CULTURA

Por Marrom Glacê

 

Projeto reúne diversas linguagens artísticas que conta com musical inédito escrito e dirigido por Moacyr Góes e protagonizado por Zélia Duncan, um novo espetáculo de Antonio Nóbrega, debates com curadoria de Michel Melamed e exposição fotográfica de Cafi.

 

De 22 a 25 de setembro a Cidade das Artes Bibi Ferreira se tornará palco de “Uma aventura chamada Brasil – Independência e Identidades”, evento gratuito que celebra o bicentenário da Independência. O amplo espaço da Barra da Tijuca foi o local escolhido para festejar a data numa mistura de linguagens e referências artísticas, contando com atrações que traduzem parte da alma do país. Idealizado pela produtora Bianca De Felippes, Neila Tavares e pelo diretor Moacyr Góes, o evento faz parte da agenda de comemorações da Prefeitura da Cidade do Rio de Janeiro, através da Secretaria Municipal de Cultura, e conta com atrações como o musical inédito e homônimo ao evento com Zélia Duncan à frente do elenco e direção de Moacyr Góes; o espetáculo “RIMA”, de Antonio Nóbrega; os “Debates Eleitos”, elaborados por Michel Melamed reunindo historiadores, jornalistas e pensadores; e registros fotográficos de Cafi na exposição “Um Olhar Brasileiro”, realizada sob curadoria de seu filho, Miguel Colker.

O marco dos 200 anos da nossa independência oferece uma extraordinária possibilidade de comemoração e reflexão, fazendo com que, durante quatro dias, a cidade se transforme num centro de produção artística e intelectual. A importância histórica, sua singularidade e a criação de nossa identidade, advinda da mistura de povos e culturas diferentes, serão pensadas e vivenciadas por arte e debates, afirmando a nação diversa e original imaginada desde seu começo. “Esse é um momento para pensar o Brasil. Como chegamos aqui depois de 200 anos da independência e qual o futuro desse país tão lindo, criativo e desigual?”, provoca Bianca.

Para Bianca e Moacyr, o fundamental do projeto é comemorar o bicentenário a partir da ideia de que a cultura e a arte respondem por um país que é imaginado por todos. “E esta imaginação é determinada por uma coisa que é absolutamente incrível e inalienável, que é a diversidade da cultura brasileira. Este caldeirão de referências, raças, pessoas, pensamentos, posturas e manifestações artísticas são tanto a alma do espetáculo, quanto do evento. Se existe algo que nos define e defina o espetáculo é que a arte responde a alguma ideia de Brasil e que ela o faça por ser absolutamente diversa e diferente”, finaliza Moacyr.

UMA AVENTURA CHAMADA BRASIL – O MUSICAL [Grande Sala – 22/09 às 20h; 23/09 às 14h (escolas) e 20h; 24/09 às 15h30 – sessão com intérprete de libras]

Sob direção, texto e organização de Moacyr Góes, cinco atores-cantores, seis bailarinos e cinco músicos compõem a montagem inédita “Uma aventura chamada Brasil”, trazendo à cena um apanhado artístico sobre o país. E como encaixar 200 anos de vivências artísticas não seria possível num espetáculo de 1h30, a filtragem do repertório chegou a 23 canções adornadas por projeções, textos e poesias, tendo na personagem de Zélia Duncan a responsável por costurar a história, estimulando uma reverência à diversidade que constitui o país.

Com um recorte temporal, mas sem fazer uso de uma perspectiva historicista, o repertório inclui desde os primeiros registros fonográficos do Brasil, passeando pelos lundus, vindo da presença africana e que dá origem ao samba, e seguindo por um Brasil moderno, mas também um Brasil de litoral, da bossa nova, contemplando a Tropicália e o pagode; e ainda o country e o sertanejo, que Moacyr considera um Brasil profundo. “É tudo junto o tempo inteiro, não nos debruçamos sobre nada especificamente. Não é um drama linear. Tem dança afro, mas também temos o ‘Hino do Senhor do Bonfim’, que é exatamente uma tradução incrível de como o sincretismo mudou muita coisa. A perspectiva histórica se dá através da arte, desde música indígena, o fado, advindo da presença portuguesa, até o funk. Mas toda tradução é artística”, resume Góes.

