Instituto Sou da Paz participa de fórum de prevenção à violência em Honduras

25.11.2010 - Rio de Janeiro - Pressenza IPA

O objetivo do encontro era pensar possibilidades de parcerias público – privadas entre os governos locais e empresas para a prevenção da violência no país.

O problema da violência atinge de forma dramática a América Latina. A taxa de homicídios por 100 mil habitantes na região é 25,1, quando o recomendado pela Organização Mundial da Saúde é abaixo de 10 por 100 mil. Honduras é o terceiro país mais violento da região. “A ideia do encontro era, primeiro, traçar um panorama do problema no país, pensando na violência como um obstáculo real para o desenvolvimento social e econômico”, explica Melina.

“Depois, lançar um olhar sobre as experiências de prevenção à violência que já estão sendo desenvolvidas em Honduras, principalmente aquelas capitaneadas pelos governos municipais”, conta. “Por fim, a proposta do encontro era pensar junto com os gestores públicos locais possibilidades de parcerias com a iniciativa privada, para a superação do problema da violência”.

O Instituto Sou da Paz e o Banco Mundial estão desenvolvendo um material que será uma ferramenta muito útil para que gestores públicos e privados consigam firmar parcerias e criar juntos estratégias de prevenção da violência. Este material reúne os principais desafios e possibilidades para a ação conjunta e traz experiências que já foram colocadas em prática com sucesso em diversos países da América Latina.

O material será lançado no Brasil apenas ano que vem, mas uma prévia foi utilizada no Fórum para orientar os gestores públicos e de organizações não governamentais de Honduras sobre como firmar parcerias com empresas em nível local. “Realizamos uma oficina com esses gestores, usando o material, e além de pensar em estratégias e planos de ação, tivemos a oportunidade de promover uma ampla troca de experiências, não apenas daquelas que já estavam acontecendo em Honduras, como dos desafios e iniciativas que estão presentes em outros países, com dilemas e problemas similares”, conta Melina Risso. Participaram da oficina representantes de seis municípios e membros de organizações do terceiro setor.

Categorias: Ámérica do Sul, Direitos Humanos, Internacional

Boletim diário

Indique o seu e-mail para subscrever o nosso serviço diário de notícias.


Milagro Sala

Canale youtube

International Campaign to Abolish Nuclear Weapons

International Campaign to Abolish Nuclear Weapons

Arquivo

Except where otherwise note, content on this site is licensed under a Creative Commons Attribution 4.0 International license.