FARC-EP e Governo colombiano concluem mais um ciclo do diálogo de paz

09.07.2013 - Prensa Latina

Havana, 9 jul (Prensa Latina) As Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia-Exército do Povo (FARC-EP) e o Governo desse país sul-americano concluem hoje mais um ciclo das conversas de paz, que têm como sede a capital cubana desde novembro do ano passado.

No dia 1 de julho, ambas as partes iniciaram o décimo primeiro capítulo das conversas, centradas no segundo ponto da agenda (participação política). O Diálogo tem Cuba e Noruega no papel de garantidores e Venezuela e Chile como acompanhantes.

Durante os dias recentes, a delegação da insurgência divulgou suas 11 propostas mínimas para a reestruturação democrática do Estado e a reforma política, como parte das discussões no tema atual do programa acordado.

No capitalino Palácio de Convenções, sede permanente das aproximações, a equipe da insurgência defendeu que essa reestruturação seja acompanhada da criação de um quarto poder, o Poder Popular.

Entre outros temas, figuraram também a reformulação dos mecanismos de participação cidadã e reforma aos processos de descentralização, reformulação da ordem jurídico-econômica e reconversão das Forças Militares e da Polícia Nacional.

Mencionaram outros tópicos como a reforma democrática à justiça; a eleição popular dos representantes dos organismos de controle e de outras instituições públicas; e a reforma política democrática e eleitoral.

As FARC-EP reiteraram também sua proposta de adiamento do calendário eleitoral e de convocação a uma Assembleia Constituinte, como vias para garantir o sucesso das conversas de paz com o Governo.

A administração recusou em reiteradas ocasiões a possibilidade de uma Constituinte e, por outro lado, referiu-se, no início deste ciclo que termina, que a participação das FARC-EP na política está condicionada a garantias de sua parte de que deixarão as armas.

O chefe da equipe governamental, Humberto de la Calle, indicou que se requerem também garantias por parte do Estado, para sua segurança uma vez que ingressem à vida civil e para que façam oposição dentro da legalidade.

A respeito, o membro da delegação insurgente Pablo Catatumbo assinalou, em junho, que a guerrilha está disposta a deixar as armas em caso de solução política ao conflito.

A agenda das conversas inclui, além da questão agrária (já discutida) e da participação política (em discussão), a atenção às vítimas, o problema do narcotráfico e o fim do conflito armado.

Categorias: Ámérica do Sul, Assuntos internacionais
Tags: , ,

Boletim diário

Digite seu endereço de e-mail para assinar o nosso serviço de notícias diárias.

O Princípio do fim das armas nucleares

2a Marcha Mundial da Paz e da Não-violência

Documentário 'RBUI, o nosso direito de viver'

Milagro Sala

Canale youtube

International Campaign to Abolish Nuclear Weapons

International Campaign to Abolish Nuclear Weapons

Arquivo

Except where otherwise note, content on this site is licensed under a Creative Commons Attribution 4.0 International license.