“Moacyr e eu temos uma história longa, que vem desde a década de 1990, quando fiz a CAL pela primeira vez e o tive como professor. Sempre o admirei demais, por sua perspicácia, sua visão do palco, do ofício do ator e sua enorme sensibilidade. É um cara que gosta de pensar e ensa junto. Confio no seu olhar sobre o Brasil e por isso aceitei o convite com entusiasmo. O elenco é lindo e o tema interessa a todos nós. Pensar e lembrar que o Brasil é diverso e por isso tem beleza e singularidade, é matéria urgente de nossas vidas. A arte é antídoto e podemos mudar o rumo das coisas com amor, atitude e coragem”, reitera Zélia Duncan.

Os ingressos serão disponibilizados gratuitamente no site da Cidade das Artes através da plataforma Sympla a partir do dia 19 de setembro e também 1h antes de cada apresentação na bilheteria do teatro. https://bileto.sympla.com.br/event/76843

EXPOSIÇÃO – “UM OLHAR BRASILEIRO” [Foyer da Grande Sala – 22 a 25/09]

Sob a batuta de Miguel Colker está “Um olhar brasileiro”, exposição fotográfica que reúne 15 registros minuciosamente selecionados dentre os mais de 70 mil realizados ao longo da trajetória profissional de Cafi (1950 – 2019). Com três curadorias no curriculum, quando foi convidado para assinar a deste evento o jovem artista teve a ideia de homenagear seu pai, levando em conta todo potencial artístico dos registros fotográficos do pernambucano, famoso pela criação das mais de 300 capas de LP’s de artistas nacionais. “Eu cresci com estas fotografias fazendo parte do meu campo visual de entendimento da vida, e elas criaram a dimensão que eu hoje tenho do que é ser brasileiro. Como desde 2020 venho catalogando e digitalizando a obra do meu pai, eu apenas dei continuidade no trabalho de me aprofundar nessas fotografias”, pontua.

ESPETÁCULO “RIMA” – ANTONIO NÓBREGA [Grande Sala – 25/09 – 19h]

Inédito no Rio de Janeiro, cidade onde Antônio Nóbrega não se apresenta desde 2016, o espetáculo “RIMA” foi construído pelo artista ao longo dos últimos anos, período em que se dedicava prioritariamente à construção de espetáculos de dança. Com o novo trabalho, Nóbrega aspira difundir a diversidade de modelos de estrofes e rimas criados pelos poetas populares, especialmente os da região nordestina, onde floresceu uma vasta gama de modalidades poéticas.

“Desde que tomei conhecimento da poesia popular brasileira, logo percebi que ela configurava um edifício simbólico de muitos andares”, analisa Antônio. Esse conhecimento se deu tanto por meio da sua convivência com repentistas e emboladores, quanto pela leitura das obras dos grandes escritores e documentadores da poesia popular como Leonardo Mota, Câmara Cascudo e Mário de Andrade.

No repertório do espetáculo estão canções compostas em parceria com os poetas e letristas Bráulio Tavares e Wilson Freire e o músico Rodrigo Bragança, além de obras de Violeta Parra (‘Volver a los Diecisiete’), Guerra Peixe (‘Mourão’) e Noel Rosa (‘Três Apitos’). Dentre as canções da apresentação está “Minha Voz não Silencia Porque Poeta não Cala”, lançada em agosto como single do novo álbum. Com ritmo acelerado e mensagem urgente, a letra se insere dentro do espírito do “Grito do Mundo” e reafirma o compromisso da canção com as questões do tempo em que vivemos. Link – https://bileto.sympla.com.br/event/76846

“DEBATES ELEITOS” POR MICHEL MELAMED [Teatro de Câmara, 24/09]

A cargo de Michel Melamed estão os “Debates Eleitos” da programação, uma série de encontros com diferentes representantes do pensamento brasileiro. Através de papos informais, brincando com a estrutura do debate eleitoral, cada um dos três debates contará com um(a) mediador(a) e cinco convidados(as). Todos ocorrerão no dia 24 de setembro, sábado, às 11h, 13h e 17h, na Cidade das Artes, terão público presencial e também serão transmitidos ao vivo via internet. No local haverá ainda um intérprete de libras.

