Gasto militar da União Europeia é o “elefante na sala” e fator chave na crise da dívida, segundo novo relatório

29.04.2013 - Pressenza IPA

This post is also available in: Inglês

Gasto militar da União Europeia é o “elefante na sala” e fator chave na crise da dívida, segundo novo relatório
(Crédito da Imagem: )

Em um período de cortes pesados em serviços sociais, é moralmente injustificável gastar com armas o dinheiro que deveria ser investido em criação de empregos e combate à pobreza.

Altos níveis de gastos militares europeus desempenharam um papel chave no desenrolar da crise de gastos europeia e continuam a minar esforços para resolvê-la, alega um novo relatório feito pelo Transnational Institute e pela Campanha Holandesa contra o Comércio de Armas (Dutch Campaign against Arms Trade).

O relatório “Armas, Dívida e Corrupção: Gasto militar e a crise europeia” (“Guns, Debt and Corruption: Military spending and the EU crisis”, sem tradução para o português) demonstra como os orçamentos militares pela Europa tem sido amplamente protegidos, em um tempo de severos cortes sociais. O gasto militar da União Europeia totalizou 194 bilhões de euros em 2010, o equivalente ao déficit anual combinado de Grécia, Itália e Espanha. Os últimos dados divulgados hoje pelo Stockholm International Peace Research Institute sugerem pouca mudança nessas tendências gerais.

O relatório revela como altos níveis de gasto militar em países como Grécia, Chipre e Espanha, no epicentro da crise europeia, tiveram um papel significativo em suas crises de dívida. Muito do gasto estava ligado à venda de armas por países credores como Alemanha e França.

Em Portugal e na Grécia, muitos dos grandes acordos de venda de armas estão sendo investigados por irregularidades sérias. Ainda assim, os países credores continuam a vender novos acordos para países devedores enquanto demandam cortes ainda mais pesados em serviços sociais.

O relatório argumenta que a resolução da crise vai requerer o cancelamento da dívida atrelada a acordos de armas corruptos e um redirecionamento do gasto militar para as necessidades sociais. Ele destaca pesquisas que declaram que gastos em educação e transporte público criam duas vezes mais empregos do que investimentos em defesa.

O autor do relatório, Frank Slijper, disse: “Os gastos militares globais ainda estavam em um recorde de 1,3 trilhão em 2011 apesar da crise econômica. Mesmo na Europa, a maior parte dos países ainda gasta mais do que há dez anos atrás. A única austeridade de que a Europa realmente precisa é uma que seja imposta sobre as indústrias bélicas e de armas.”

“Está na hora de Bruxelas e os estados membros da União Europeia reconhecerem publicamente o ‘elefante na sala’ da crise atual, e esse é o papel do gasto militar. Em um período de cortes pesados em serviços sociais, é moralmente injustificável gastar com armas o dinheiro que deveria ser investido em criação de empregos e combate à pobreza.”

O relatório “Armas, Dívida e Corrupção” foi lançado na União Europeia enquanto defensores em 30 países realizavam mais de 100 eventos ao redor do mundo para protestar contra os níveis recorde de gastos militares e pedir pela realocação dos recursos para programas anti-pobreza e de sustentabilidade ambiental. Para detalhes sobre o Dia Global de Ação contra o Gasto Militar, visite: www.gdams.org

Tradução: Thayná Moreira

Categorias: Internacional, Nota de imprensa, Paz e Desarmamento
Tags:

Boletim diário

Digite seu endereço de e-mail para assinar o nosso serviço de notícias diárias.

Pesquisa

Informe Pressenza

Informe Pressenza

Caderno de cultura

Caderno de cultura

O Princípio do fim das armas nucleares

Documentário 'RBUI, o nosso direito de viver'

Canale YouTube

International Campaign to Abolish Nuclear Weapons

International Campaign to Abolish Nuclear Weapons

Arquivo

xpornplease pornjk porncuze porn800 porn600 tube300 tube100 watchfreepornsex

Except where otherwise note, content on this site is licensed under a Creative Commons Attribution 4.0 International license.