A maior crise mundial de alimentos e falta ajuda

20.07.2011 - Nairobi - Human Wrongs Watch

Na África oriental “não estamos mais à beira de um desastre humanitário, já estamos no meio dele, agora. Está acontecendo e ninguém está ajudando”

A África oriental vive hoje a “crise alimentar mais grave do mundo”, que afeta cerca de 10 milhões de pessoas de Djibuti, Etiópia, Quênia, Somália e Uganda.

O alerta emitido pelo Escritório das Nações Unidas para a Coordenação de Assuntos Humanitários (OCHA), informa que a Somália é o país mais atingido da região, com relatos de mortes em algumas áreas, além do alarmante índice de desnutrição.

“Não estamos mais à beira de um desastre humanitário; já estamos no meio dele. Está acontecendo e ninguém está ajudando”, ressaltou o presidente Isaq Ahmed, da Organização Mubarak de Ajuda e Desenvolvimento (MURDO), ONG local que trabalha no baixo Shabelle, região da Somália, ao OCHA no dia 28 de junho – segundo reporta o IRIN, serviço de notícias e análise humanitária.

**Morte de crianças, idosos, bebês e mulheres grávidas**

“Nos três distritos, de Qoryoley, Kurtunwarey e Sablale (baixo Shabelle), estimamos que cerca de 5.000 famílias (30.000 pessoas) foram severamente atingidas pela seca que assola o país.”

Ahmed informou ainda que aqueles que podem, estão buscando sobreviver em Mogadício. “As pessoas que permanecem na área são aquelas que não têm condições de pagar o transporte para Mogadício” e acrescentou que muitas delas morreram devido à fome e doenças.

“Entre os mortos havia muitas crianças, idosos, bebês e mulheres grávidas,” comentou Ahmed.

**Enterrando oito pessoas… por dia**

O tradicional ancião local, sultão Sayidali Hassanow Aliyow Ibirow relata que até oito pessoas chegam a ser enterradas no baixo Shabelle. Segundo o IRIN, muitos deles eram criadores de gado que perderam tudo.

“Três anos de pouca ou nenhuma chuva resultaram neste desastre. As pessoas nem tiveram tempo de recuperar a perda anterior e agora enfrentam a pior seca”, relatou.

**A pior seca desde 1950**

Segundo o OCHA, em muitas zonas pastoris, registra-se a estação mais seca desde 1950. A seca na Somália traz implicações regionais, fazendo com que os refugiados fujam para o Quênia, Etiópia e Djibuti.

Um assistente de ajuda humanitária em Mogadício, que preferiu não ser identificado, contou à IRIN, que o número de pessoas que chegam aos campos de refugiados de Afgooye, provenientes das regiões de Bay, Bakol e do baixo Shabelle têm aumentado nos últimos meses.

“Eu não diria que seja uma invasão, mas se trata de uma corrente constante e que chega todos os dias.”

De acordo com a organização Save the Children, as crianças que chegam da Somália no campo de refugiados Dadaab, localizado ao norte do Quênia, estão exauridas, desnutridas e gravemente desidratadas.

“Cada criança ou pai com quem tivemos contato nos informaram que eles fogem não somente da guerra na Somália. Agora a seca e a crise alimentar são igualmente perigosas para eles”, contou a diretora do programa Save the Children à IRIN.

Os especialistas alertam que a crise pode piorar em curto prazo, se as chuvas atrasadas e escassas provocarem a quebra da safra.

**Somente na Etiópia 3,2 milhões de pessoas necessitam urgentemente de alimentos**

Na Etiópia, a estimativa do número de pessoas com necessidade emergencial de alimentos e outros itens, subiu de 2,8 milhões para 3,2 milhões.

Quase dois terços dos pedidos vêm do sul das regiões do sul da Somália e Oromia assim como da Região das Nações, Nacionalidades e Povos do Sul, onde foram registrados escassez de água e alimentos.

