Léon e a revoluções perdidas

21.02.2021 - New York, EUA - Marco Da Costa

Léon e a revoluções perdidas
(Crédito da Imagem: Ilustração de Guilherme Maia)
CRÔNICA

 

 

 

Por Marco Dacosta

 

 

“Aqui estava eu em Nova York, cidade da prosa e da fantasia, do automatismo capitalista, suas ruas um triunfo do cubismo, sua filosofia moral, a do dólar. Nova York me impressionou tremendamente porque, mais do que qualquer outra cidade do mundo, é a expressão mais completa de nossa era moderna”

Leon Trotsky, 1916

 

A ponte do Brooklyn permite uma ampla visão da parte central da cidade.  Às vezes caminho,  olho para trás e os prédios parecem aumentar. Alguns estão lá desde que as torres e cabos que sustentam meus pés foram construídos e as chaminés das fábricas pintavam o céu de cinza. Acredito que seja nesse lugar o maior ponto de conexão com o passado. É a minha máquina do tempo. 

Uma vez uma professora de história me disse que a pintura, ao contrário da fotografia, era a perfeita máquina do tempo. Ao deslizar levemente seu dedo pela tinta seca de uma tela você está tocando no mesmo material que o pintor tocou, muitas vezes no século passado. Tocar na ponte, pisar no chão de madeira, nos tijolos antigos é como me transportar para o passado.  Todos os artistas, escritores, ativistas, poetas e autores que eu admiro passaram por aqui. Não importa se eram russos, alemães, franceses – todos tiveram alguma escala nesta cidade e por isso passaram por aqui, símbolo e marco da metrópole nos dois últimos séculos do milênio. É um lugar de deixar a imaginação me levar até eles. 

Cada vez que venho,  me encontro por um tempo com algum deles. Fico imaginando o que pensavam do futuro, da humanidade ao ver os barcos que cruzam o vão central, sentido o vento forte que corta o rosto e beija os cabos de aço que suspendem as toneladas de tijolos e madeira. A brisa vem e desliza no meu rosto e por minutos estou ao lado deles. 

Ao meu lado parou um homem alto, de cavanhaque. Ele me acompanha com o olhar. Parece que veio de uma festa a fantasia, tem um terno cinza, sapatos negros, calças combinando e um chapéu na mão. 

Cidade de prosa e fantasia. Disse-me olhando para os arranha céus –   Ah me desculpe…Leon … muito prazer ! Turista?

Não.  Eu vivo aqui. 

Me afastei para vê-lo por inteiro, olhei para os lados. Quase me belisquei. Não poderia estar ali conversando com Leon Trotsky, o grande articulador da Revolução Bolchevique – A insurreição de Outubro na Rússia que mudaria o destino da humanidade.  Ou poderia?  Seria a Brooklyn Bridge um parque suspenso de almas que já viveram por aqui ? Me deixei levar pela fantasia. Temos sotaques semelhantes – já me disseram em Brighton Beach, Nova Odessa. O português soa como russo no inglês. Yiddish era predominante no East Side. Qual era o ano? 

 

  1. Antes da Revolução Trotsky parou nessa ponte e olhou para o infinito. Seu único trabalho era ser revolucionário e estava vivendo no Bronx, na época como hoje, periferia, lugar de pobres, negros e trabalhadores das fábricas da cidade.  Eram cinco milhões de almas. Milhares que  chegavam diariamente, em busca de uma nova vida.    Nova Iorque era um caldeirão étnico do novo mundo. Era o coração planetário da capital porque a Europa estava em convulsão e crise.  Atraídos pelas fábricas degradantes e desumana na Union Square, anarquistas se rebelaram contra os magnatas, incendiaram as ruas com discursos inflamados, bombas explodiram. Leon estava acompanhando tudo de perto, se espremendo em manifestações. Posso sentir o cheiro das explosões a querosene que empesteiam as passeatas.  O grito das mulheres, ainda oprimidas e sem voto. Os cânticos italianos da lavoura, as canções irlandesas de guerra e paz. O cheiro da pólvora após a explosão.  Corpos caindo, poças de sangue.  Vermelho como a bandeira que Leon carrega nas mãos.  

 

Trotsky está do meu lado, imaginando o futuro.  Pensativo. O que eu tenho a oferecer ao passado ?  

Eu respiro o passado.  Ah Leon. posso te chamar assim?  Camarada. Sou filho de ferroviário do terceiro mundo – um outro planeta fome e exclusão criados pelas chaminés que sujam o ar freneticamente. O Brasil, de onde venho é o paraíso e o caos. Posso te chamar assim? Não é falta – é excesso de respeito. 

León parece distante. O México foi sua última morada. Ele sabe que nós latinos somos movidos a paixões e comida apimentada. Fomos catequizados para a servidão. Como já cantou Caetano:  “Será que nunca faremos senão confirmar, a incompetência da América católica. Que sempre precisará de ridículos tiranos

Será, será, que será?”

Eu não paro de tentar contar a Leon que tudo parece que foi em vão. Que as revoluções fracassaram. Que o novo milênio chegou e as corporações substituíram o Estado. Somos hoje uma Mad Max governada por executivos jovens da Amazon. Sim, a empresa que tem nome de floresta dizimada. 

Calma. Olha como o ar está limpo, tudo azul. Me disse. Pelo menos vocês limparam o ar. Eu posso ver ao longe. É a Estátua da Liberdade?  Ela sobreviveu. 

Leon tem os olhos bem vividos, bochechas rosadas. Como era a vida naquela confusão de línguas e costumes ?  Modernidade, chamamos o encontro de tudo com todos, camadas que vão se acumulando. Uma revolução que se perde dentro da outra e por aí vai, como um espiral de tragédias e derrotas dos que nada possuem. 

Leon, na história,  voltou para a Rússia depois de alguns meses por aqui. Antes do hip hop, saiu do Bronx para liderar uma revolução. Espere. Você é mesmo Leon Trotsky? 

Eu ? Claro que não. Sou ator. Te convenci ? 

Leon passeava na ponte antes da peça teatral no Brooklyn. Parou ao meu lado para fumar.  Em segundos imaginei que fosse Trotsky e já imaginei que ficaríamos amigos.  Que eu o seguiria para a revolução, que chegaríamos ao poder, que seríamos expulsos do poder e que vagaríamos por uma rua da cidade do México.  E Nova Iorque seria para sempre a lembrança de onde a esperança da mudança do mundo começou. 

E gritaríamos ao mundo – como está na base da senhora liberdade: “Venham a mim as massas exaustas, pobres e confusas ansiando por respirar liberdade. Venham a mim os desabrigados”

Não temos medo da tempestade Leon. Nós somos a tempestade. 

 

Categorias: América do Norte, Ámérica do Sul, Cultura e Mídia
Tags: , ,

Boletim diário

Digite seu endereço de e-mail para assinar o nosso serviço de notícias diárias.

Search

Whatsapp

Pressenza Whatsapp

Informe Pressenza

Informe Pressenza

Caderno de cultura

Caderno de cultura

O Princípio do fim das armas nucleares

Documentário 'RBUI, o nosso direito de viver'

Canale YouTube

International Campaign to Abolish Nuclear Weapons

International Campaign to Abolish Nuclear Weapons

Arquivo

xpornplease pornjk porncuze porn800 porn600 tube300 tube100 watchfreepornsex

Except where otherwise note, content on this site is licensed under a Creative Commons Attribution 4.0 International license.