A mão suja da Chevron emerge no Equador

30.12.2013 - Prensa Latina

A mão suja da Chevron emerge no Equador
(Crédito da Imagem: Foto: Prensa Latina)

Quito (Prensa Latina) Diante da negativa da Chevron de se responsabilizar pela contaminação causada na Amazônia e seus ataques contra a justiça local, o Equador empreendeu em 2013 uma campanha de denúncia que ganhou o apoio de dezenas de países.

Segundo explicou o presidente Rafael Correa ao lançar a campanha A mão suja da Chevron em setembro, o Estado em geral mantém-se à margem dos julgamentos entre civis, mas a arremetida da multinacional estadunidense não lhe deixou outra opção a não ser se defender.

Meteram-se com o país errado, disse o mandatário, depois de apontar que para enfrentar as calúnia da companhia, o Equador conta com a arma mais poderosa do mundo: a verdade.

O caso remonta aos anos 90 do século passado, quando milhares de povoadores da Amazônia equatoriana demandaram à empresa Texaco, depois adquirida pela Chevron, pelos danos ambientais que causou nessa região do oriente do país entre 1964 e 1992.

Em 2011, um tribunal da província amazônica de Sucumbíos sentenciou a petroleira a pagar uma indenização de 9,5 bilhões de dólares a 30 mil atingidos, determinação que foi ratificada em novembro passado pela Corte Nacional de Justiça.

Mas a Chevron não só se nega a pagar a indenização, como pretende responsabilizar o Estado equatoriano pelo dano ambiental, e para isso entabulou uma demanda contra o governo do país andino ante um tribunal de arbitragem internacional com sede em Haia.

Também acusa aos demandantes de tentar extorquir a empresa, em um julgamento que tem lugar numa corte federal de Nova York, e que segundo os advogados defensores, está repleto de irregularidades e de abusos por parte da petroleira.

A MÃO SUJA DA CHEVRON

A campanha de denúncia do governo inclui visitas de personalidades internacionais às zonas onde operou a antiga Texaco, especificamente ao campo Aguarico 4, na província de Sucumbíos.

No lugar existe um pântano que foi utilizado pela petroleira para verter os dejetos, e que 30 anos depois da saída da petroleira do país, ainda ressuma breu e resíduos de petróleo, como o demonstrou o próprio Correa ao introduzir a mão no lodo pestilento.

Esta é a mão suja da Chevron, anunciou então o mandatário, e sua denúncia já foi comprovada pelo artista norte-americano Danny Glover, a prefeita da cidade californiana de Richmond, Gaile McLaughlin, e a também estadunidense e especialista em petróleo Antonia Juhasz.

A lista inclui ademais o cantor espanhol Luis Eduardo Aute, a ambientalista Alexandra Cousteau, neta do famoso oceanógrafo Jacques Cousteau, e dezenas de jornalistas e comunicadores de diferentes países.

Segundo Correa, na Amazônia equatoriana existem mais de mil piscinas cheias de petróleo como a de Aguarico 4, que nunca foram remediadas pela Chevron. O mandatário afirma ademais que a contaminação provocada pela multinacional estadunidense é 85 vezes superior à do derrame da British Petroleum no Golfo do México em 2010.

Segundo as autoridades equatorianas, durante os quase 30 anos que operou na Amazônia, a Texaco derramou 16,8 milhões de galões de petróleo no ecossistema, verteu outros 18,5 bilhões de galões de águas tóxicas nos solos e rios e queimou 235 bilhões de pés cúbicos de gás.

Categorias: Ámérica do Sul, Economia, Internacional
Tags: , , ,

Boletim diário

Digite seu endereço de e-mail para assinar o nosso serviço de notícias diárias.

Pesquisa

Informe Pressenza

Informe Pressenza

Caderno de cultura

Caderno de cultura

O Princípio do fim das armas nucleares

Documentário 'RBUI, o nosso direito de viver'

Canale YouTube

International Campaign to Abolish Nuclear Weapons

International Campaign to Abolish Nuclear Weapons

Arquivo

xpornplease pornjk porncuze porn800 porn600 tube300 tube100 watchfreepornsex

Except where otherwise note, content on this site is licensed under a Creative Commons Attribution 4.0 International license.

maltepe escort