“Cada mesa terá os temas formulados pelo mediador convidado. Mas, de maneira ampla, a ideia é pensar o país por ocasião do Bicentenário da Independência. Dentro dos limites de tempo, espaço, convidamos pessoas de diferentes áreas do pensamento comprometidas com a democracia. Queremos contribuir para a busca de caminhos para a reconstrução e fortalecimento da democracia no Brasil neste momento de tão grave ameaça”, sintetiza o artista curador.

No palco, seis púlpitos. No púlpito, destinado ao mediador(a), um pequeno globo cromado de bingo com números de 1 a 10. O(a) mediador(a) confeccionará dez perguntas relacionadas ao Bicentenário e ao país hoje. Elas serão numeradas de 1 a 10 e duas delas sorteadas para cada convidado. Réplicas e tréplicas são bem-vindas, tendo em mente que a duração de cada encontro é de até 90 minutos.

Os ingressos serão disponibilizados gratuitamente no site da Cidade das Artes através da plataforma Sympla a partir do dia 19/09 para o ingresso presencial e também 1 hora antes de cada apresentação na bilheteria do teatro. Link – https://bileto.sympla.com.br/event/76847

11h – Debate Eleito: Cochicho do Ipiranga

1 – Carlos Fico (Titular de História do Brasil da UFRJ)

2 – Cecília Olliveira (Jornalista)

3 – Jota Marques (Ativista)

4 – Michel Melamed (Artista) – Mediador

5 – Michele dos Ramos (Instituto Igarapé – Segurança Pública)

6 – Viviane Mosé (Filósofa/ Educação/ Poesia)

13h – Debate Eleito: Amo o Brasil, mas não sou correspondido.

1 – Benny Briolly (Comissão Direitos Humanos Câmera Vereadores/ Ativista Trans)

2 – Gilberto Porcidonio (Jornalista e Cientista Social)

3 – Marcos Veras (Artista) – Mediador

4 – Miguel Jost (Doutor e mestre em Letras/ Políticas Públicas)

5 – Renata Tupinambá (Jornalista e ativista povos originários)

6 – Pedro Abramovay (Doutor em ciência política)

17h – Debate Eleito:Nada mais Brasil profundo que a pele.

1 – Cristina Serra (Jornalista política e meio ambiente)

2 – Elisa Lucinda (Artista) – Mediadora

3 – Laura Astrolábio (diretora A Tenda/ Instituto e OAB Mulher)

4 – Leandro Demori (Jornalista)

5 – Rafael Soares (Jornalista)

6 – Tiago Rogero (Jornalista, criador do Projeto Querino)

 

Serviço:

Evento: Aventura Chamada Brasil – Independência e Identidades

Data: De 22 a 25 de setembro – quinta a domingo

Local: Cidade das Artes Bibi Ferreira – Endereço – Avenida das Américas , 5300 – Barra da Tijuca – Tel: 21 -3325-0102

Horário:

UMA AVENTURA CHAMADA BRASIL – O MUSICAL [Grande Sala – 22/09 às 20h; 23/09 às 14h (escolas) e 20h; 24/09 às 15h30 – sessão com intérprete de libras]

ESPETÁCULO “RIMA” – ANTONIO NÓBREGA [Grande Sala – 25/09 – 19h]

“DEBATES ELEITOS” POR MICHEL MELAMED [Teatro de Câmara, 24/09 – 11h, 13h e 17h

EXPOSIÇÃO – “UM OLHAR BRASILEIRO” [Foyer da Grande Sala – 22 a 25/09]

ESPETÁCULO “RIMA” – ANTONIO NÓBREGA [Grande Sala – 25/09 – 19h]

