JOHN COLTRANE E O COSMO

21.02.2021 - Redação Rio de Janeiro

JOHN COLTRANE E O COSMO
(Crédito da Imagem: Ilustração de Guilherme Maia)
CRÔNICA

 

 

Por Guilherme Maia

 

 

 

Era 1957 e a vida se desdobrara para Coltrane. Formara seu grupo com Paul Chambers no contrabaixo, Lee Morgan no trompete, Curtis Fuller no trombone e Kenny Drew no piano e Philly Joe Jones na bateria.

Talvez não tenha passado pela cabeça de John a revolução harmônica que explodiria o Jazz como um todo, implementando o Hard Bop. O fato é que pela primeira vez em sua vida estava no comado de excelentes músicos e fazendo seu disco solo. A experiência de acompanhar Miles Davis, Charlie Parker e outros deuses, deu todas as referências objetivas para se tornar um condottiere desses loucos bandoleiros do explosivo Bop.

Comecemos pela capa: foto esvanecida em um azul aguamarina, magna opera do fotógrafo Francis Wolff. A tonalidade da cor primordial se convertendo em verde, cujo arremate é o sóbrio nome do músico. O rosto sereno e contemplativo pode ser uma aviso do que nossa audição aguarda. O olhar divagando em seu mundo de notas e revoluções. O Blue Train é um divisor de águas para o Jazz, porque é o nascedouro efusivo de um gênio. A partir de então John Coltrane ficou livre para comandar.

O músico pisou no estúdio Van Gelder Studio, em Hackensack, Nova Jersey, e gravou para o selo histórico da Blue Note. Sob seus pés a quebra perceptiva de uma realidade brutal de um império USA em seu auge, exsurgindo como a maior potência no pós II Guerra, porém afundada na intolerância ao negro e ao pensamento progressista de inclusão social. O welfare state ainda estava longe de sua ruína e a economia estava em seu ápice. Mas o aprisionamento hipócrita envolvia a todos os que sentem a necessidade de amar a vida e ao próximo. Abundância e hipocrisia, este é o tom do ar do mundo vivido por Coltrane e é contra isso que volta sua revolução estética. Isso tudo está no olhar ensimesmado e combativo da foto da capa.

Blue Train é um crescendo pujante de um riff musical que se quebra numa jam sinuosa cheio de cabriolas jazzísticas, o piano de Kenny Drew pontuando a repetição do motivo inicial marca com leveza e impositividade a linha que separa o senso de normal e a genialidade-loucura. Lee Morgan, outro gênio absoluto do Jazz, ou melhor, da Música, está muito presente no uníssono que forma com Coltrane no riff e depois se contém, pois o sax tenor domina todos os espaços musicais com participação constante do piano (sempre pontuando o voo do comandante). Depois do solo espaçado do saxofone, Lee Morgan vai à lua e volta com seu próprio solo rascante, também acompanhado do piano. Por fim, é a vez de Curtis Fuller, que desempenha seu trombone com firmeza aveludada.

Desse início de viagem para A Love Supreme se passaram oito anos e, em 1965, outra revolução vem e a constelação é: McCoy Tiner no piano, Elvin Jones na bateria e Jimmy Garrison no baixo.  O título enigmaticamente messiânico permeia toda construção de Acknowledgement; primeiro, polvilhado na jam, depois, aparecendo na linha melódica e, por fim, cantado, um cantochão monótono A Love Suprem A Love Supreme. E segue o silêncio até o ar ser rasgado com o leitmotiv do espírito místico contido no sax tenor de Coltrane – é hora de Resolution.

Para além do amor ao Jazz e à música, John Coltrane é a libertação da linguagem, é melodioso e atonal, é audível e espiritual. O instrumento é um saxofone tenor e o intuito é a integração cósmica homem-universo, porque muito além das notas musicais está o Noétos Tópos, a hermenêutica da perfectibilidade humana frente ao desconhecido e ao divino.

 

 

 

Categorias: Ámérica do Sul, Cultura e Mídia
Tags: , ,

Boletim diário

Digite seu endereço de e-mail para assinar o nosso serviço de notícias diárias.

Search

Whatsapp

Pressenza Whatsapp

Informe Pressenza

Informe Pressenza

Caderno de cultura

Caderno de cultura

O Princípio do fim das armas nucleares

Documentário 'RBUI, o nosso direito de viver'

Canale YouTube

International Campaign to Abolish Nuclear Weapons

International Campaign to Abolish Nuclear Weapons

Arquivo

xpornplease pornjk porncuze porn800 porn600 tube300 tube100 watchfreepornsex

Except where otherwise note, content on this site is licensed under a Creative Commons Attribution 4.0 International license.