No início deste novo ano, a Aliança dos Cientistas Mundiais ou AWS (com 13.700 membros) entregou um relatório incisivo, sem meias palavras: “Os cientistas agora acham que uma mudança climática catastrófica pode tornar inabitável uma parte significativa da Terra, em consequência das altas e contínuas emissões de gases, dos ciclos auto reforçados de feedback climático e pontos de ruptura iminentes.” (Fonte: William J. Ripple, et al, The Climate Emergency: 2020 in Review, Scientific American, 6 de janeiro de 2021)

A missão: “Nós, cientistas, temos a obrigação moral de alertar claramente a humanidade sobre qualquer ameaça catastrófica.” (Fonte: https://scientistswarning.forestry.oregonstate.edu/)

 

[Pesquisa conclui: Estamos destruindo a Terra – Por gentileza, você poderia reescrever esta frase com termos inequívocos, imprecisos, vagos, convenientes e prolixos para que todos nós entendamos?]

Embora seja muito difícil aceitar uma afirmação caricatural que diz “Estamos destruindo a Terra”, acostume-se a ela porque é o que está acontecendo agora, mas não diante de nossos olhos ou sob nossos narizes coletivos. Para entender melhor a carnificina, estude a ciência e descubra ecossistemas em colapso dentro de um sistema climático caóticamente ameaçado, especialmente onde ninguém vive. É aí que começa e mais se destaca em cores vivas para que todos possam ver. No Ártico, na Antártica, Groenlândia, Austrália, Sibéria, nas florestas tropicais do mundo e dentro da vasta imensidão dos oceanos. Quase ninguém vive nesses ecossistemas. E agora?

Novos esforços para conter o impacto de um sistema climático prejudicado estão em andamento. Cada vez mais, em todo o país, uma grave emergência climática está sendo reconhecida pelo que realmente é. Na verdade, nos últimos dois anos, 10% da população mundial já declarou uma emergência climática:

(1) 1.859 jurisdições em 33 países emitiram declarações de emergência climática em nome de 820 milhões de pessoas. Quase um bilhão de pessoas “entendem”;

(2) 60 milhões de cidadãos do Reino Unido, ou seja, 90% da população do Reino Unido, agora vivem em áreas onde as autoridades locais declararam algum tipo de emergência climática (Hello XR);

(3) Na Austrália, enteada do Reino Unido, mais de um terço da população já declarou emergência climática;

(4) O Senado da Argentina, representando 45 milhões de pessoas, declarou emergência climática em 17 de julho de 2019;

(5) Assembleias canadenses, representando quase 100% da população, declararam uma emergência climática em 2019-20;

(6) Na Itália, quase 40% da população, por meio de assembleias, declarou uma emergência climática em 2019-2020;

(7) Na Espanha, 100%;

(8) Nos Estados Unidos, 10%. Entretanto, sob a rígida diretiva de Trump, os 90% restantes rejeitam vigorosamente qualquer consideração sobre as mudanças climáticas.

Em nítido contraste com a postura dos Estados Unidos antes de 20 de janeiro, a AWS não está minimizando o desafio à frente: “A emergência climática chegou e está se acelerando com mais rapidez do que a maioria dos cientistas previu, e muitos deles estão profundamente preocupados. Os efeitos adversos da mudança climática são muito mais graves do que o esperado e agora ameaçam tanto a biosfera quanto a humanidade.” (Scientific American)

São palavras pesadas: “(…) ameaçando a biosfera e a humanidade.” Querem dizer que “Os cientistas agora acham que uma mudança climática catastrófica pode tornar inabitável uma parte significativa da Terra.”, Ibid.

“O aquecimento global já tornou partes do mundo mais quentes do que o corpo humano pode suportar décadas antes do que os modelos climáticos esperavam. As medições em Jacobabad, no Paquistão, e em Ras al Khaimah, nos Emirados Árabes Unidos, passaram repetidamente pelo menos 1 ou 2 horas acima do limiar mortal.” (Fonte: Climate Change Has Already Made Parts of the World Too Hot for Humans, NewScientist, 8 de maio de 2020)

O calor excessivo combinado com a umidade excessiva leva à morte em 6 horas. Os primeiros sinais disso já estão aparecendo, décadas à frente do esperado. Afinal, o corpo humano tem limites. Se o índice de temperatura/umidade for extremo o suficiente, mesmo uma pessoa saudável sentada à sombra com água em abundância sofrerá gravemente, ou, provavelmente, morrerá. É a Temperatura de Bulbo Úmido, ou TBU. De modo geral, um limiar é alcançado quando a temperatura do ar sobe acima de 35 graus Celsius (95 graus Fahrenheit) combinada com umidade acima de 90 por cento.

