Primeira Assembleia de movimentos sociais na Cúpula dos Povos: as causas estruturais da crise

21.06.2012 - Río de Janeiro - Nelsy Lizarazo

Este processo de construção de posições comuns se orienta em três eixos de reflexão, debate
e síntese:

• Causas estruturais da crise e injustiças sociais e ambientais, falsas soluções e novas
formas de acumulação de capital por cima dos povos e dos territórios

• Soluções reais e novos paradigmas dos povos

• Agendas, campanhas e mobilizações que unificam o processo de luta anticapitalista
para depois da Rio+20

Na primeira Assembleia de convergência, cada uma das cinco plenárias compartilhou os
resultados do primeiro eixo, ou seja, as causas estruturais, falsas soluções e novas formas
de acumulação de capital. As conclusões de cada plenária foram trabalhadas a partir de
dois critérios centrais. Um deles é o respeito à diversidade. Neste sentido, procurou-se que
as conclusões de cada plenária recolhessem o máximo possível das distintas posições e
prioridades apontadas pelos participantes. O outro, a certeza de que não será possível reverter
a lógica de morte do capitalismo se não formos criativos na construção de novas relações
entre seres humanos, entre homens e mulheres, entre seres humanos e a natureza.

Logicamente, cada plenária enfatizou os temas relacionados com a temática central. No
entanto, todas as plenárias marcaram como causas estruturais da crise o próprio sistema
de produção capitalista, a concentração do poder e da riqueza, um modelo econômico que
prioriza os interesses das corporações e não as necessidades das pessoas e das comunidades,
prioriza a mercantilização da vida, da natureza, da terra, dos alimentos e de todos os bens
comuns, o modelo consumista, a financeirização da economia, a colonização da comunicação e
da cultura impondo um discurso único.

Do mesmo modo, na identificação de falsas soluções, as cinco plenárias apontaram múltiplas
coincidências: a clara tendência de impor uma nova fase do capitalismo sob o disfarce
de “economia verde”, em insistir que a solução das necessidades e problemáticas locais está
na tecnologia, em atribuir preços aos bens comuns, a economia verde e todos os mecanismos
para colocá-la em marcha, os acordos de livre comércio, entre outros.

Esta primeira Assembleia, que teve a participação de centenas de pessoas, fez seu
encerramento com uma afirmação contundente: queremos um novo futuro para as próximas
gerações e para a o planeta.

Categorias: Ámérica do Sul, Ecologia e Meio Ambiente, Internacional

Boletim diário

Digite seu endereço de e-mail para assinar o nosso serviço de notícias diárias.

O Princípio do fim das armas nucleares

2a Marcha Mundial da Paz e da Não-violência

Documentário 'RBUI, o nosso direito de viver'

Milagro Sala

Canale youtube

International Campaign to Abolish Nuclear Weapons

International Campaign to Abolish Nuclear Weapons

Arquivo

Except where otherwise note, content on this site is licensed under a Creative Commons Attribution 4.0 International license.