísmo e budismo e Gandhi foi um grande fã.

Mas não-violência como um conceito não só existe como a dogma central dessas três religiões. Pode ser encontrada em todas as grandes religiões do mundo e no pensamento laico.

Não ferir os outros com o que fere a si mesmo – o Buda

Esta é a soma do dever: Não fazer aos outros o que te causaria dor se feito para você – Mahabharata, XIII:114

Faz aos outros o que gostaria que fizessem para você – Matthew 7 v.12

Ninguém de vocês é um verdadeiro crente até que ele deseja para seu irmão, o que ele deseja para si mesmo – Profeta Muhammad

O que é odioso para você, não faça ao seu companheiro. Ou seja esta é a lei: todo o resto é comentário – Talmude, Shabbat 31a

Na felicidade e no sofrimento, na alegria e na tristeza, devemos considerar todas as criaturas como consideramos à nós próprios – Mahavira

Não crie inimizade com ninguém visto que Deus está dentro de todos – Guru Granth Sahib

Bendito é aquele que prefere seu irmão antes de si mesmo. – Baha’u’llah, tablets of baha’u’llah, 71

Quando você trata os outros como você gostaria de ser tratado, você se libera – Silo

Se nós resumirmos todas estas belas expressões da não-violência em uma frase, diríamos “Trate os outros da maneira que você gostaria de ser tratado.” Isso também é conhecido como a regra de ouro, sendo que existem centenas de variações ao longo da história humana.

No entanto, a fim de entender o que é a não-violência, nós também temos que entender o que é a violência. E para entender estes conceitos, que temos que compreender que os dois podem ser experienciados pelos seres humanos, se a violência ou a não-violência é dada ou recebida. Esta experiência é registrada por seres humanos e este registo que podemos definir como “a experiência da sensação produzida por estímulos detectados pelos sentidos internos ou externos, incluindo as memórias e imaginação.”

Isto pode parecer muito teórico e alguns leitores vão já ter parado a leitura por este ponto, mas é crucial porque sem esse entendimento de “registos” não é possível uma definição precisa de violência. Violência, em última análise, é o que cria dor e sofrimento em seres humanos. Dor e sofrimento é registrado pelo organismo e, portanto, esses registros indicam um estado de violência.

O escritor argentino e guia espiritual, a inspiração por trás da Pressenza, Silo entendeu isso claramente e foi capaz de explicar:

Quando as pessoas falam de violência, geralmente o que eles querem dizer é violência física, a expressão mais evidente de agressão corporal. Outras formas de violência, dentre outras, tais como violência econômica, racial, religiosa e sexual, às vezes podem ocorrer enquanto quem as promove está oculto e, mesmo assim, resultam na submersão ou escravidão da intenção humana e da liberdade. Em casos onde estas formas de violência são exercidas abertamente, também às vezes em seguida são aplicados através de coerção física. Todas as formas de violência têm discriminação como um correlato. [1]

Ele também escreveu:

Denunciamos a violência como o problema fundamental do momento presente. Todos os conflitos individuais e sociais decorrem de uma situação de violência.

Distinguimos entre numerosas formas de violência e não apenas referimo-nos à sua manifestação mais evidente, a violência física, o que encontramos em guerras, tortura, terrorismo, assassinatos, agressões e castigos físicos. Há também a violência econômica conhecida como exploração. Há a violência racial, conhecida como discriminação e segregação. Há também a violência religiosa, conhecida como fanatismo ou intolerância.

E há também uma violência psicológica que começa no seio da família, ele continua a ser encontrada na educação, e acaba colocando o jovem para dormir e o transforma em niilistas. Este, por sua vez, abre um abismo entre as gerações e este abismo ameaça a estabilidade do indivíduo e da sociedade.

Então não é de surpreender quando alguém responde com violência física, se foram sujeitados a desumanas pressões psicológicas ou as pressões de exploração, discriminação ou intolerância. E essa resposta deve surpreender-nos se somos parte interessada da injustiça (caso em que nossa “surpresa” é também uma mentira) ou porque só vemos os efeitos sem perceber as causas que determinam essa explosão. [2]

Assim, neste Dia Internacional da Não-Violência tome algum tempo para refletir sobre as fontes de dor e sofrimento em sua vida. Pense sobre elas, estude-as e procure uma maneira de mudá-las. Você não tem que mudar tudo de uma vez. Mude uma coisa de cada vez. Se funcionar, tome como um incentivo para mudar a próxima coisa. Descubra a causa a dor e o sofrimento, procure a raiz da melhor forma que puder e faça algo para mudar isso.

Para terminar, aqui está outra citação de Silo de seu livro “Humanizar a Terra”:

Aqui está a minha pergunta: Conforme a vida passa, é a felicidade ou o sofrimento que cresce dentro de você? Não peça que eu defina essas palavras; responda de acordo com o que você sente. . . Embora você possa ser sábio e poderoso, se a felicidade e a liberdade não crescem em você e naqueles que o rodeiam, vou rejeitar o seu exemplo. Aceite, pelo contrário, a minha proposta: Siga o modelo daquilo que nasce, não do que toma o caminho em direção à morte. Salto sobre o seu sofrimento, e não vai ser o abismo, mas a vida que crescerá dentro de você. [3]

A felicidade está indissoluvelmente ligada à prática da não-violência. Feliz Dia Internacional da Não-Violência. Que a Força da Não-Violência esteja com você!

[1] Dicionário do Novo Humanismo,

[2] Discurso escrito por Silo e dado em setembro de 1982

[3] Humanizar a Terra.

Traduzido por W.N.

Categorias: Ámérica do Sul, Humanismo e Espiritualidade, Não violência, Opinião
Tags: , , ,

Boletim diário

Digite seu endereço de e-mail para assinar o nosso serviço de notícias diárias.

 

O Princípio do fim das armas nucleares

Documentário 'RBUI, o nosso direito de viver'

Milagro Sala

Canale youtube

International Campaign to Abolish Nuclear Weapons

International Campaign to Abolish Nuclear Weapons

Arquivo

Except where otherwise note, content on this site is licensed under a Creative Commons Attribution 4.0 International license.