**Alimentos caros e inflação alta**

Ali, os preços dos cereais continuam a subir, com o índice de inflação na casa de 30% registrados em abril.

O fórum regional, Grupo de Trabalho para a Segurança Alimentar e Nutrição, relata que a taxa de refugiados somalis que chegam ao sul da Etiópia saltou de 5.000 pessoas por mês para mais de 30.000 somente na segunda semana de junho.

**Taxa de desnutrição grave chega a 45%**

Entre os recém-chegados a dois campos da área de Dolo Ado, a taxa de Desnutrição Aguda Global (GAM, acrônimo em inglês) é de 45%, superando em 15% o patamar emergencial estabelecido pela Organização Mundial da Saúde.

**Djibuti, preços de alimentos disparam**

Em Djibuti, a chuva escassa de março e maio deste ano prejudicou a segurança alimentar familiar e provocou a disparada de preços.

O preço médio da farinha de trigo aumentou 17% entre janeiro e fevereiro de 2011, chegando a US$ 620,00/ton., segundo o Sistema Global de Alerta Antecipado (GVIEWS) da Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação.

Quase todas as crianças ou pais relatam que eles não fogem apenas da luta na Somália, a seca e a crise alimentar também são igualmente perigosas.

**Quênia: Preço dos alimentos triplica**

O crescente aumento nos índices de inflação também afetou o poder de compra de alimentos. Os preços de itens essenciais, como o milho, mais que triplicaram de 13.300 xelins (R$ 22,50) em janeiro para 4.500 (R$ 78.00) por saca de 90 kg.

A IRIN relata que recentemente, o governo anunciou a isenção de tributos sobre o milho importado em anúncio de licitação para aliviar a pressão sobre os consumidores. Os plantadores de milho dizem que o aumento global do preço do milho terá pouco impacto sobre o preço do produto local.

As “longas chuvas” que caem de março a maio no Quênia foram insuficiente pela segunda ou terceira safra seguida na maior parte das regiões montanhosas e das planícies plantadas, sendo que muitas dessas áreas receberam apenas de 10 a 15% de chuvas normais, observou a Rede de Sistemas de Alerta Antecipado sobre a Falta Extrema de Alimentos (FEWSNET).

**Menos água, menor área de pastagem e morte do gado**

A escassez de água e a deterioração das terras de pastagens causaram a morte do gado. Ao norte, área predominantemente pastoril, o baixo fornecimento de leite contribuiu para o elevado nível de desnutrição de 35%. O índice GAM em Turcana, no noroeste do país, atingiu 37,4%, o mais elevado do distrito.

Em todo o país, pelo menos 3,2 milhões de pessoas vivem a insegurança da fome, com aumento na projeção de 1,6 para 2,4 milhões respectivamente em janeiro e abril.

Até mesmo na região costeira do Quênia, milhares enfrentam a escassez de alimentos, ressaltou o gerente regional Gerald Bombe, da Sociedade da Cruz Vermelha do Quênia (KRCS).

“Existe a necessidade de importar milho e distribuir alimento e água para as áreas mais atingidas”, acrescentou o líder local da região costeira, Kevin Lunani.

Relatório Irin:

[http://www.irinnews.org/report.aspx?reportid=93092](http://www.irinnews.org/report.aspx?reportid=93092)

Copyright © 2011 Human Wrongs Watch

Human Wrongs Watch [http://baherkamaleng.wordpress.com](http://baherkamaleng.wordpress.com)

Categorias: Africa, Internacional, Política

Boletim diário

Digite seu endereço de e-mail para assinar o nosso serviço de notícias diárias.

O Princípio do fim das armas nucleares

2a Marcha Mundial da Paz e da Não-violência

Documentário 'RBUI, o nosso direito de viver'

Milagro Sala

Canale youtube

International Campaign to Abolish Nuclear Weapons

International Campaign to Abolish Nuclear Weapons

Arquivo

Except where otherwise note, content on this site is licensed under a Creative Commons Attribution 4.0 International license.