QS Quacquarelli Symonds, analistas globais do ensino superior, lançaram hoje a 18ª edição do QS World University Rankings. O Massachusetts Institute of Technology (MIT) celebra uma década sem precedentes e ininterrupta como a melhor universidade do mundo.

Os cinco primeiros também experimentam a sua reconfiguração mais significativa durante meia década: A Universidade de Harvard () cai dos três primeiros – a sua classificação mais baixa de sempre – para ser substituída pela Universidade de Oxford (, a partir da ) e a Universidade de Cambridge (joint-3ª, partilhada com a Universidade de Stanford).

A Universidade do Porto (295ª) entra nas 300 melhores universidades do mundo, tendo subido 62 lugares.

A grande retoma foi provocada pela melhoria significativa do desempenho em três dos seis critérios utilizados pela QS para avaliar as universidades à escala global. No indicador Employer Reputation, baseado na opinião de mais de 75.000 empregadores internacionais, a U. Porto subiu cinquenta e duas posições e está agora entre as 400 universidades mais cotadas para a empregabilidade. Também subiu no Indicador de Estudantes Internacionais, onde foram utilizados números pré-pandémicos, e está agora entre as 500 melhores instituições a nível mundial pela diversidade, em termos de nacionalidades, do seu corpo estudantil.

No entanto, o desempenho mais impressionante é registado no indicador Citações por Faculdade, onde subiu 86 lugares e ocupa agora o 188º lugar a nível mundial neste importante indicador que mede a influência da investigação produzida. As restantes sete universidades nacionais classificadas mantiveram-se relativamente estáveis, sem quaisquer mudanças dramáticas em ambas as direcções.

Ben Sowter, Director de Investigação da QS, disse: “As classificações estão a tornar-se cada vez mais competitivas e os padrões mais elevados, pelo que o excelente desempenho da Universidade do Porto é particularmente digno de nota. Este ano alargámos a lista para incluir 1300 universidades e isso coloca mais pressão sobre as instituições, mesmo para se manterem no mesmo lugar. Muito menos para subir alguns degraus. Também aperfeiçoámos ainda mais o mapeamento das citações, que agora são capturadas com ainda maior precisão e precisão. ’

Este ano, a QS listará as 1300 melhores universidades do mundo – 145 mais do que na edição do ano passado – que podem ser encontradas em 97 locais. 6415 instituições foram elegíveis para a análise do inquérito, e 1705 foram avaliadas para a tabela final. Os resultados serão responsáveis pela distribuição e desempenho de 14,7 milhões de trabalhos académicos publicados entre 2015 e 2019, e pelos 96 milhões de citações recebidas por esses trabalhos; são também responsáveis pelas opiniões de peritos de mais de 130.000 professores universitários e mais de 75.000 empregadores.

Outros destaques globais:

  • Caltech () desiste dos cinco primeiros pela primeira vez desde 2015.
  • ETH Zurique continua a ser a melhor universidade da Europa continental durante um décimo quarto ano consecutivo.
  • A China Continental é o lar de duas das vinte melhores universidades do mundo pela primeira vez.
  • As duas principais universidades da Ásia são a Universidade Nacional de Singapura (11ª) e a Universidade Tecnológica de Nanyang (12ª).
  • As quatro principais universidades da Austrália sobem, com a Universidade Nacional Australiana a reentrar no top 30.
  • O progresso da Malásia e da Rússia abranda após anos de melhorias, mas ambas são o lar de uma das 100 melhores universidades do mundo cada uma.
  • 48% das universidades do Japão declinam.

Metodologia

A QS utiliza seis indicadores para compilar a classificação:

  1. Reputação académica: com base nas respostas a inquéritos de mais de 130.000 académicos.
  2. Reputação do empregador: com base nas respostas ao inquérito de mais de 75.000 empregadores sobre a relação entre a instituição e a empregabilidade dos diplomados.
  3. Citações por Faculdade: medindo o impacto da investigação, divide o número total de citações recebidas pelos trabalhos de investigação de uma universidade durante um período de cinco anos pelo número de docentes de uma instituição.
  4. Proporção docente/aluno: um substituto para a capacidade de ensino. O número de estudantes é dividido pelo número de professores, dando ao corpo estudantil global alguma indicação do tamanho provável das turmas na sua instituição seleccionada.
  5. Proporção Internacional de Faculdade: uma das duas medidas de internacionalização da QS, mede a proporção de faculdades não domésticas numa instituição.
  6. Proporção de estudantes internacionais: a segunda das duas medidas de internacionalização da QS, mede a proporção de estudantes não domésticos de uma instituição. Isto, por sua vez, fornece uma indicação da capacidade de uma universidade para atrair talentos de todo o mundo.

Mais informação metodológica pode ser encontrada em https://www.topuniversities.com/qs-world-university-rankings/methodology.

Contacto para os meios de comunicação social:
Simona Bizzozero, Director de Comunicação QS Quacquarelli Symonds
simona@qs.com | pressoffice@qs.com
@QS_pressoffice | + 44(0)7880620856