PONTO DE VISTA

 

 

Pode ser possível.

Uma pergunta relacionada a isto é, poderia uma mulher se disfarçar com sucesso e viver como um homem e se safar disso? Se você ler este livro, Papisa Joana, por Donna Woolfolk Cross, você verá como isso pode ser possível. Mas então uma parte sua pergunta, conseguiria alguém se safar disso? Isto é, afinal, ficção.

Manuscrito ilustrado retratando a Papisa com a tiara papal Biblioteca Nacional da França, c. 1560. Fonte: Wikimedia Commons

Mulheres disfarçadas como soldados

E ainda o problema da papisa tem certos pedaços de evidência afirmados no final deste livro escrito de forma convincente que indica que sim, pode ter existido uma papisa.

Eu tentei pesquisar “mulheres que se disfarçavam de homens” e descobri que isto não foi realmente uma coisa incomum historicamente. Durante a Guerra civil americana, muitas mulheres se disfarçavam de homens para que pudessem lutar. Por outro lado, há estórias de homens que se disfarçavam de mulheres para que não tivessem que ir à guerra.

Existem documentos de mulheres que ao longo do tempo se disfarçavam de marinheiro, ou assumiam outras identidades masculinas, geralmente para ganhar liberdade, e escapar de restrições que eram destinadas a mulheres. Às vezes, para ir à guerra junto com os homens que amavam. Às vezes, na busca por amor. Às vezes, por razões econômicas, porque elas não seriam capazes de encontrar um emprego de outra forma.

Frances Louisa Clayton se disfarçou de homem para poder lutar na guerra civil

Transição do paganismo ao Cristianismo
Então sim, mulheres estiveram muitas vezes na história disfarçadas de homens por uma boa razão, se safado disso. E sim, pode ter existido uma Papisa Joana que o fez na sua busca por aprendizado, outro presente proibido para mulheres daquele tempo.
Mais convincente do que a própria questão é a história que o livro cobre a transição do paganismo para o cristianismo sob o reinado de Constantino, como as pessoas tinham que orar secretamente a Thor e outros deuses enquanto fingiam ser cristãs.
E os extensos relatos sobre a fitoterapia e o papel que ela desempenhou na cura, e como ela poderia dar estatura a alguém como Joana a ponto de eventualmente elevá-la para se tornar Papisa.

Papisa Joana: Um Romance

Essas coisas me interessam mais – as extensas porções sobre medicina alternativa, a história, a transição para o catolicismo, a vida em um mosteiro, os enfeites externos de cerimônia e vestimenta em comparação com os acontecimentos secretos na mente e atos secretos atrás do púlpito.


 

Traduzido do inglês por Carolina T Saita / Revisão: Doralice Silva