Grátis

FICHA TÉCNICA – UMA AVENTURA CHAMADA BRASIL INDEPENDÊNCIA E IDENTIDADES

Idealização do Projeto: Bianca De Felippes, Moacyr Góes e Neila Tavares

Produção Geral do Evento : Bianca De Felippes

Direção de arte : Neila Tavares

Patrocínio : Secretaria Municipal de Cultura

Realização: Gávea Filmes

UMA AVENTURA CHAMADA BRASIL – MUSICAL

Roteiro e Direção do Espetáculo: Moacyr Góes

Direção Musical, Vocal e Arranjos: Liliane Secco

Videografismo: Rico Vilarouca e Renato Vilarouca

Cenografia: Marieta Spada

Figurinos: Carol Lobato

Iluminação: Adriana Ortiz

Coreografia: Sueli Guerra

Coreografo assistente: Alessandro Brandão

Direção de Produção: Gabriel Bortolini

Produção Executiva/making of: Pietra Baraldi

Coordenador de Produção Evento: Paulo Dary

Produção de elenco: Giselle Lima

Assistentes de Direção: Flávia Rinaldi e Miguel Góes

Assistente de Cenografia e Cenotécnico: André Salles

Assistente de Figurino: André Uytanã

Aderecista: Alex Porto

Costura: Ateliê das Meninas

Pesquisa Histórica: José Roberto Pinto de Góes

Assistente de Produção : Gabriela Newlands

Fotógrafa: Cristina Granato

Filmagem do Evento e Transmissão dos Debates: Dudu Chamon

Estúdio Ensaio: Be Happy

Assessoria de Comunicação: Eduardo Barata

Assessoria Jurídica: Roberto Silva

Direção de Palco: Lucia Martinusso

Assistente de Palco: Tity Alves

Contrarregra: Maycom Soares

Desenho de Som: João Paulo

Técnico de Vídeo: Clayton Ramos

Camareira: Flávia Cotta

Controler Financeiro: Cristiane Cavalcante

ELENCO

Zélia Duncan

Analu Pimenta

Stephanie Hair

Lincoln Tornado

André Saigon

Léo Araújo (ator / cantor ensaio)

BAILARINOS – CIA DA IDEIA

Andressa Araújo

Edney Conti

Igor Odessa

Juliana Ângelo

Nenega

Saullo Eduardo

MÚSICOS

Charles Batera – Bateria

Daniel Sanches – Piano (acompanhamento ensaios)

Herbert Souza-Piano

Mafram Maracanã- Percussão

Tassio Ramos – Baixo

Ziel de Castro – Violão e Guitarra

EQUIPE PRODUÇÃO EXECUTIVA EVENTO

Analista de Produção: Henrique Botkay

Analista de Produção: Débora Paganni

Coordenação Técnica: Kelson Santos

Diretor Adm-Financeiro: Rodrigo Wodraschka Porto

Analista Financeiro: Bruno Batista

EQUIPE COMUNICAÇÃO EVENTO

Coordenação de Comunicação: José Menna Barreto

Analista de Comunicação: Cyntia França

Coordenação de Design: Guilherme Telles

Analista de Design: Romy Morgado

Analista de Design: Paulo Tavares

Assessoria de Imprensa: Marrom Glacê

ESPETÁCULO ANTÔNIO NOBREGA – “RIMA”

Antônio Nóbrega – Voz

Edmilson Capelu- Direção Musical e Cordas

Cleber Almeida – Bateria

Olivinho – Sanfona

Zé Pitoco – Percussão

Renato Loyola- Baixo

Grissel Piguillem – Projeção de imagens

Thereza Freitas – Produtora

Gustavo Vale – Técnico de som Monitor

Tuca Pradella – Técnico de som P.A

Marisa Bentivegna – Iluminadora e Cenógrafa

Adilson Ramos Santos – Roadie

PALESTRAS / DEBATES ELEITOS

Curadoria: Michel Melamed

Convidados: Benny Briolly, Carlos Fico, Cecília Olliveira, Cristina Serra, Elisa Lucinda, Gilberto Porcidonio, Jota Marques, Laura Astrolábio, Leandro Demori, Marcos Veras, Michele dos Ramos, Miguel Jost, Pedro Abramovay, Renata Tupinambá, Tiago Rogero, Viviane Mosé.

EXPOSIÇÃO

Curadoria: Miguel Colker

Fotos: Cafi