Por volta das 19h30, deste domingo, a mensagem que pulsava já era: Boric ganhou a eleição presidencial no Chile.

Aquele mesmo país que as pessoas sentiram o peso da desastrosa ditadura de Pinochet, que em forma, conexão e sentidos, acabou sendo superior que o tempo cronológico entre os anos de 1973 e 1990. Pode-se afirmar que só agora possui ventos que podem alterar as rotas autoritárias e dominantes.

Dia do segundo turno das eleições presidenciais no Chile a extrema direita é eleitoral e declaradamente derrotada com cerca de 70% de votos apurados entre os quais 55% para esquerda e 44% para direita. Ou seja, sem golpe, a direita não altera o quadro eleitoral. Assim a disputa que contava com Boric pela esquerda e Kast pela extrema direita, ganha o formato que aponta para aproximação com o BEM VIVER.

São os ecos das possibilidades de mudar a favor da vida. Sinais favoráveis para a América Latina conquistar mais uma fresta em favor da democracia, da qualidade de vida e da dignidade.

Que assim siga nossa América, com fortes ecos que tomem o Brasil no ano que vem, construindo frestas de BEM VIVER nas eleições quase gerais que ocorrerão em 2022. Vamos fazer a vida vencer!