PEDAÇOS DO MEU CORAÇÃO

28.02.2021 - New York, EUA - Marco Da Costa

PEDAÇOS DO MEU CORAÇÃO
(Crédito da Imagem: Ilustração de Guilherme Maia)
CRÔNICA

 

 

 

Por Marco Dacosta

 

 

 

Diz uma lenda dos índios Adirondack que ao nascer recebemos o dom de ter um amor pra toda a vida.  Esse amor é único e voa como uma borboleta, pousando em diferentes flores. Por isso – dizem – a nossa capacidade de durante a vida nos apaixonamos por diferentes pessoas, em diferentes épocas.  Na verdade, segundo eles é o mesmo sentimento, que apenas se transfere, voa e pousa em outro lugar.  Só amamos uma vez – o resto é apenas esse amor flutuando, se alojando em outros corpos.  Por isso deixamos de amar, como se soubéssemos que naquela pessoa já não reside essa força que nos unia. E assim vamos sonhando com o mesmo sentimento. E tentamos, e tentamos. Alguns morrem sem achar para onde ele foi. 

Foi próximo às montanhas Adirondacks, onde viviam esses índios, ao norte de Nova Iorque, que ouvi pela primeira vez essa lenda – e sorri imaginando que isso explicava muita coisa.  Quem não teve sonhos com antigos amores ?

Foi assim que encontrei Miss Janis, naquele verão. Vou explicar.

Aos sábados é comum que existam festejos nas ruas de Woodstock, Bethel, Kingston e outras cidades ao sul das montanhas Adirondack.   Há quiosques, crianças correndo, plantas e arranjos florais que perfumam o ar.   São pequenas cidades, com poucas ruas, cercadas de sítios e fazendas produtoras de laticínios. Fonte inesgotável de água pura, queijos e manteigas orgânicas.  

Alguns produtores, durante a semana, fazem trajetos de até três horas,levando seus produtos para a feira da Union Square.  Há pães escuros, cogumelos de todos tamanhos, artesanato de madeira e flores. 

As feiras de Kingston me lembram as barraquinhas que vi em Aix-en-Provence, no sul da França. Há sabonetes, colônias e gravetos com cheiro de Alfazema, um perfume e talco da minha infância. Tudo está associado com essa região ao norte da cidade. Quando o verão chega, fugimos para as montanhas e florestas do Hudson e para além, em direção às montanhas de Catskill. 

Há um cheiro de passado no ar, casas coloniais, respiramos a Nova Inglaterra. Nas ruas,  crianças brincam ao redor de feixes de lavanda, puxam os braços das avós, cheias de cordões de couro, camisas coloridas e flores no cabelo. 

Parece que estava na “Era dos festivais”, do “verão do amor” com meninas usando saias de tie dye.  Ainda há carros conversíveis pintados de rosa e toca discos com vinil, nas lojas.  

Foi num dia desses de agosto que me aproximei desse cenário. Cheguei na cidade bem cedo  e queria caminhar pelo centro histórico. Desfilei meus olhos nos musicais de um café, com fotos preto e branco do festival de Woodstock, que aconteceu ali na vizinhança, em Bethel.  Fui até a praça, vi a igreja e seu jardim cheio de lápides, percorri calçadas de tijolo vermelho e achei uma sombra para finalmente comer meu sanduíche de carne de porco e abacaxi. 

Quando olhei para o lado um vira-latas marrom estava me observando. 

George, volte aqui – gritou uma senhorinha ao longe, se aproximando para buscar o cão fujão. 

Ela trazia um buquê de flores, uma sacola. Seu pescoço tinha dezenas de cordões, pedras e seus olhos estavam cobertos por  óculos brancos de lentes laranja. Parecia que havia saído de um filme dos anos 60. 

Esse cachorrinho me deixa louca. 

George? Era o nome do cachorrinho de Janis Joplin. Disse sorrindo. Imaginei que pela roupa e o jeito de hippie ela pudesse entender o que eu dizia.

Esse é George VIII, mas não é o Rei.  Eu sempre coloco o mesmo nome e eles vão morrendo e vou batizando novamente de George. Acho que deve ser o oitavo. 

Sim – brinquei. E a senhora é Janis Joplin. 

Miss Janis. Vai querer o perfume ? Tenho chocolates com lavanda – sou eu mesma que faço.  – me disse com um sorriso.

Eu estava brincando, mas a semelhança com a cantora, morta por overdose em heroína em 1970 – era imensa.  Eu  ainda engatinhava quando o festival de woodstock, ali perto, fervilhava. A primeira mulher ídolo do rock deixou um vasto registro de imagens. Tinha um sorriso luminoso. 

Desconversei sobre a compra. 

A senhora vai me dizer que é Janis Joplin? E aí os arranjos de flores vão ficar mais caros – ironizei.  

