Gozo sonhado é gozo, ainda que em sonho

03.01.2021 - Goiânia, GO - Brasil - Lillian Bento

Gozo sonhado é gozo, ainda que em sonho
(Crédito da Imagem: Ilustração de Marceleza de Castilho)
CRÔNICA

 

 

Por Lillian Bento

 

 

Antes da quarentena eu estava vivendo um tipo de solidão. Uma solidão de parcerias sólidas, uma escassez de afeto com intimidade e entrega. A diferença é que, antes do isolamento social, eu podia enganar esse sentimento em encontros furtivos, beijos sem profundidade e corpos que se acariciavam sem nenhuma entrega. Mas a solidão seguia presente. E eu seguia em fuga. 

Agora aqui, isolada nesse apartamento há 9 meses, não há mais como enganá-la. Fomos colocadas uma diante da outra e a olhei nos olhos. Ela mudou de forma, adentrou minhas profundezas e se fez grande companheira. Haja Jung para me manter de pé. Haja Freud para entender minhas fugas pregressas. 

O que agora sei é que nesse mergulho de entrega intensa, encontrei no universo onírico parte importante do que penso ser. Comecei a escrever os sonhos que venho tendo durante esse período de isolamento social e são muitos. São intensos. São partes importantes de minha trajetória – sobre isso escrevi nesse primeiro texto-sonho. 

Hoje acordei a ouvir em minha mente os versos de Ricardo Reis, heterônimo de Fernando Pessoa, a lembrar-me que, sim, “(…)gozo sonhado é gozo, ainda que em sonho./ Nós o que nos supomos nos fazemos (…)”. E foi assim, que guiada por meus desejos mais profundos que voltei a encontrar-te nesta noite. Para lembrar-me que os desejos permanecem mesmo diante das impossibilidades. É onde você está. 

Nos encontramos um quarto empoeirado e cheios de telas. Algumas pintadas, outras em branco. Havia uma mala a ser feita e a ideia era repetida tanto por você quanto por mim por diversas vezes. Depois, entregues ao momento, as horas se perderam e a mala foi esquecida. Você vestia uma cueca branca. Eu me inebriava nos pelos do seu peito e contemplava a barba mal feita e o cheiro de sal. Tinha um quê de velho do mar e isso era engraçado e me dava um tesão absoluto ao mesmo tempo. 

Sempre tive um desejo guardado por alguma coisa guardada nesse tipo de Hemingway – talvez o mistério ou a solidão bem vivida, a intimidade com o mar, não sei, o cheiro da maresia, o eterno flerte. O que sei é que naquela cama também coberta por lençóis brancos e velhos, naquele galpão cheio de telas em branco e tintas espalhadas, meu corpo e o seu brilhavam de tão suados. 

Era um sonho meio cinematográfico. Havia uma direção de arte típica de quem elabora o desejo por mais de alguns meses, mas descrevendo os detalhes da cena não me atenho à intensidade das sensações. Suas mãos deslizavam por meu corpo.  Firmes, me apertavam a carne. Seguiam a guiar sua boca e sua língua que me arrancavam boca aberta, coluna ereta e ventre a tremer. Eu convulsionava. Você contemplava. 

Te seguirei com firmeza como quem encontra o que procura, como a penetrar a pele com as mãos. Tudo pulsava forte, com ritmo, suor, saliva e gozo.  Os braços firmes, a boca aberta e o corpo arrepiado… ah, um sonho regado de cheiros e toques. Mal consigo escrever agora sem contorcer-me diante do computador. Tampouco sei se compreenderias tu meu desejo, mas aqui ele está,  quase revelado e você segue a habitar minha vida onírica e despertar desejos intensos. Sem depois, dedico a ti os versos de Ricardo Reis: 

Gozo sonhado é gozo, ainda que em sonho.
Nós o que nos supomos nos fazemos,
Se com atenta mente
Resistirmos em crê-lo.
Não, pois, meu modo de pensar nas coisas,
Nos seres e no fado me consumo.
Para mim crio tanto
Quanto para mim crio.
Fora de mim, alheio ao em que penso,
O Fado cumpre-se. Porém eu me cumpro
Segundo o âmbito breve
Do que de meu me é dado.

(Ricardo Reis, 30.01.1927)

Ilustração de Marceleza de Castilho

Categorias: Ámérica do Sul, Cultura e Mídia
Tags: ,

Boletim diário

Digite seu endereço de e-mail para assinar o nosso serviço de notícias diárias.

Search

Whatsapp

Pressenza Whatsapp

Informe Pressenza

Informe Pressenza

Caderno de cultura

Caderno de cultura

O Princípio do fim das armas nucleares

Documentário 'RBUI, o nosso direito de viver'

Canale YouTube

International Campaign to Abolish Nuclear Weapons

International Campaign to Abolish Nuclear Weapons

Arquivo

xpornplease pornjk porncuze porn800 porn600 tube300 tube100 watchfreepornsex

Except where otherwise note, content on this site is licensed under a Creative Commons Attribution 4.0 International license.