A importância do Banco dos BRICS

12.07.2015 - Paulo Genovese

A importância do Banco dos BRICS
(Crédito da Imagem: divulgação (pt.org.br))

É uma boa notícia. Na última Cúpula dos BRICS foi criado o NBD – Novo Banco de Desenvolvimento. O Banco vai contar com um recurso inicial de 50 bilhões de dólares somando os aportes dos cinco países. Terá sede em Xangai e será voltado ao desenvolvimento dos países membros e também poderá auxiliar países emergentes.

É uma boa notícia diante da crise econômica atual que tem direcionado os recursos para o sistema financeiro e reduzido o comércio mundial, reduzido o crescimento das economias nacionais. Com crescimento menor, os Estados têm menos recursos para investir. O novo Banco vai prover recursos para projetos dentro dos países, tomara que para benefício das maiorias e não dos 1%.

O surgimento de um banco com recursos públicos e que não seja controlado pela iniciativa privada é muito raro e difícil. O sistema financeiro é dominado pelos bancos privados que avançam com força total para liberar uma atuação sem regras pelo mundo para sugar cada vez mais os recursos de povos, Estados, empresas e pessoas. Obviamente que a eles não interessa nenhum tipo de concorrência, ou seja, não querem que hajam outros emprestando dinheiro. Eles falam de livre concorrência porém agem para reduzir a concorrência. Mas isto é outra história.

A importância deste Banco é, em primeiro lugar, o fortalecimento de um novo polo de poder além dos EUA e Europa que dominam o FMI e o Banco Mundial. O NBD vai concorrer com essas duas organizações fornecendo recursos para projetos dos Estados. É evidente que a influência e poder das duas organizações é muito superior ao NBD, mas é um fato novo que abre uma alternativa ao custo social do dinheiro.

Pelas declarações dos presidentes o NBD não vai cobrar o altíssimo custo social que o FMI e o Banco Mundial impõem aos países que recorrem aos seus cofres. O mesmo alto custo é imposto pelo Banco Central Europeu, levando países inteiros a uma verdadeira humilhação, sendo o caso da Grécia o mais atual. Para receber os recursos, o Estado grego seguiu a “receita do dinheiro emprestado”, cortando despesas, privatizando, reduzindo direitos e jogando a sociedade na pobreza e desemprego massivos. O mesmo acontece com diversos países dentro e fora da zona do euro.

Se o NBD não cobrar o mesmo custo social sua importância será decisiva para a vida de muitas pessoas.

Para o sistema financeiro internacional, no entanto, a criação de um banco de 50 bilhões de dólares, com este volume de recursos não muda nada. O sistema financeiro gira na casa dos trilhões de dólares todos os dias.

Por outro lado, na mesma Cúpula dos BRICS foi reforçada a intenção de ampliar o comércio entre os BRICS nas moedas nacionais, sem usar o dólar. Neste caso, pelo alto volume de recursos que o comércio movimenta, o impacto é muito maior. O dólar varia e as economias nacionais são bastante afetadas. Apesar disto, as flutuações do dólar não estão relacionadas ao comércio entre dois ou cinco países.

A supremacia da moeda dos EUA reflete o poder superior deste país.

Ainda é muito difícil imaginar um mundo “multi-polar” quando todos vivemos nossas vidas sob a enorme influência de uma superpotência, não somente econômica, mas especialmente militar. Porém, já são tantos impérios e civilizações inteiras que surgiram e caíram, numa sucessão implacável ao longo da história! Será que a humanidade vai se soltar destas amarras e passar a uma etapa onde o poder estará menos concentrado? E não só no aspecto financeiro, também nos outros.

Categorias: Africa, Ámérica do Sul, Asia, Assuntos internacionais, Economia, Europa, Internacional, Opinião
Tags: , , , , , ,

Boletim diário

Indique o seu e-mail para subscrever o nosso serviço diário de notícias.


Milagro Sala

Canale youtube

International Campaign to Abolish Nuclear Weapons

International Campaign to Abolish Nuclear Weapons

Arquivo

Except where otherwise note, content on this site is licensed under a Creative Commons Attribution 4.0 International license.