A senhora vendedora de Alfazema sorria a cada provocação minha. Seus óculos enormes, alaranjados, deixavam à mostra as marcas da idade.  Não – pensei. Eu devo estar empolgado com o lugar.  Janis morreu. Eu não a vi, mas os jornais disseram que ela só tinha 27 anos quando nos deixou. Sua voz um pouco rouca e seu jeito rebelde inspiraram gerações. 

Foi sob meu olhar inquisidor que a senhora sentou-se ao meu lado, afagou o pequeno George e me contou sobre a lenda dos índios Adirondacks.  Do nada. Me olhou e saiu falando de amor e solidão.

Não entendi porque falar de amor se eu só queria saber qual a relação dela com a outra Janis. Parecia conversa de bebado. Eu perguntava uma coisa e ela só respondia lendas e trechos de músicas. 

Pedaço do meu coração. “Take another little piece of my heart now, baby” cantarolou com uma voz rouca de fumo. 

Sim, conheço a música. 

Pedaço do meu coração é isso. A  gente ama uma vez, o resto são pedaços do mesmo coração que vagam por aí e a gente vai substituindo um por outro – mas ele é o mesmo, é feito do mesmo material. 

Os índios são sábios. Pensei. 

Mas não havia entendido ainda porque aquela mensagem, o que significava uma lenda se ela não me conhecia. Pode explicar ? O que eu tenho a ver com amor perdido ? A senhora seria uma cigana hippie ?  – brinquei.

 “Quando a gente fala de amor, de coisas que afetam todo mundo, não precisamos nos conhecer”, disse.  Todo conselho – segundo ela, serviria para as almas que vagam pelo mundo. Ela conseguiu ler minha solidão e que com certeza, pelo brilho de meus olhos, ainda buscava por felicidade ao lado de alguém.  

Miss Janis parecia sofrer de Alzheimer – ia e voltava nas histórias, repetia trechos. Às vezes falava com precisão e datas. Me disse que se mudou para Kingston na época do festival e nunca mais voltou da Califórnia, onde tinha no verão anterior rumado a San Francisco em uma kombi psicodélica. Claro, havia visto Janis Joplin no palco e numa tenda próxima, onde tomaram um chá e fumaram maconha juntas. Por uns instantes, enquanto a conversa se desenvolvia, cheguei a imaginar que ela trocou de lugar com a amiga, depois de uma overdose. Que trocou de roupa e identidade e fugiu para as montanhas, vivendo as décadas seguintes de paz e harmonia.  Será ? perguntei. 

Nossa rapaz, que imaginação. Disse sorrindo.  Se tivesse feito isso não teria seguido com o mesmo nome. Certo?

Ou teria feito isso tudo porque seria absurdo e por isso mesmo improvável – retruquei sorrindo.

George latiu. Era hora de partir. Miss Joplin me mostrou sua nova sandália de couro com pequenas pedrinhas – “São do Brasil, como você” revelando sua ótima memória sobre todas as nossas conversas naquela tarde.  Eu peguei uma das flores que comprei com ela, cortei e pedi permissão para colocar em seu cabelo. 

Fique bem Miss Joplin.  Eu prometo que não vou contar ao mundo o seu plano e seu esconderijo. Sorri. Ela fez o sinal de paz e amor  “Pode contar sim. Adoro que as pessoas pensem que eu não morri, que eu fiquei eternizada”

Antes de se afastar, me ofereceu um ramalhete de lavanda. Lembre-se jovem. Não desista -me disse. Siga procurando esse pedaço do seu coração que está por aí perdido.  

Você quer comprar uma flor?  

A memória se foi.  E voltou em segundos quando mostrei o buquê que havia acabado de comprar. Ah obrigado. 

Miss Joplin e o pequeno George desapareceram na multidão. Voltei a Kingston outros sábados e nunca mais os vi por lá. Cheguei até a perguntar em algumas barraquinhas mas ninguém percebeu Miss Janis.

Pesquisei e descobri que a tal lenda dos índios nunca existiu.  Ela deve ter inventado a lenda para criar um clima romântico e me vender as flores.

Um dia acordei lembrando de um amor do passado e a lenda inventada por Miss Janis brotou na lembrança – não era sentimento antigo!! Era o mesmo sentimento que eu perdi no passado e que ainda não pousou em uma nova flor. 

Era só “piece of my heart” 

 

  

Categorias: América do Norte, Ámérica do Sul, Cultura e Mídia
Tags: ,

Boletim diário

Digite seu endereço de e-mail para assinar o nosso serviço de notícias diárias.

Search

Whatsapp

Pressenza Whatsapp

Informe Pressenza

Informe Pressenza

Caderno de cultura

Caderno de cultura

O Princípio do fim das armas nucleares

Documentário 'RBUI, o nosso direito de viver'

Canale YouTube

International Campaign to Abolish Nuclear Weapons

International Campaign to Abolish Nuclear Weapons

Arquivo

xpornplease pornjk porncuze porn800 porn600 tube300 tube100 watchfreepornsex

Except where otherwise note, content on this site is licensed under a Creative Commons Attribution 4.0 International license.