Bravatas nucleares no Nordeste da Ásia: será possível domar o Godzilla?

19.03.2013 - Alyn Ware

This post is also available in: Inglês, Francês

Bravatas nucleares no Nordeste da Ásia: será possível domar o Godzilla?
(Crédito da Imagem: Godzilla by Ron Guyatt)

Godzilla, um monstro gigante que sofreu mutação por causa da radiação nuclear, apareceu pela primeira vez em um filme japonês homônimo de 1954, devastando o Japão num alerta simbólico para os riscos das armas nucleares. Por duas décadas, Godzilla foi bastante popular, aparecendo em mais de 28 filmes e em muitos videogames, romances, quadrinhos e uma série de televisão. Depois, com um arrefecimento leve se desenvolvendo na região, Godzilla afundou sob as ondas do Oceano Pacífico.

Nos últimos dias, Godzilla ergueu sua cabeça novamente – ameaçando uma conflagração nuclear. As tensões no Nordeste da Ásia subiram até um ponto de quase ebulição. A Coreia do Norte testou outra arma nuclear e também um míssil balístico que poderia ser usado para lançar tal arma. A Coreia do Norte também ameaçou um ataque preventivo aos Estados Unidos e anulou o armistício que colocava um fim temporário à Guerra da Coreia dos anos 1950.

Em resposta, as Nações Unidas aumentaram as sanções contra a Coreia do Norte. A Coreia do Sul, o Japão e os Estados Unidos iniciaram exercícios militares para praticar um ataque contra a Coreia do Norte. No último movimento olho-por-olho, a Coreia do Norte cortou a comunicação do telefone de emergência entre as duas Coreias, inserindo a península em uma crise que lembrava a Crise dos Mísseis em Cuba, de 1962, que quase terminou em uma guerra nuclear entre os Estados Unidos e a União Soviética.

Então será que um jogo de diplomacia arriscada irá forçar a Coreia do Norte a recuar? Ou será que irá levá-la a uma ação ainda mais bélica que conduzirá a um confronto militar? Haverá formas melhores de dispersar a situação e atingir uma paz mais segura e sustentável com a Coreia do Norte? A fim de responder a essas questões, deve-se olhar para além da retórica do regime autocrático norte-coreano – que, como um pavão orgulhoso, se exibe mais procurando impressionar do que revelar a realidade – para as razões fundamentais por trás de suas ações.

Pela perspectiva da Coreia do Norte, a dissuasão nuclear se tornou uma resposta lógica à sua posição de país isolado cercado por forças inimigas, e ameaçado em particular pelo poderio militar combinado do Japão, da Coreia do Sul e dos Estados Unidos. Isso inclui ameaças veladas de “mudança de regime” e a possibilidade de um ataque nuclear que parta primeiro desses países.

A anulação do armistício pela Coreia do Norte foi divulgada como um ato de ameaça. Porém, ela surgiu da frustração norte-coreana com o fato de que os EUA, o Japão e a Coreia do Sul rejeitaram repetidamente seus pedidos por um acordo de paz que terminasse oficialmente com a Guerra da Coreia de 1950-53.

A decisão da Coreia do Norte de se retirar do Tratado de Não Proliferação (TNP) e adquirir força de dissuasão nuclear não foi feita sem motivo. Na verdade, foi tomada depois da invasão ao Iraque comandada pelos EUA. A Coréia do Norte concluiu que foi a eliminação das armas de destruição em massa do Iraque que removeu sua dissuasão, permitindo assim uma invasão norte-americana. A Coreia do Norte anunciou que eles então precisavam desenvolver sua própria dissuasão nuclear para prevenir uma invasão similar dos Estados Unidos.

Nesse contexto, encurralar a Coreia do Norte irá apenas levá-la a ainda mais ações para que demonstre sua capacidade de prevenir um ataque contra seu Estado. A última ameaça de ataque preventivo contra os Estados Unidos provém diretamente da doutrina militar dos EUA de lançar ataques preventivos contra países que podem insurgir como ameaças.

É claro que nada disso justifica o comportamento bélico da Coreia do Norte. A Coreia do Norte não está “certa” no que faz, mas também não está certa a hipocrisia do Conselho de Segurança da ONU em impor sanções aos desenvolvimentos iranianos e norte-coreanos enquanto ignora os programas nucleares plenamente desenvolvidos de seus cinco membros permanentes (China, França, Rússia, Reino Unido e Estados Unidos) e faz vista relativamente grossa aos programas de armamento nuclear dos Estados que não são membros do TNP (Índia, Israel e Paquistão).

A resposta para lidar com a Coreia do Norte não é aceitar suas bravatas, mas entendê-las, e encontrar uma abordagem que se direcione às suas preocupações relativas à segurança e ao mesmo tempo às dos países ameaçados por ela.

Tal abordagem foi proposta por um grupo transpartidário de parlamentares do Japão e da Coreia do Sul. Eles pedem pelo estabelecimento de uma zona livre de armas nucleares no Nordeste da Ásia – similar a outras zonas que cobrem a Antártica, a América Latina e o Caribe, o Sul do Pacífico, o Sudeste da Ásia, a Ásia Central e a África.

Um projeto de tratado divulgado por Katsuya Okada (ex-Ministro das Relações Exteriores do Japão) propõe que a Coreia do Norte desista de suas armas nucleares e se submeta à verificação, mas não unilateralmente. Sob o tratado, os outros cinco países: Coreia do Sul, Japão, Rússia, China e Estados Unidos, também teriam que diminuir o papel das armas nucleares em suas doutrinas de segurança. Especificamente,

· O Japão e a Coreia do Sul se comprometeriam a não permitir armas nucleares em seus territórios e a não ameaçar a Coreia do Norte com o uso de armas nucleares pelos Estados Unidos em suas “defesas”;

· Os EUA, a China e a Rússia se comprometeriam a não posicionar armas nucleares nos territórios do Japão, Coreia do Sul ou Coreia do Norte;

· Os EUA, a China e a Rússia também se comprometeriam a não usar ou ameaçar usar armas nucleares contra o Japão, a Coreia do Sul ou a Coreia do Norte.

Essa proposta cria uma abordagem em que todos ganham, o que fortalece a segurança de todos os Estados da região. A Coreia do Norte receberia garantias vinculativas, particularmente por parte dos EUA, de que armas nucleares não seriam usadas contra eles. O Japão e a Coreia do Sul receberiam também garantias vinculativas, particularmente da China e da Rússia, de que armas nucleares não seriam usadas contra eles. A proposta fornece a abordagem mais realista para persuadir a Coreia do Norte a desistir de suas armas nucleares e recuar do jogo de diplomacia arriscada que está fazendo.

Zonas livres de armas nucleares tem obtido sucesso em eliminar a ameaça nuclear em um grande número de regiões. Uma ZLAN no Nordeste da Ásia oferece a melhor possibilidade para dominar Godzilla e passar para uma paz sustentável no Nordeste da Ásia.

Traduzido por Thayná Moreira

Categorias: Asia, Assuntos internacionais, Internacional, Opinião, Paz e Desarmamento
Tags:

Boletim diário

Indique o seu e-mail para subscrever o nosso serviço diário de notícias.


Milagro Sala

Canale youtube

International Campaign to Abolish Nuclear Weapons

International Campaign to Abolish Nuclear Weapons

Arquivo

Except where otherwise note, content on this site is licensed under a Creative Commons Attribution 4.0 International license.