Estudantes chilenos pedem estatização do cobre para garantir ensino público

15.04.2013 - Pressenza IPA

Estudantes chilenos pedem estatização do cobre para garantir ensino público
(Crédito da Imagem: Marcha de Estudiantes, Santiago de Chile, 14 de Abril de 2013)

Em protestos, mais de 250 mil estudantes saíram às ruas de todo o país pelo direito à educação. Eles pedem a estatização das jazidas de cobre controladas por mineradoras privadas para financiar o ensino.

A principal reivindicação é o direito a uma educação pública e gratuita de qualidade. No Chile, não há ensino universitário gratuito. Os alunos pagam mensalidades nas universidades públicas ou contraem dívidas em financiamentos. Protestos massivos com o mesmo tema tiveram seu auge no ano de 2011, quando reuniam 500 mil jovens nas manifestações.

A marcha estudantil ocorreu com tranquilidade até o ato final, em Santiago. Confrontos entre estudantes e policiais militares (carabineiros) aconteceram só depois de finalizada a marcha.

O apoio mútuo entre trabalhadores mineiros e estudantes ficou evidente com uma das pautas do protesto, a estatização das jazidas de cobre controladas por mineradoras privadas para financiar a gratuidade no ensino público. A mineração de cobre é responsável por mais de 50% do PIB do país, porém, somente 33% das minas são do Estado chileno.

Os trabalhadores em mineração realizaram uma greve, na última terça-feira (9), em que cerca de 45 mil mineiros paralisaram todas as jazidas da empresa estatal de cobre, Codelco, e algumas privadas.

De São Paulo, da Radioagência NP, Vivian Fernandes.

Categorias: Ámérica do Sul, Direitos Humanos, Ecologia e Meio Ambiente, Educação

Boletim diário

Indique o seu e-mail para subscrever o nosso serviço diário de notícias.


Documentário 'RBUI, o nosso direito de viver'

O Princípio do fim das armas nucleares

2a Marcha Mundial da Paz e da Não-violência

Milagro Sala

Canale youtube

International Campaign to Abolish Nuclear Weapons

International Campaign to Abolish Nuclear Weapons

Arquivo

Except where otherwise note, content on this site is licensed under a Creative Commons Attribution 4.0 International license.