De acordo com os cientistas, para conter o início do perigo de Temperatura do Bulbo Úmido, as emissões de CO2 devem ser drástica e rapidamente reduzidas, considerando, em especial, o fato preocupante de que todos os cinco anos mais quentes já registrados ocorreram desde 2015.

Um estudo recente descobriu combinações extremas de umidade/calor ocorrendo bem além da tolerância fisiológica humana prolongada por 1 a 2 horas de duração, concentradas no sul da Ásia, na costa do Oriente Médio e na costa sul da América do Norte. (Fonte: Colin Raymond, et al, The Emergence of Heat and Humidity Too Severe for Human Tolerance, Science Advances, Vol. 6, no. 19, 8 de maio de 2020)

Enquanto isso, o principal culpado e impulsionador do aquecimento global, ou seja, o CO2, recentemente bateu recorde para a Época Holocena, que representa 11.700 anos de comportamento climático estável, o chamado Great Goldilocks Sleep Walk Thru Time Era (algo como A Grande Era da Cachinhos Dourados Sonâmbula através do Tempo). Isso até os níveis excessivos de CO2 começarem a aumentar o aquecimento global, após o ano de 1750.

O artigo da AWS declara 2020 como um dos anos mais quentes já registrados, e isso gerou uma atividade extraordinária de incêndios florestais em todo o planeta, na Sibéria, no oeste dos Estados Unidos, na Amazônia e na Austrália. Essas interrupções sem precedentes são indicativas de um sistema climático defeituoso. Claramente, o planeta está doente.

De acordo com a Aliança: “Todos os esforços devem ser feitos para reduzir as emissões e aumentar as remoções de carbono atmosférico”, Ibid.

Ao longo do caminho, vários países se comprometeram a zero emissões líquidas de carbono até 2050-60; no entanto, há evidências crescentes de que essas metas são inadequadas; em vez disso, novas evidências sugerem que o carbono zero líquido deve ser alcançado até 2030, não 20-30 anos depois. Além disso, seria tarde demais.

Para alcançar algo além de uma mera aparência de equilíbrio do sistema climático (se isso for possível), será necessário aderir às metas da Iniciativa de Restauração Global do Desafio de Bonn (do inglês, Bonn Challenge), de 2011, restaurando 350 milhões de hectares de florestas e terras até 2030. Setenta e quatro países endossaram essa solução baseada na natureza.

A AWS oferece soluções para o dilema:

  • Abandonar os combustíveis fósseis, uma prioridade máxima.
  • Parar as emissões industriais como metano, carbono negro (fuligem) e emissões semelhantes para reduzir drasticamente a taxa de aquecimento.
  • Restaurar ecossistemas naturais, principalmente agropecuários, e com destaque para: “O desmatamento da Amazônia, de florestas tropicais no sudeste da Ásia e em outros lugares, incluindo o corte proposto na Floresta Nacional de Tongas (sic) do Alasca é especialmente devastador para o clima,” Ibid.
  • Reduzir o consumo de carne bovina e seus derivados para ajudar a reduzir as emissões de metano. As plantas são comestíveis e mais saudáveis.
  • Realizar a transição para uma economia livre de carbono que reflita como somos dependentes da saúde da biosfera, carinhosamente chamada de Mãe Terra. Adotar a economia ecológica como um substituto saudável à bandeira neoliberal do capitalismo em crescimento eterno, que percorre uma estrada pavimentada de ouro em direção a uma terra tão, tão distante de fantasia e êxtase.
  • A taxa atual de crescimento da população humana de 200.000 recém-nascidos por dia precisa se estabilizar e diminuir por meio do apoio e da educação de mulheres jovens em todo o mundo.

Assim, a Aliança proclama: “Em dezembro de 2020, o secretário-geral da ONU, António Guterres, implorou a todas as nações que declarassem uma “emergência climática”. Portanto, pedimos que o governo dos EUA, representado pelo presidente Joe Biden, declare uma emergência climática nacional por meio de uma ordem executiva, ou através de um financiamento de mitigação climática aprovado pelo Congresso, além de uma declaração de emergência climática (H.Con.Res. 52, S.Con.Res.22), que ficou engavetada em um comitê do Congresso ao longo de 2020. Um ano atrás, estávamos preocupados com o fraco progresso na diminuição das mudanças climáticas. Agora estamos alarmados com o fracasso de não termos progredido suficientemente em 2020.” (Fonte: Scientific American)


Traduzido do Inglês por Luma Garcia Camargo / Revisado por Gabriela Assis Santos