Covid, volta às aulas e o apocalipse de julho de 2022

05.03.2021 - Aram Aharonian

This post is also available in: Espanhol

Covid, volta às aulas e o apocalipse de julho de 2022
(Crédito da Imagem: Question Digital)

Por Aram Aharonian

A América Latina viu seus piores presságios se cumprirem há um ano: um brasileiro que chegou da Itália deu positivo para covid-19, em São Paulo, em 26 de fevereiro de 2020 e disparou alarmes na região, que possui sistemas de saúde – talvez – mais frágeis do que a Europa. Desde então, 21 milhões de latino-americanos foram infectados e quase 700.000 morreram.

Hoje, a convocação para o retorno às salas de aula parece ser um denominador comum de muitos dos governos da América Latina, que agendaram o mês de março para essa convocatória. A propaganda oficial, disfarçada de discurso de legitimação, com narrativas da Unesco e da Unicef, tenta esconder os enormes interesses comerciais que estão por trás dessa convocação.

Enquanto isso, o desastre econômico ameaça dificultar os avanços conseguidos e o futuro de uma região que perdeu os caminhos da integração e da unidade, tão necessárias em tempos de crises econômicas, sociais, de saúde e ambientais.

Mas não clame a vitória: dois sábios técnicos do Fundo Monetário Internacional (FMI) traçaram o possível cenário pós-pandemia para julho de 2022, em que os governos pensam que o pior já passou, após uma exaustiva campanha de vacinação e pacotes de reativação econômica bilionários: o mundo, de repente, inflama-se, há batalhas campais em centenas de cidades e edifícios em chamas são projetados em milhões de telas de televisão. Os governos caem em eleições tumultuadas. Apocalipse no próximo ano.

Philip Barrett e Sophia Chen, técnicos do FMI, em seu relatório As repercussões sociais das pandemias (janeiro de 2021), apontam que uma pandemia “revela as fraturas já existentes na sociedade: a falta de proteção social, a desconfiança nas instituições, a percepção de incompetência ou corrupção dos governos”.

Com base na análise de milhões de artigos publicados na imprensa desde 1985, em 130 países, o FMI desenvolveu um índice de agitação social que permite quantificar a probabilidade de uma explosão de protestos como consequência da pandemia. Os técnicos relacionam os casos de explosões sociais com 11 mil eventos diferentes ocorridos desde a década de 1980: desastres naturais, como enchentes, terremotos ou furacões, além de epidemias.

Os especialistas descobrem “uma relação positiva e significativa” entre desastres, epidemias e agitações sociais. Muitos de nós entenderam essa correlação por experiência, ou instintivamente, mas o que é interessante na análise do FMI é a relação cronológica que ela identifica entre epidemias e agitações sociais, onde há um efeito de retardo significativo de até dois anos que separam o momento crítico da epidemia do momento em que começam as rebeliões.

Continuamos sofrendo

Um total de 20.747.458 casos de covid-19 foi registrado na América Latina e no Caribe. O Brasil é o país mais afetado por essa pandemia na região, com cerca de 10,5 milhões de casos confirmados e 254 mil mortes. A Colômbia está em segundo lugar, com mais de 2,2 milhões de infectados e quase 60 mil mortes. México e Argentina registraram pouco mais de dois milhões de infecções, com 185 mil e 52 mil mortes, respectivamente.

A chegada das primeiras vacinas oferece esperança, mas o acesso desigual a mais lotes, o desafio logístico e a lentidão na distribuição, além da corrupção, convidam à cautela. Além disso, as novas variantes mostram que o vírus está longe de ser controlado na região que é o epicentro global da pandemia. “Quero enfatizar que, certamente, não estamos fora de perigo”, afirmou a diretora-geral da Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS), Carissa F. Etienne.

O impacto de uma pandemia de um ano se enfocou em mulheres, estudantes pobres, a classe média e, claro, pessoas com comorbidades e idosos. São eles os grandes perdedores na região. Impacto intensificado na América Central, que enfrentou a crise sanitária e o assalto dos furacões Eta e Iota, em outubro e novembro, com pessoas em abrigos, incapazes de se isolar. A Comissão Econômica para a América Latina e o Caribe (Cepal) alertou que 2,7 milhões de empresas na América Latina serão fechadas e haverá a perda de, aproximadamente, nove milhões de empregos.

A educação

Voltando à educação e à pandemia, as condições materiais de vida da população de alunos e professores foram e continuam a ser seriamente afetadas pela covid-19. Muitas famílias sofreram seus efeitos devastadores e, agora, os governos, sem vacinar professores e alunos previamente, estão buscando a reabertura geral ou parcial das escolas, o que viola o direito humano à vida.

A precariedade das condições de biossegurança e o apoio institucional limitado ou inexistente para garantir os protocolos que ela acarreta podem levar a uma tragédia que afetará, fundamentalmente, os trabalhadores da educação e, sobretudo, os filhos de famílias com menos recursos, aponta Outras vozes na educação.

Em toda a América Latina e no Caribe, os salários dos professores se deterioraram, enquanto, aproveitando a precária capacidade de mobilização dos professores, importantes conquistas sociais estão sendo atacadas.

*Periodista y comunicólogo uruguayo. Magíster en Integración. Fundador de Telesur. Preside la Fundación para la Integración Latinoamericana (FILA) y dirige el Centro Latinoamericano de Análisis Estratégico (CLAE, www.estrategia.la) y susrysurtv.

 


 

Traduzido do espanhol por Mércia Santos / Revisado por Graça Pinheiro

Categorias: Direitos Humanos, Educação, Opinião, Saúde, Video
Tags: , ,

Boletim diário

Digite seu endereço de e-mail para assinar o nosso serviço de notícias diárias.

Search

Whatsapp

Pressenza Whatsapp

Informe Pressenza

Informe Pressenza

Caderno de cultura

Caderno de cultura

O Princípio do fim das armas nucleares

Documentário 'RBUI, o nosso direito de viver'

Canale YouTube

International Campaign to Abolish Nuclear Weapons

International Campaign to Abolish Nuclear Weapons

Arquivo

xpornplease pornjk porncuze porn800 porn600 tube300 tube100 watchfreepornsex

Except where otherwise note, content on this site is licensed under a Creative Commons Attribution 4.0 International license.