China: o novo tio rico no sul da Europa

18.01.2011 - Lisboa - Radio Netherlands

Não se veem bandeiras por nenhum lado, apenas, a grande distância, manifestantes da Anistia Internacional. A visita da alta delegação comercial da China em Lisboa deste fim de semana passou completamente despercebida. O visitante mais observador, à procura de algum sinal da visita, só nas lojas asiáticas é que esbarrava em lanternas chinesas e gatos dourados.

**Made in China**
Os comércios chineses foram brotando como cogumelos em cidades e aldeias portuguesas e somam agora dezenas de milhares. Tal é o caso do negócio da família Chen, no centro de Lisboa. Vendem de tudo, exceto produtos alimentícios, explica Wanggui Chen, 23, filha do proprietário. A oferta na prateleira varia de roupas íntimas a baldes, canetas e brinquedos. Tudo Made in China.

Porém, eles também estão enfrentando dificuldades. *”Até mesmo nós sentimos a crise. Vendemos menos, e os clientes só querem saber de regatear”*, diz Wanggui. Ela encontra-se sentada detrás do caixa da loja, enquanto dá a mamadeira ao filho, que nasceu em Portugal. Para aumentar suas chances de futuro, recebeu o nome de Miguel.

**Investimento**
Portugal foi seriamente afetada pela crise econômica. A delegação comercial chinesa, liderada pelo presidente Hu Jintao, chega em boa hora. Fecharam-se rapidamente os primeiros acordos de grandes investimentos, de maneira a que haja uma estreita colaboração entre as empresas de telefonia e os bancos da China e de Portugal.

O comércio entre os dois países, que hoje envolve cerca de 2.5 bilhões de euros, vai dobrar até 2015. Espera-se igualmente que a China compre, em grande escala, títulos do Estado Português.

Anteriormente, a China já havia comprado as dívidas externas da Grécia e da Espanha, outros dois países do sul da Europa com problemas financeiros graves.

**Portos**
No entanto, nada é por acaso: a China quer algo em troca. Por exemplo, uma participação substancial no importante porto português de petróleo em Sines, que pode ser de enorme importância para a Ásia após o alargamento do Canal de Suez. Com essa mudança, navios muito maiores poderão navegar nas águas do Mar Mediterrâneo. A China já se tornou uma parte importante do porto grego de Pireu, para obter acesso próprio de seus produtos à Europa.

*”Não temos medo da chegada dos chineses. Portugal não está à venda”, afirma o deputado José Ribeiro da oposição do Partido Conservador CDS. “É claro que mantemos um olhar crítico em relação ao sentido em que vão os investimentos feitos e quais as condições dos chineses para investirem seu capital na economia portuguesa. Além disso, em âmbito europeu, exigiremos da China que mostre mais respeito e atenção ao meio ambiente. Também as condições de trabalho dos funcionários poderão ser pontos de discussão”*.

**Brasil**
Ribeiro acredita que a China vê Portugal principalmente como um trampolim para outras regiões comerciais lusófonas. A China, assim, deverá fortalecer os laços com economias emergentes como as do Brasil e da Angola.

Em menor escala, nas ruas de Lisboa, os comerciantes se ressentem da concorrência dos baratíssimos comércios chineses. A loja de artigos domésticos a poucos metros do comércio da família de Chen praticamente não tem mais clientes, diz o proprietário. “Ao passo que a qualidade dos meus produtos é muito superior.”

O comerciante português já não sabe mais o que fazer sobre a repeito. *”O que posso fazer em relação a esse tipo concorrência? Nada, certo? Não tenho outra escolha senão aceitar.”*

Categorias: Economia, Europa, Internacional

Boletim diário

Digite seu endereço de e-mail para assinar o nosso serviço de notícias diárias.

Pesquisa

Informe Pressenza

Informe Pressenza

Caderno de cultura

Caderno de cultura

O Princípio do fim das armas nucleares

Documentário 'RBUI, o nosso direito de viver'

Canale YouTube

International Campaign to Abolish Nuclear Weapons

International Campaign to Abolish Nuclear Weapons

Arquivo

xpornplease pornjk porncuze porn800 porn600 tube300 tube100 watchfreepornsex

Except where otherwise note, content on this site is licensed under a Creative Commons Attribution 4.0 International license.